Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 21 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Violência toma conta do Quênia à espera dos resultados eleitorais


Da AFP

29/12/2007 | 10:08


Os partidários do líder da oposição e candidato à presidência do Quênia, Raila Odinga, realizaram violentas manifestações neste sábado diante da lenta apuração dos votos das eleições desta semana. Pela primeira vez desde o início do trabalho de centralização dos resultados, a comissão eleitoral anunciou neste sábado resultados parciais da eleição presidencial.

Odinga tem 49,47% dos votos, contra 45,35% do atual presidente, Mwai Kibaki, após a contagem de 7,5 milhões dos 14,2 milhões de votos. Henry Kosgey, presidente do ODM (Movimento Democrático Laranja), de Odinga, questiona a lentidão da apuração dos votos para presidente.

"Se existe algo sujo, queremos saber o que acontece; se há presidentes de mesas eleitorais que tentam falsificar os resultados, o que a comissão vai fazer?", perguntou. Com a lentidão e as acusações de fraude, os militantes do partido de Odinga demonstraram sua revolta em vários bairros pobres de Nairóbi e no oeste do país.

"Houve distúrbios em Eastlands e problemas em Kibera. Tomaremos medidas drásticas para acabar com a violência", declarou o porta-voz da polícia nacional Eric Kiraithe. Eastlands é um grande bairro de barracos de Nairóbi e Kibera é a maior favela da África, a sete quilômetros do centro da capital do Quênia.

No oeste do país, em cidades como Kisumu, reduto de Odinga, Eldoret e Kakamega, pneus foram queimados e lojas saqueadas. Odinga, que passou nove anos preso por sua militância política, foi reeleito sexta-feira deputado por sua circunscrição em Nairóbi, etapa necessário para concorrer à presidência da República.

O campo do presidente Kibaki sofreu um revés nas legislativas, já que 18 dos 30 membros do governo não conseguiram ser reeleitos.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;