Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 3 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Vacina russa pode ser categorizada como candidata, diz especialista em entrevista

 Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


04/09/2020 | 09:48


O diretor da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm), Renato Kfouri, avaliou nesta sexta-feira que a potencial vacina russa para a covid-19, chamada Sputnik V, pode ser categorizada como candidata. "A vacina russa agora pode ser categorizada como candidata, é a 8ª vacina entrando em fase 3", disse em entrevista à GloboNews, citando as possíveis vacinas produzidas pela Universidade de Oxford e pelas empresas chinesas Sinovac e CanSino como outros exemplos que estão na terceira fase de estudos clínicos.

Estudo publicado na revista The Lancet nesta sexta-feira (4) diz que a Sputnik V é segura e foi capaz de criar anticorpos contra o novo coronavírus. Kfouri explicou que o estudo que reuniu as fases 1 e 2 concluído na Rússia credencia agora a Sputnik V para testes mais avançados, de fase 3, que vão medir a eficácia do potencial imunizante.

Sobre o tempo de imunização que a Sputnik V pode oferecer, Kfouri afirmou que é improvável que os cientistas russos conseguirão essa informação em tempo hábil para a eventual aprovação da vacina. "Vamos licenciar vacinas nesse cenário de pandemia sem todas as informações completas, uma delas é essa período de imunização. Para preencher todos as informações que precisamos, esperaríamos 4, 5 anos", acrescentou.

Kfouri ainda disse que a vacina russa apresenta uma diferença em relação às outras candidatas contra o novo coronavírus que utilizam o método de vetor - nesta técnica, é injetado no corpo humano uma pequena quantidade de um vírus para que o sistema imunológico crie anticorpos contra o organismo intruso. Segundo o especialista, a Sputnik V usa dois vírus diferentes como vetores, um em cada dose. A estratégia é diferente, por exemplo, da adotada por Oxford, que usa um único vírus como vetor nas duas doses da vacina.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Vacina russa pode ser categorizada como candidata, diz especialista em entrevista


04/09/2020 | 09:48


O diretor da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm), Renato Kfouri, avaliou nesta sexta-feira que a potencial vacina russa para a covid-19, chamada Sputnik V, pode ser categorizada como candidata. "A vacina russa agora pode ser categorizada como candidata, é a 8ª vacina entrando em fase 3", disse em entrevista à GloboNews, citando as possíveis vacinas produzidas pela Universidade de Oxford e pelas empresas chinesas Sinovac e CanSino como outros exemplos que estão na terceira fase de estudos clínicos.

Estudo publicado na revista The Lancet nesta sexta-feira (4) diz que a Sputnik V é segura e foi capaz de criar anticorpos contra o novo coronavírus. Kfouri explicou que o estudo que reuniu as fases 1 e 2 concluído na Rússia credencia agora a Sputnik V para testes mais avançados, de fase 3, que vão medir a eficácia do potencial imunizante.

Sobre o tempo de imunização que a Sputnik V pode oferecer, Kfouri afirmou que é improvável que os cientistas russos conseguirão essa informação em tempo hábil para a eventual aprovação da vacina. "Vamos licenciar vacinas nesse cenário de pandemia sem todas as informações completas, uma delas é essa período de imunização. Para preencher todos as informações que precisamos, esperaríamos 4, 5 anos", acrescentou.

Kfouri ainda disse que a vacina russa apresenta uma diferença em relação às outras candidatas contra o novo coronavírus que utilizam o método de vetor - nesta técnica, é injetado no corpo humano uma pequena quantidade de um vírus para que o sistema imunológico crie anticorpos contra o organismo intruso. Segundo o especialista, a Sputnik V usa dois vírus diferentes como vetores, um em cada dose. A estratégia é diferente, por exemplo, da adotada por Oxford, que usa um único vírus como vetor nas duas doses da vacina.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;