Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 9 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Joice Hasselmann é acusada de produzir fake news contra bolsonaristas

Reprodução/Instagram Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


05/06/2020 | 16:47


Dois ex-funcionários da deputada federal Joice Hasselmann (PSL-SP) acusam a parlamentar de usar sua equipe de gabinete para criar e disseminar notícias falsas e ataques contra adversários políticos.

Os principais alvos, segundo a dupla, seriam desafetos criados após a ruptura da ex-líder do governo com o presidente Jair Bolsonaro e incluiriam as colegas de parlamento, Bia Kicis (PSL-DF) e Carla Zambelli (PSL-SP), além dos filhos do presidente, o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) e o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP).

Em entrevista à CNN Brasil, sem revelar sua identidade, os dois afirmaram que funcionários eram cobrados a fazer ''montagens de vídeos'', ''criar narrativas'' e ''alimentar perfis falsos'' nas redes sociais, supostamente monitorados pela própria parlamentar.

A reportagem mostrou ainda trocas de mensagens atribuídas à deputada, nas quais ela pede que uma assessora ''coloque todos os perfis para trabalhar no Twitter fazendo comentários positivos'' sobre sua pré-candidatura à prefeitura de São Paulo. Na conversa, ela ainda teria repreendido a funcionária por ter criado ''apenas'' um perfil falso, e emenda: ''falei para você fazer vários''.

A assessora relata dificuldade em criar os perfis devido à exigência de vinculação das contas a números de telefone. Em conversa com outro funcionário, sugere o uso de CPFs falsos para cadastrar os chips de celular e criar contas ilícitas nas redes sociais.

Em outros áudios, Joice Hasselmann pede que a assessora crie uma hashtag contra Bia Kicis e um vídeo afirmando que Carla Zambelli confirmaria ataques do governo contra o ex-ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro.

Zambelli afirma que a fala usada no vídeo foi ''tirada de contexto''. Segundo ela, o trecho foi cortado de um áudio enviado ao porta-voz do movimento Nas Ruas, Tomé Abduch, e se referia à votação do Plano Mansuetto, no dia 2 de maio no Senado.

Aliados do presidente, os deputados Bia Kicis e Carlos Jordy (PSL-RJ) já articulam para levar o caso à Comissão de Ética da Câmara.

''Chumbo trocado''

Ex-aliada bolsonarista, Joice Hasselmann rompeu com o Planalto depois de um ''racha'' no PSL que terminou com a debandada dos Bolsonaro do partido. Ela chegou a disputar a liderança da sigla na Câmara, enquanto o presidente articulava para que o caçula, Eduardo Bolsonaro, assumisse o posto.

A própria deputada acusa o Planalto e seus aliados de envolvimento em esquemas de disseminação de notícias falsas e discursos de ódio. Em dezembro do ano passado, na Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) das Fake News da Câmara dos Deputados, ela chegou a afirmar que um dos grupos de propagadores de notícias falsas e difamações mais ativos seria o chamado ''gabinete do ódio'', integrado por assessores especiais da Presidência da República. O grupo seria pautado, segundo ela, pelos filhos mais novos do presidente, Eduardo e Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ), e pelo ''guru'' Olavo de Carvalho.

Na semana passada, após apoiadores bolsonaristas terem computadores, documentos e celulares apreendidos como provas no inquérito nas fake news, Joice voltou a atacar o governo. A deputada afirmou, nesta quarta-feira, 27, que ''no fim da linha do esquema'' investigado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) está o Palácio do Planalto. Segundo ela, ''o esquema de produção de ataques e mentiras contra adversários políticos e a democracia'' envolve dinheiro público de gabinetes de políticos ligados à família Bolsonaro e recursos de empresários com trânsito constante no Palácio do Planalto.

COM A PALAVRA, JOICE HASSELMANN

Nas redes sociais, a deputada classificou a reportagem como ''irresponsável'', ''patética e mentirosa''. Ela disse ainda que os áudios foram ''forjados'' e que demitiu dois assessores ''infiltrados'' por governistas para roubar dados. "Os dois funcionários começaram a apresentar padrão de vida não condizente com o que ganhavam no meu gabinete e aquilo me chamou a atenção. Cheiro de corrupção. Cheguei a levar dados à época à PF e ao Ministério da Justiça para sobre minhas suspeitas", escreveu em sua conta no Twitter. "Enquanto as suspeitas são investigadas tomei a decisão de demitir, porque peguei os assessores usando computadores do gabinete para espionar e fraudar informações", acrescentou.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Joice Hasselmann é acusada de produzir fake news contra bolsonaristas


05/06/2020 | 16:47


Dois ex-funcionários da deputada federal Joice Hasselmann (PSL-SP) acusam a parlamentar de usar sua equipe de gabinete para criar e disseminar notícias falsas e ataques contra adversários políticos.

