Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 6 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Dólar sobe a R$ 4,45 apesar de leilão de swap novo de US$ 1 bilhão

Reprodução/Instagram Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


27/02/2020 | 09:52


Em dia de segundo leilão seguido de swap novo, desta vez de US$ 1 bilhão, o dólar segue em alta no mercado doméstico em meio a revisões para baixo nas estimativas de crescimento do País por causa dos efeitos da epidemia de coronavírus na produção e demanda mundial por commodities e produtos manufaturados. Segundo operadores de câmbio, está no radar também o cenário político nebuloso para o andamento das reformas administrativa e tributária, entre outras medidas de ajuste que já estão tramitando no parlamento.

Depois do vídeo disparado do celular do presidente Jair Bolsonaro no Whatsapp convocando paralisação de rua contra o Congresso Nacional para 15 de março, o Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado, apurou que a equipe econômica já começa a ver riscos de não avançarem rapidamente, neste primeiro semestre, três pautas que eram dadas como certas de aprovação pelo Congresso: o projeto de autonomia do Banco Central e as Propostas de Emenda à Constituição (PECs) Emergencial e dos fundos públicos.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, é o mais cobrado pelas lideranças partidárias da Câmara e do Senado, que o acusam de ter descumprido o acordo do Orçamento Impositivo, que amplia poderes dos parlamentares na destinação dos recursos para programas e ações do governo.

No exterior, o índice DXY, que mede o dólar ante outras seis divisas principais, se enfraquece nesta manhã em meio a crescentes expectativas de que o Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) terá de cortar juros mais adiante, diante do possível impacto econômico do coronavírus, segundo analistas do banco BBH.

Na noite de quarta-feira, o presidente dos EUA, Donald Trump, anunciou que seu vice-presidente, Mike Pence, irá coordenar os esforços de combate ao coronavírus no país. Logo mais, às 10h30 (de Brasília), investidores vão acompanhar a segunda leitura do PIB dos EUA referente ao quarto trimestre de 2019. Ante divisas emergentes, o sinal do dólar está misto.

Às 9h26 desta quinta-feira, o dólar à vista subia 0,33%, a R$ 4,4561. O dólar futuro para março estava em alta de 0,11%, a R$ 4,4555.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Dólar sobe a R$ 4,45 apesar de leilão de swap novo de US$ 1 bilhão


27/02/2020 | 09:52


Em dia de segundo leilão seguido de swap novo, desta vez de US$ 1 bilhão, o dólar segue em alta no mercado doméstico em meio a revisões para baixo nas estimativas de crescimento do País por causa dos efeitos da epidemia de coronavírus na produção e demanda mundial por commodities e produtos manufaturados. Segundo operadores de câmbio, está no radar também o cenário político nebuloso para o andamento das reformas administrativa e tributária, entre outras medidas de ajuste que já estão tramitando no parlamento.

Depois do vídeo disparado do celular do presidente Jair Bolsonaro no Whatsapp convocando paralisação de rua contra o Congresso Nacional para 15 de março, o Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado, apurou que a equipe econômica já começa a ver riscos de não avançarem rapidamente, neste primeiro semestre, três pautas que eram dadas como certas de aprovação pelo Congresso: o projeto de autonomia do Banco Central e as Propostas de Emenda à Constituição (PECs) Emergencial e dos fundos públicos.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, é o mais cobrado pelas lideranças partidárias da Câmara e do Senado, que o acusam de ter descumprido o acordo do Orçamento Impositivo, que amplia poderes dos parlamentares na destinação dos recursos para programas e ações do governo.

No exterior, o índice DXY, que mede o dólar ante outras seis divisas principais, se enfraquece nesta manhã em meio a crescentes expectativas de que o Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) terá de cortar juros mais adiante, diante do possível impacto econômico do coronavírus, segundo analistas do banco BBH.

Na noite de quarta-feira, o presidente dos EUA, Donald Trump, anunciou que seu vice-presidente, Mike Pence, irá coordenar os esforços de combate ao coronavírus no país. Logo mais, às 10h30 (de Brasília), investidores vão acompanhar a segunda leitura do PIB dos EUA referente ao quarto trimestre de 2019. Ante divisas emergentes, o sinal do dólar está misto.

Às 9h26 desta quinta-feira, o dólar à vista subia 0,33%, a R$ 4,4561. O dólar futuro para março estava em alta de 0,11%, a R$ 4,4555.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;