Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 7 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Bolsas de NY registram ganhos, com mais impulso à tarde e novo recorde do Nasdaq

Pixabay Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


10/07/2020 | 18:16


Os mercados acionários de Nova York encerraram em território positivo, em um pregão volátil, ganhando mais fôlego na reta final desta sexta-feira, 10. Notícias de avanços na busca por tratamentos ou uma vacina para a covid-19 se sobrepuseram, na percepção dos investidores, à contínua disseminação da doença em alguns Estados americanos.

O índice Dow Jones fechou em alta de 1,44%, em 26.075,30 pontos, o Nasdaq subiu 0,66%, a 10.617,44 pontos, e o S&P 500 avançou 1,05%, a 3.185,04 pontos. Na comparação semanal, o Dow Jones subiu 0,96%, o Nasdaq teve ganho de 4,01% e o S&P 500, de 1,76%.

O Nasdaq chegou a cair parte do dia, após já ter batido máximas históricas de fechamento nesta semana. À tarde, porém, o índice se firmou em território positivo, chegando a novas máximas históricas intraday e de fechamento. Hoje, papéis de serviços de comunicação se destacaram: Alphabet (Google) subiu 1,34%, Amazon ganhou 0,55% e Facebook, 0,23%. Já no setor de tecnologia, Apple teve alta de 0,25%, mas Microsoft recuou 0,30%.

Notícias positivas em um estudo do remdesivir em pacientes da covid-19 agradaram o mercado, atento também à declaração da empresa alemã BioNTech de que ela pode ter uma vacina para covid-19 pronta para aprovação até o fim deste ano. Entre alguns papéis importantes, Boeing subiu 2,98%, ajudando o Dow Jones.

Com isso, ficaram em segundo plano os novos casos da covid-19 nos EUA e também as tensões entre o país e a China. Hoje, o presidente americano, Donald Trump, descartou, ao menos por ora, buscar uma fase 2 no acordo comercial entre as potências.

Com as ações em período forte nos EUA, analistas voltam-se agora também para a temporada de balanços. Em relatório, a Oxford Economics comenta que as bolsas americanas podem ficar mais pressionadas adiante, com a perda de fôlego nas injeções de liquidez e o risco de que a reabertura não necessariamente se traduza em recuperação econômica.

Contato: gabriel.costa@estadao.com



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Bolsas de NY registram ganhos, com mais impulso à tarde e novo recorde do Nasdaq


10/07/2020 | 18:16


Os mercados acionários de Nova York encerraram em território positivo, em um pregão volátil, ganhando mais fôlego na reta final desta sexta-feira, 10. Notícias de avanços na busca por tratamentos ou uma vacina para a covid-19 se sobrepuseram, na percepção dos investidores, à contínua disseminação da doença em alguns Estados americanos.

O índice Dow Jones fechou em alta de 1,44%, em 26.075,30 pontos, o Nasdaq subiu 0,66%, a 10.617,44 pontos, e o S&P 500 avançou 1,05%, a 3.185,04 pontos. Na comparação semanal, o Dow Jones subiu 0,96%, o Nasdaq teve ganho de 4,01% e o S&P 500, de 1,76%.

O Nasdaq chegou a cair parte do dia, após já ter batido máximas históricas de fechamento nesta semana. À tarde, porém, o índice se firmou em território positivo, chegando a novas máximas históricas intraday e de fechamento. Hoje, papéis de serviços de comunicação se destacaram: Alphabet (Google) subiu 1,34%, Amazon ganhou 0,55% e Facebook, 0,23%. Já no setor de tecnologia, Apple teve alta de 0,25%, mas Microsoft recuou 0,30%.

Notícias positivas em um estudo do remdesivir em pacientes da covid-19 agradaram o mercado, atento também à declaração da empresa alemã BioNTech de que ela pode ter uma vacina para covid-19 pronta para aprovação até o fim deste ano. Entre alguns papéis importantes, Boeing subiu 2,98%, ajudando o Dow Jones.

Com isso, ficaram em segundo plano os novos casos da covid-19 nos EUA e também as tensões entre o país e a China. Hoje, o presidente americano, Donald Trump, descartou, ao menos por ora, buscar uma fase 2 no acordo comercial entre as potências.

Com as ações em período forte nos EUA, analistas voltam-se agora também para a temporada de balanços. Em relatório, a Oxford Economics comenta que as bolsas americanas podem ficar mais pressionadas adiante, com a perda de fôlego nas injeções de liquidez e o risco de que a reabertura não necessariamente se traduza em recuperação econômica.

Contato: gabriel.costa@estadao.com

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;