Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 29 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Concessionárias optam por suspensão para evitar cortes

Nario Barbosa/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Cerca de 1.250 trabalhadores do setor estão em casa durante quarentena; medida é ante demissão


Tauana Marin
Do Diário do Grande ABC

26/04/2020 | 00:01


Comprar itens de alto valor agregado não está na lista de prioridades dos consumidores brasileiros. Com o novo coronavírus, assim como muitos segmentos da economia, as lojas de comércio de veículos amargam prejuízos e tentam driblar a onda de demissões para não agravar ainda mais a situação. Assim tem sido feito nas concessionárias e revendedoras de veículos no Grande ABC.

Os desligamentos não foram feitos em massa ainda, e as empresas estão optando pela suspensão de contrato, em sua maioria, conforme conta o diretor do Sindicato dos Comerciários do Grande ABC, Jonas José dos Santos.

Ao todo são cerca de 30 concessionárias na região, que empregam 2.500 trabalhadores diretos e mais 500 indiretos (funcionários da limpeza e de lavagem de carros, por exemplo). “A estimativa é a de que 50% desse total de funcionários diretos (1.250) estejam com suspensão de trabalho. Mas o número oficial ainda não temos, porque são muitas as concessionárias que ainda estão formalizando a alternativa, outras estão em contato com o sindicato para saber como proceder nesse caso. Os empresários então tentando a todo custo manter essas mãos de obras, por meio também da redução de salários e jornada.”

O dirigente sindical questiona na sequência: “Como que lucra, movimenta o fluxo de caixa e paga os funcionários com as portas das lojas fechadas?”

Diretor da rede Vigorito na região, com cinco unidades entre Santo André, São Bernardo e Mauá, Hermes Schincariol Junior comentou que, dos 250 funcionários diretos dessas lojas, 30 foram desligados e os demais estão com os contratos de trabalho suspensos. “O setor automotivo já vinha amargando prejuízos nos últimos cinco anos. E agora, com a pandemia, na região, a rede acumulou deficit de R$ 6 milhões entre março e abril, porque, além das vendas não efetuadas, continuamos honrando com os benefícios dos funcionários, aluguéis, impostos”, exemplificou.

Schincariol Junior revelou que apenas duas oficinas estão abertas, voltadas ao conserto de veículos – mesmo assim, os atendimentos caíram 70%, já que a ordem é ficar em casa neste momento para evitar a disseminação da Covid-19. “Além disso, no quesito venda de carros, a única possibilidade para aqueles que querem trocar de veículo são as compras on-line, mas elas também caíram cerca de 90%. As pessoas pesquisam os carros na internet, mas ainda querem ver pessoalmente e testar. Além disso, as famílias estão contendo gastos e comprando o necessário. O carro não entra na lista.”

Ainda de acordo com o diretor da rede Vigorito, após o fim da quarentena e a reabertura do comércio de forma gradativa – cuja expectativa seja após dia 10 de maio, conforme informou o governador João Doria (PSDB) –, a estimativa é a de que as montadoras retomem as vendas entre três e seis meses, com promoções e ofertas atrativas.

“A ideia é voltar a vendar como em janeiro e fevereiro, quando uma de nossas lojas em Santo André vendeu 160 veículos. Um volume razoável para a retomada econômica. Essa mesma loja vendeu no mesmo período em 2013, quando o mercado estava aquecido, 350 carros. É apenas um exemplo para mostrarmos como estamos longe de um cenário aquecido”, comparou. “A verdade é que essa pandemia pegou a todos de surpresa e não deu tempo de ninguém elaborar um plano B.”  



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Concessionárias optam por suspensão para evitar cortes

Cerca de 1.250 trabalhadores do setor estão em casa durante quarentena; medida é ante demissão

Tauana Marin
Do Diário do Grande ABC

26/04/2020 | 00:01


Comprar itens de alto valor agregado não está na lista de prioridades dos consumidores brasileiros. Com o novo coronavírus, assim como muitos segmentos da economia, as lojas de comércio de veículos amargam prejuízos e tentam driblar a onda de demissões para não agravar ainda mais a situação. Assim tem sido feito nas concessionárias e revendedoras de veículos no Grande ABC.

Os desligamentos não foram feitos em massa ainda, e as empresas estão optando pela suspensão de contrato, em sua maioria, conforme conta o diretor do Sindicato dos Comerciários do Grande ABC, Jonas José dos Santos.

Ao todo são cerca de 30 concessionárias na região, que empregam 2.500 trabalhadores diretos e mais 500 indiretos (funcionários da limpeza e de lavagem de carros, por exemplo). “A estimativa é a de que 50% desse total de funcionários diretos (1.250) estejam com suspensão de trabalho. Mas o número oficial ainda não temos, porque são muitas as concessionárias que ainda estão formalizando a alternativa, outras estão em contato com o sindicato para saber como proceder nesse caso. Os empresários então tentando a todo custo manter essas mãos de obras, por meio também da redução de salários e jornada.”

O dirigente sindical questiona na sequência: “Como que lucra, movimenta o fluxo de caixa e paga os funcionários com as portas das lojas fechadas?”

Diretor da rede Vigorito na região, com cinco unidades entre Santo André, São Bernardo e Mauá, Hermes Schincariol Junior comentou que, dos 250 funcionários diretos dessas lojas, 30 foram desligados e os demais estão com os contratos de trabalho suspensos. “O setor automotivo já vinha amargando prejuízos nos últimos cinco anos. E agora, com a pandemia, na região, a rede acumulou deficit de R$ 6 milhões entre março e abril, porque, além das vendas não efetuadas, continuamos honrando com os benefícios dos funcionários, aluguéis, impostos”, exemplificou.

Schincariol Junior revelou que apenas duas oficinas estão abertas, voltadas ao conserto de veículos – mesmo assim, os atendimentos caíram 70%, já que a ordem é ficar em casa neste momento para evitar a disseminação da Covid-19. “Além disso, no quesito venda de carros, a única possibilidade para aqueles que querem trocar de veículo são as compras on-line, mas elas também caíram cerca de 90%. As pessoas pesquisam os carros na internet, mas ainda querem ver pessoalmente e testar. Além disso, as famílias estão contendo gastos e comprando o necessário. O carro não entra na lista.”

Ainda de acordo com o diretor da rede Vigorito, após o fim da quarentena e a reabertura do comércio de forma gradativa – cuja expectativa seja após dia 10 de maio, conforme informou o governador João Doria (PSDB) –, a estimativa é a de que as montadoras retomem as vendas entre três e seis meses, com promoções e ofertas atrativas.

“A ideia é voltar a vendar como em janeiro e fevereiro, quando uma de nossas lojas em Santo André vendeu 160 veículos. Um volume razoável para a retomada econômica. Essa mesma loja vendeu no mesmo período em 2013, quando o mercado estava aquecido, 350 carros. É apenas um exemplo para mostrarmos como estamos longe de um cenário aquecido”, comparou. “A verdade é que essa pandemia pegou a todos de surpresa e não deu tempo de ninguém elaborar um plano B.”  

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;