Os principais alvos, segundo a dupla, seriam desafetos criados após a ruptura da ex-líder do governo com o presidente Jair Bolsonaro e incluiriam as colegas de parlamento, Bia Kicis (PSL-DF) e Carla Zambelli (PSL-SP), além dos filhos do presidente, o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) e o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP).

Em entrevista à CNN Brasil, sem revelar sua identidade, os dois afirmaram que funcionários eram cobrados a fazer ''montagens de vídeos'', ''criar narrativas'' e ''alimentar perfis falsos'' nas redes sociais, supostamente monitorados pela própria parlamentar.

A reportagem mostrou ainda trocas de mensagens atribuídas à deputada, nas quais ela pede que uma assessora ''coloque todos os perfis para trabalhar no Twitter fazendo comentários positivos'' sobre sua pré-candidatura à prefeitura de São Paulo. Na conversa, ela ainda teria repreendido a funcionária por ter criado ''apenas'' um perfil falso, e emenda: ''falei para você fazer vários''.

A assessora relata dificuldade em criar os perfis devido à exigência de vinculação das contas a números de telefone. Em conversa com outro funcionário, sugere o uso de CPFs falsos para cadastrar os chips de celular e criar contas ilícitas nas redes sociais.

Em outros áudios, Joice Hasselmann pede que a assessora crie uma hashtag contra Bia Kicis e um vídeo afirmando que Carla Zambelli confirmaria ataques do governo contra o ex-ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro.

Zambelli afirma que a fala usada no vídeo foi ''tirada de contexto''. Segundo ela, o trecho foi cortado de um áudio enviado ao porta-voz do movimento Nas Ruas, Tomé Abduch, e se referia à votação do Plano Mansuetto, no dia 2 de maio no Senado.

Aliados do presidente, os deputados Bia Kicis e Carlos Jordy (PSL-RJ) já articulam para levar o caso à Comissão de Ética da Câmara.

''Chumbo trocado''

Ex-aliada bolsonarista, Joice Hasselmann rompeu com o Planalto depois de um ''racha'' no PSL que terminou com a debandada dos Bolsonaro do partido. Ela chegou a disputar a liderança da sigla na Câmara, enquanto o presidente articulava para que o caçula, Eduardo Bolsonaro, assumisse o posto.

A própria deputada acusa o Planalto e seus aliados de envolvimento em esquemas de disseminação de notícias falsas e discursos de ódio. Em dezembro do ano passado, na Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) das Fake News da Câmara dos Deputados, ela chegou a afirmar que um dos grupos de propagadores de notícias falsas e difamações mais ativos seria o chamado ''gabinete do ódio'', integrado por assessores especiais da Presidência da República. O grupo seria pautado, segundo ela, pelos filhos mais novos do presidente, Eduardo e Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ), e pelo ''guru'' Olavo de Carvalho.

Na semana passada, após apoiadores bolsonaristas terem computadores, documentos e celulares apreendidos como provas no inquérito nas fake news, Joice voltou a atacar o governo. A deputada afirmou, nesta quarta-feira, 27, que ''no fim da linha do esquema'' investigado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) está o Palácio do Planalto. Segundo ela, ''o esquema de produção de ataques e mentiras contra adversários políticos e a democracia'' envolve dinheiro público de gabinetes de políticos ligados à família Bolsonaro e recursos de empresários com trânsito constante no Palácio do Planalto.

COM A PALAVRA, JOICE HASSELMANN

Nas redes sociais, a deputada classificou a reportagem como ''irresponsável'', ''patética e mentirosa''. Ela disse ainda que os áudios foram ''forjados'' e que demitiu dois assessores ''infiltrados'' por governistas para roubar dados. "Os dois funcionários começaram a apresentar padrão de vida não condizente com o que ganhavam no meu gabinete e aquilo me chamou a atenção. Cheiro de corrupção. Cheguei a levar dados à época à PF e ao Ministério da Justiça para sobre minhas suspeitas", escreveu em sua conta no Twitter. "Enquanto as suspeitas são investigadas tomei a decisão de demitir, porque peguei os assessores usando computadores do gabinete para espionar e fraudar informações", acrescentou.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;