Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 15 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Maia rechaça aumento de impostos para suprir queda na receita e defende reformas



29/05/2020 | 17:24


O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse que considera difícil qualquer tipo de aumento na carga tributária para compensar a queda de receita pública por causa da pandemia de covid-19.

Segundo ele, o volume de impostos e taxas do Brasil já é de país rico e a saída são reformas, como a tributária e a administrativa. "Não adianta mais receita, temos de reduzir despesas", disse, durante live organizada pela revista IstoÉ.

Maia voltou a cobrar do governo o envio da proposta de reforma administrativa. Sobre a tributária, o deputado disse que a proposta deve unificar bens e serviços.

"Tributamos mais consumo que renda, tributamos mais pobres que ricos. Haverá (a discussão sobre reformas) no segundo semestre, que deve avaliar também a desoneração da folha, porque custo da contratação de mão de obra é grande", afirmou.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Maia rechaça aumento de impostos para suprir queda na receita e defende reformas


29/05/2020 | 17:24


O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse que considera difícil qualquer tipo de aumento na carga tributária para compensar a queda de receita pública por causa da pandemia de covid-19.

Segundo ele, o volume de impostos e taxas do Brasil já é de país rico e a saída são reformas, como a tributária e a administrativa. "Não adianta mais receita, temos de reduzir despesas", disse, durante live organizada pela revista IstoÉ.

Maia voltou a cobrar do governo o envio da proposta de reforma administrativa. Sobre a tributária, o deputado disse que a proposta deve unificar bens e serviços.

"Tributamos mais consumo que renda, tributamos mais pobres que ricos. Haverá (a discussão sobre reformas) no segundo semestre, que deve avaliar também a desoneração da folha, porque custo da contratação de mão de obra é grande", afirmou.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;