Fechar
Publicidade

Domingo, 29 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Sabará tem candidatura suspensa em SP e diz ser perseguido por 'ala esquerdista'



24/09/2020 | 11:38


Após ter a candidatura à Prefeitura de São Paulo suspensa pelo partido Novo, Filipe Sabará disse ser alvo de perseguição promovida por João Amoêdo, ex-presidente nacional da sigla, e de "uma ala esquerdista minoritária" do partido. Sabará teve a candidatura suspensa nessa quarta-feira, 23, em caráter liminar, após decisão do conselho de ética do diretório nacional. A legenda não explica a razão da suspensão, alegando que o motivo é "sigiloso".

"Estou sendo perseguido pelo João Amoêdo e por uma ala esquerdista minoritária do partido Novo, por ser uma pessoa de direita. As críticas são infundadas", disse Sabará. E completou: "Estou entrando com todos os meios jurídicos e medidas judiciais cabíveis, tanto para reverter a situação, quanto para processar os responsáveis. Infiltrados do MBL também estão nesse grupo de pessoas que estão tentando me derrubar."

A suspensão foi confirmada após a análise de um pedido de impugnação assinada por Kauan Gonçalves Viscardi, de Santa Catarina. Segundo um comunicado do partido, obtido pelo Estadão, Sabará terá prazo estabelecido pelo estatuto para a manifestação de sua defesa, mas sua candidatura está temporariamente suspensa.

"O Diretório Nacional reforça a determinação do CEP (conselho de ética do partido) de suspensão temporária de todas as ações de pré-campanha em nome do candidato até o assunto seja efetivamente julgado", diz o texto divulgado pelo partido.

A iniciativa revela uma divisão interna na legenda entre um grupo mais alinhado com o presidente Jair Bolsonaro, do qual fazem parte o governador de Minas Gerais, Romeu Zema, e parte da bancada de deputados federais, e outro que faz oposição ao Planalto. Sabará também é alvo de contestação por parte de pré-candidatos a vereador da capital.

Um grupo criado no WhatsApp intitulado "Tentando Salvar o Novo" tem criticado duramente as declarações de Sabará em defesa de Bolsonaro. Na semana passada, o debate interno foi acirrado após o candidato ter dito, em um programa de rádio, que Paulo Maluf foi o melhor prefeito que a capital paulista já teve.

Na semana passada, Sabará também se envolveu em uma polêmica com o ex-porta-voz do Vem Pra Rua Rogério Chequer, que foi candidato do Novo ao governo paulista em 2018. Na mesma entrevista em que elogiou Maluf, o candidato foi questionado sobre uma declaração contra Chequer feita durante a campanha, na qual o chamou de "oportunista".



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Sabará tem candidatura suspensa em SP e diz ser perseguido por 'ala esquerdista'


24/09/2020 | 11:38


Após ter a candidatura à Prefeitura de São Paulo suspensa pelo partido Novo, Filipe Sabará disse ser alvo de perseguição promovida por João Amoêdo, ex-presidente nacional da sigla, e de "uma ala esquerdista minoritária" do partido. Sabará teve a candidatura suspensa nessa quarta-feira, 23, em caráter liminar, após decisão do conselho de ética do diretório nacional. A legenda não explica a razão da suspensão, alegando que o motivo é "sigiloso".

"Estou sendo perseguido pelo João Amoêdo e por uma ala esquerdista minoritária do partido Novo, por ser uma pessoa de direita. As críticas são infundadas", disse Sabará. E completou: "Estou entrando com todos os meios jurídicos e medidas judiciais cabíveis, tanto para reverter a situação, quanto para processar os responsáveis. Infiltrados do MBL também estão nesse grupo de pessoas que estão tentando me derrubar."

A suspensão foi confirmada após a análise de um pedido de impugnação assinada por Kauan Gonçalves Viscardi, de Santa Catarina. Segundo um comunicado do partido, obtido pelo Estadão, Sabará terá prazo estabelecido pelo estatuto para a manifestação de sua defesa, mas sua candidatura está temporariamente suspensa.

"O Diretório Nacional reforça a determinação do CEP (conselho de ética do partido) de suspensão temporária de todas as ações de pré-campanha em nome do candidato até o assunto seja efetivamente julgado", diz o texto divulgado pelo partido.

A iniciativa revela uma divisão interna na legenda entre um grupo mais alinhado com o presidente Jair Bolsonaro, do qual fazem parte o governador de Minas Gerais, Romeu Zema, e parte da bancada de deputados federais, e outro que faz oposição ao Planalto. Sabará também é alvo de contestação por parte de pré-candidatos a vereador da capital.

Um grupo criado no WhatsApp intitulado "Tentando Salvar o Novo" tem criticado duramente as declarações de Sabará em defesa de Bolsonaro. Na semana passada, o debate interno foi acirrado após o candidato ter dito, em um programa de rádio, que Paulo Maluf foi o melhor prefeito que a capital paulista já teve.

Na semana passada, Sabará também se envolveu em uma polêmica com o ex-porta-voz do Vem Pra Rua Rogério Chequer, que foi candidato do Novo ao governo paulista em 2018. Na mesma entrevista em que elogiou Maluf, o candidato foi questionado sobre uma declaração contra Chequer feita durante a campanha, na qual o chamou de "oportunista".

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;