Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 25 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Deficit policial


Do Diário do Grande ABC

29/10/2020 | 00:12


O número impressiona. Faltam, de acordo com levantamento de sindicato da categoria, 761 policiais civis para completar os quadros da corporação no Grande ABC. São delegados, escrivães, investigadores, agentes policiais e de telecomunicações, papiloscopistas e auxiliares de papiloscopista. Pelos parâmetros de segurança do Estado, a região deveria contar com 1.948 profissionais, mas emprega atualmente 1.187. Com tamanho deficit, não há como garantir a eficiência dos serviços. Ante a inanição do governo paulista, que tem a obrigação constitucional de repor os recursos humanos, a conta acaba sendo paga pela sociedade.

Especialista em segurança, a consultora Regina Jasinowodolinski diz que a deficiência de agentes impacta duramente o trabalho de investigação, já que há propensão em deslocar os policiais existentes para os serviços imediatos, como a elaboração de boletins de ocorrência. Com isso, resta prejudicada a atuação de Polícia Judiciária, tarefas elementares na apuração das circunstâncias e autoria de crimes. A sensação de impunidade que vigora no Brasil, como se vê, não é à toa.

Além da falta de homens, a corporação sofre, ainda, com outros problemas graves no Grande ABC, como aponta o Sindpesp (Sindicato dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo). A lista inclui equipamentos obsoletos, viaturas sem manutenção e falta de conservação das delegacias. Vê-se que não há exagero quando se comparam policiais civis a heróis.

A população do Grande ABC só não fica totalmente à mercê da criminalidade graças à dedicação dos agentes e do comando da Polícia Civil, que se sacrificam para suprir a deficiência de pessoal. Em vez de gastar energia na briga política com o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), que em nada contribui para melhorar a segurança pública do Estado, o governador João Doria (PSDB) deveria canalizar sua vitalidade em busca de alternativas capazes de completar os quadros das delegacias espalhadas nas sete cidades. A população regional, não tenha o tucano a menor dúvida, ficaria eternamente agradecida.
 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Deficit policial

Do Diário do Grande ABC

29/10/2020 | 00:12


O número impressiona. Faltam, de acordo com levantamento de sindicato da categoria, 761 policiais civis para completar os quadros da corporação no Grande ABC. São delegados, escrivães, investigadores, agentes policiais e de telecomunicações, papiloscopistas e auxiliares de papiloscopista. Pelos parâmetros de segurança do Estado, a região deveria contar com 1.948 profissionais, mas emprega atualmente 1.187. Com tamanho deficit, não há como garantir a eficiência dos serviços. Ante a inanição do governo paulista, que tem a obrigação constitucional de repor os recursos humanos, a conta acaba sendo paga pela sociedade.

Especialista em segurança, a consultora Regina Jasinowodolinski diz que a deficiência de agentes impacta duramente o trabalho de investigação, já que há propensão em deslocar os policiais existentes para os serviços imediatos, como a elaboração de boletins de ocorrência. Com isso, resta prejudicada a atuação de Polícia Judiciária, tarefas elementares na apuração das circunstâncias e autoria de crimes. A sensação de impunidade que vigora no Brasil, como se vê, não é à toa.

Além da falta de homens, a corporação sofre, ainda, com outros problemas graves no Grande ABC, como aponta o Sindpesp (Sindicato dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo). A lista inclui equipamentos obsoletos, viaturas sem manutenção e falta de conservação das delegacias. Vê-se que não há exagero quando se comparam policiais civis a heróis.

A população do Grande ABC só não fica totalmente à mercê da criminalidade graças à dedicação dos agentes e do comando da Polícia Civil, que se sacrificam para suprir a deficiência de pessoal. Em vez de gastar energia na briga política com o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), que em nada contribui para melhorar a segurança pública do Estado, o governador João Doria (PSDB) deveria canalizar sua vitalidade em busca de alternativas capazes de completar os quadros das delegacias espalhadas nas sete cidades. A população regional, não tenha o tucano a menor dúvida, ficaria eternamente agradecida.
 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;