Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 27 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Índice de abstenção pode subir com aval de justificativa por celular

Pixabay Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

TSE autoriza que eleitor explique motivos por falta de votar via aplicativo diante da pandemia; especialista teme ‘pleito facultativo’


Fabio Martins
Do Diário do Grande ABC

17/10/2020 | 00:41


O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) liberou pela primeira vez justificativa de ausência das urnas pelo aplicativo denominado e-Título, medida que pode provocar aumento dos índices de abstenção no processo. A concessão foi aberta pelo órgão em decorrência da pandemia de Covid-19. As votações da disputa municipal irão ocorrer em 15 de novembro (primeiro turno) e dia 29 do mesmo mês (segunda etapa da empreitada). Especialistas analisam que a novidade deve elevar o número de abstenções, com risco de tornar o pleito facultativo.

A ferramenta é direcionada a quem estiver fora do domicílio eleitoral ou impedido de comparecer à zona de votação na data do páreo, ficando obrigado a justificar falta no processo. A utilização do mecanismo passou a ser a recomendação do TSE, exceto em casos que não há acesso à internet. O prazo para a alegação é de até 60 dias após cada fase do pleito. Com o novo passo, o procedimento deve ser feito pelo celular ou tablet. A proposta do aplicativo é substituir versão física do título de eleitor.

A facilidade para justificar a ausência na votação, em conjunto com a crise sanitária e a aversão à política de parte do eleitorado, é ingrediente adicional neste cenário já elevado daqueles que deixam de depositar voto nas urnas. É o que avalia o cientista político e sociólogo Fábio Gomes, ao considerar que esse panorama, aliado também à taxa inexpressiva de multa, caminha a uma “cena que se aproxima do voto facultativo”. “É uma tendência e desejo amparados pela facilidade tecnológica”, pontuou.

O especialista advertiu que a abstenção no País deve crescer justamente pela combinação de fatores. Para Gomes, apenas a pandemia de forma isolada já seria motivo de afastamento. “Isso se dá em ambiente estimulado, de relação fria das pessoas com a política, situação conturbada da classe devido a processos na Justiça. Há, portanto, predisposição dos eleitores, que vão analisar se vale a pena ir até às urnas, em face também da taxa pequena (de multa). Ter ferramenta que facilite pode certamente potencializar essa tendência. O aplicativo reforça esse comportamento, ajuda a fomentar.”

Na última disputa municipal, em 2016, o Grande ABC teve percentual de abstenção na casa dos 20%. A região contabilizou 412,8 mil munícipes fora das urnas no primeiro turno entre os 2,068 milhões de eleitores das sete cidades. Santo André foi a cidade que registrou maior índice à época: 22,24%, o que representa 126,6 mil pessoas na oportunidade. São Bernardo apareceu na sequência, com 20,04% (122,6 mil). Diadema e Ribeirão Pires ficaram na casa dos 19% (66 mil e 17,1 mil, respectivamente). São Caetano computou a menor quantidade. Foram 15,69%, o equivalente a 20,1 mil cidadãos.

O segundo turno do pleito na região – exercido em Santo André, São Bernardo, Diadema e Mauá – mostrou acréscimo da abstenção. De acordo com dados do TSE, 439,3 mil eleitores dessas cidades não compareceram às suas seções eleitorais, aumento de 18,87% na comparação com os mesmos municípios na etapa inicial.

O eleitor que não votar e não justificar a ausência dentro do prazo estipulado deve pagar multa para regularizar a situação. Caso não haja comparecimento em três eleições seguidas e não justifique ou pague a multa, terá o título cancelado. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Índice de abstenção pode subir com aval de justificativa por celular

TSE autoriza que eleitor explique motivos por falta de votar via aplicativo diante da pandemia; especialista teme ‘pleito facultativo’

Fabio Martins
Do Diário do Grande ABC

17/10/2020 | 00:41


O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) liberou pela primeira vez justificativa de ausência das urnas pelo aplicativo denominado e-Título, medida que pode provocar aumento dos índices de abstenção no processo. A concessão foi aberta pelo órgão em decorrência da pandemia de Covid-19. As votações da disputa municipal irão ocorrer em 15 de novembro (primeiro turno) e dia 29 do mesmo mês (segunda etapa da empreitada). Especialistas analisam que a novidade deve elevar o número de abstenções, com risco de tornar o pleito facultativo.

A ferramenta é direcionada a quem estiver fora do domicílio eleitoral ou impedido de comparecer à zona de votação na data do páreo, ficando obrigado a justificar falta no processo. A utilização do mecanismo passou a ser a recomendação do TSE, exceto em casos que não há acesso à internet. O prazo para a alegação é de até 60 dias após cada fase do pleito. Com o novo passo, o procedimento deve ser feito pelo celular ou tablet. A proposta do aplicativo é substituir versão física do título de eleitor.

A facilidade para justificar a ausência na votação, em conjunto com a crise sanitária e a aversão à política de parte do eleitorado, é ingrediente adicional neste cenário já elevado daqueles que deixam de depositar voto nas urnas. É o que avalia o cientista político e sociólogo Fábio Gomes, ao considerar que esse panorama, aliado também à taxa inexpressiva de multa, caminha a uma “cena que se aproxima do voto facultativo”. “É uma tendência e desejo amparados pela facilidade tecnológica”, pontuou.

O especialista advertiu que a abstenção no País deve crescer justamente pela combinação de fatores. Para Gomes, apenas a pandemia de forma isolada já seria motivo de afastamento. “Isso se dá em ambiente estimulado, de relação fria das pessoas com a política, situação conturbada da classe devido a processos na Justiça. Há, portanto, predisposição dos eleitores, que vão analisar se vale a pena ir até às urnas, em face também da taxa pequena (de multa). Ter ferramenta que facilite pode certamente potencializar essa tendência. O aplicativo reforça esse comportamento, ajuda a fomentar.”

Na última disputa municipal, em 2016, o Grande ABC teve percentual de abstenção na casa dos 20%. A região contabilizou 412,8 mil munícipes fora das urnas no primeiro turno entre os 2,068 milhões de eleitores das sete cidades. Santo André foi a cidade que registrou maior índice à época: 22,24%, o que representa 126,6 mil pessoas na oportunidade. São Bernardo apareceu na sequência, com 20,04% (122,6 mil). Diadema e Ribeirão Pires ficaram na casa dos 19% (66 mil e 17,1 mil, respectivamente). São Caetano computou a menor quantidade. Foram 15,69%, o equivalente a 20,1 mil cidadãos.

O segundo turno do pleito na região – exercido em Santo André, São Bernardo, Diadema e Mauá – mostrou acréscimo da abstenção. De acordo com dados do TSE, 439,3 mil eleitores dessas cidades não compareceram às suas seções eleitorais, aumento de 18,87% na comparação com os mesmos municípios na etapa inicial.

O eleitor que não votar e não justificar a ausência dentro do prazo estipulado deve pagar multa para regularizar a situação. Caso não haja comparecimento em três eleições seguidas e não justifique ou pague a multa, terá o título cancelado. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;