Fechar
Publicidade

Sábado, 11 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

diarinho@dgabc.com.br | 4435-8396

Quem criou o TikTok?

Reprodução Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Aplicativo com vídeos cheios de efeitos e filtros chama a atenção de criançase adolescentes


Luís Felipe Soares
Do Diário do Grande ABC

27/06/2020 | 23:59


O TikTok não tem um criador único ou uma pessoa que teve a ideia por trás de seu conceito. Ele foi desenvolvido pela ByteDance, uma poderosa empresa tecnológica da cidade de Pequim, Capital da China. Foram necessárias série de mudanças de seu perfil original e união com outros programas para que o aplicativo chegasse ao formato como o público o conhece hoje em dia, como um das atrações mais populares da internet nos últimos anos.

Trata-se de uma mescla entre um app de edição de imagens e vídeos com rede social entre o público. Usuários de diferentes idades podem usá-lo, com crianças e adolescentes sendo os mais empolgados. São vídeos de 15 segundos de duração, onde se pode registrar coreografias, dublagens, brincadeiras, esquetes de humor, reacts (como são chamadas reações a outros conteúdos), entre outras coisas. Uma colagem de material pode render postagens que chegam a 60 segundos. O destaque fica por conta do trabalho em cima dos posts, com efeitos de câmera e filtros diversos. Não é necessário criar nada para explorar o que andam fazendo por lá, sendo que o usuário pode apenas assistir e uma inteligência artificial monta um feed com o conteúdo que você mais gosta. Segundo seu site oficial, a missão do programa é “inspirar criatividade e trazer alegria”. 

O projeto nasceu em setembro de 2016, ainda com o nome de Douyin (som vibrante, em chinês) e exclusivo para o mercado local chinês. O sucesso no país oriental fez com que uma expansão internacional ocorresse em setembro de 2017, já com o nome de TikTok e de olho no mercado ocidental.

Também de origem chinesa, o programa musical.ly brincava com a possibilidade de realizar danças ao som de canções e liberava rápidas dublagens. A ByteDance comprou o aplicativo pelo valor de US$ 1 bilhão (cerca de R$ 5,23 bilhões na cotação atual da moeda) e, em agosto de 2018, desabilitou seu sistema. 

Na verdade, uma última atualização fez com que ele se transformasse no TikTok, ampliando o alcance da marca e aumentando sua fama entre os jovens.

Em 2019, o app teve mais de 1,5 bilhão de downloads globalmente e ultrapassou presença em 150 países, sendo disponibilizado em 75 idiomas. Ele pode ser baixado gratuitamente para quem tem celulares com os sistemas Android (Google) e iOS (Apple). 

Os brasileiros costumam consumir muitas postagens de humor, com novos memes surgindo a cada semana e fazendo a movimentação de criação ser constante.

Consultado no vídeo A História do TikTok, publicado pelo site TecMundo, especializado em cobertura na área de tecnologia, em sua página oficial no YouTube (www.youtube.com/tecmundo). 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Quem criou o TikTok?

Aplicativo com vídeos cheios de efeitos e filtros chama a atenção de criançase adolescentes

Luís Felipe Soares
Do Diário do Grande ABC

27/06/2020 | 23:59


O TikTok não tem um criador único ou uma pessoa que teve a ideia por trás de seu conceito. Ele foi desenvolvido pela ByteDance, uma poderosa empresa tecnológica da cidade de Pequim, Capital da China. Foram necessárias série de mudanças de seu perfil original e união com outros programas para que o aplicativo chegasse ao formato como o público o conhece hoje em dia, como um das atrações mais populares da internet nos últimos anos.

Trata-se de uma mescla entre um app de edição de imagens e vídeos com rede social entre o público. Usuários de diferentes idades podem usá-lo, com crianças e adolescentes sendo os mais empolgados. São vídeos de 15 segundos de duração, onde se pode registrar coreografias, dublagens, brincadeiras, esquetes de humor, reacts (como são chamadas reações a outros conteúdos), entre outras coisas. Uma colagem de material pode render postagens que chegam a 60 segundos. O destaque fica por conta do trabalho em cima dos posts, com efeitos de câmera e filtros diversos. Não é necessário criar nada para explorar o que andam fazendo por lá, sendo que o usuário pode apenas assistir e uma inteligência artificial monta um feed com o conteúdo que você mais gosta. Segundo seu site oficial, a missão do programa é “inspirar criatividade e trazer alegria”. 

O projeto nasceu em setembro de 2016, ainda com o nome de Douyin (som vibrante, em chinês) e exclusivo para o mercado local chinês. O sucesso no país oriental fez com que uma expansão internacional ocorresse em setembro de 2017, já com o nome de TikTok e de olho no mercado ocidental.

Também de origem chinesa, o programa musical.ly brincava com a possibilidade de realizar danças ao som de canções e liberava rápidas dublagens. A ByteDance comprou o aplicativo pelo valor de US$ 1 bilhão (cerca de R$ 5,23 bilhões na cotação atual da moeda) e, em agosto de 2018, desabilitou seu sistema. 

Na verdade, uma última atualização fez com que ele se transformasse no TikTok, ampliando o alcance da marca e aumentando sua fama entre os jovens.

Em 2019, o app teve mais de 1,5 bilhão de downloads globalmente e ultrapassou presença em 150 países, sendo disponibilizado em 75 idiomas. Ele pode ser baixado gratuitamente para quem tem celulares com os sistemas Android (Google) e iOS (Apple). 

Os brasileiros costumam consumir muitas postagens de humor, com novos memes surgindo a cada semana e fazendo a movimentação de criação ser constante.

Consultado no vídeo A História do TikTok, publicado pelo site TecMundo, especializado em cobertura na área de tecnologia, em sua página oficial no YouTube (www.youtube.com/tecmundo). 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;