Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 8 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

|

Automedicação: uma escolha que mata


Antonio Calos Lopes

24/02/2020 | 07:40


 A automedicação é um hábito para 77% dos brasileiros, segundo recente pesquisa do CFF (Conselho Federal de Farmácia). Quase metade (47%) recorre a fármacos sem prescrição médica ao menos uma vez por mês, e 25% o fazem todo dia ou pelo menos uma vez por semana.
Quem mais recorre a essa perigosa escolha são as mulheres, que utilizam medicamentos ao bel-prazer uma vez por mês. Os principais influenciadores da opção por remédio ‘A’ ou ‘B’ são familiares, amigos e vizinhos.
O aumento da rigidez na venda de medicamentos, sobretudo de anti-inflamatórios, parece não ter surtido uma melhora adequada do quadro. Claro que a situação seria mais grave caso não tivéssemos leis para coibir o uso por conta própria.
Mesmo assim, os índices de automedicação aumentam celeremente, prejudicando tratamentos, agravando sintomas e piorando quadros clínicos.
Um complicador em situações do gênero é que o médico nem sempre é informado dos fármacos que o paciente adotou antes de chegar ao consultório. Fica assim uma brecha para a interação medicamentosa, que, em distintas oportunidades, possui consequências catastróficas.
O Brasil é um dos países que mais consomem anti-inflamatórios comercializados sem receita médica no mundo. São remédios importantes e eficazes, quando administrados por um especialista, após diagnóstico apurado e preciso. Tomá-los por impulso, sem indicação profissional, abre portas para consequências de risco, como hemorragias do aparelho digestivo, diabete, insuficiência cardíaca e piora na função renal e hipertensiva.
É essencial frisar que há na literatura médica inúmeros registros até de mortes decorrentes da medicação exagerada. Lamentavelmente, por mais que se fale sobre o tema, ainda existe uma carência de informação entre a população. Isso ocorre em virtude da falta de políticas públicas e do envolvimento de toda a sociedade em campanhas de conscientização.
Aliás, a imprensa é rara parceira nesse ponto, levando dados e orientações aos cidadãos. Mas fica um apelo para que adote essa causa permanentemente, para que possamos alcançar o maior número possível de pessoas.
São recomendáveis igualmente alterações na legislação, para a extensão da exigência de receita médica a um grupo mais abrangente de fármacos. A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) precisa mobilizar os atores do setor e a população nesse debate.
Reduzir os números de automedicação clama por outras iniciativas urgentes e responsáveis. É mister que os pacientes tenham acesso agilizado em hospitais e unidades de saúde, já que é difícil resistir ao canto de sereia da automedicação em momentos de dor aguda, só para ficar em um exemplo.
Esclarecer à comunidade sobre a relevância do parecer do médico é essencial sempre; uma questão que pode ser solucionada com facilidade pelas autoridades responsáveis pelo setor.
Enfim, é fundamental ter foco. Necessitamos de um sistema de saúde que, na prática, seja tão capaz quanto o SUS é na teoria. E nesse sentido não podemos deixar de considerar a queda do nível da relação médico-paciente e a diminuição da competência profissional, resultado da formação em massa em escolas desqualificadas. São fatores tão nocivos quanto a automedicação.
No momento em que os brasileiros tiverem de fato acesso universal e integral à assistência de qualidade, a automedicação não somente cairá vertiginosamente. Ela terá, enfim, seus dias contados.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Automedicação: uma escolha que mata

Antonio Calos Lopes

24/02/2020 | 07:40


 A automedicação é um hábito para 77% dos brasileiros, segundo recente pesquisa do CFF (Conselho Federal de Farmácia). Quase metade (47%) recorre a fármacos sem prescrição médica ao menos uma vez por mês, e 25% o fazem todo dia ou pelo menos uma vez por semana.
Quem mais recorre a essa perigosa escolha são as mulheres, que utilizam medicamentos ao bel-prazer uma vez por mês. Os principais influenciadores da opção por remédio ‘A’ ou ‘B’ são familiares, amigos e vizinhos.
O aumento da rigidez na venda de medicamentos, sobretudo de anti-inflamatórios, parece não ter surtido uma melhora adequada do quadro. Claro que a situação seria mais grave caso não tivéssemos leis para coibir o uso por conta própria.
Mesmo assim, os índices de automedicação aumentam celeremente, prejudicando tratamentos, agravando sintomas e piorando quadros clínicos.
Um complicador em situações do gênero é que o médico nem sempre é informado dos fármacos que o paciente adotou antes de chegar ao consultório. Fica assim uma brecha para a interação medicamentosa, que, em distintas oportunidades, possui consequências catastróficas.
O Brasil é um dos países que mais consomem anti-inflamatórios comercializados sem receita médica no mundo. São remédios importantes e eficazes, quando administrados por um especialista, após diagnóstico apurado e preciso. Tomá-los por impulso, sem indicação profissional, abre portas para consequências de risco, como hemorragias do aparelho digestivo, diabete, insuficiência cardíaca e piora na função renal e hipertensiva.
É essencial frisar que há na literatura médica inúmeros registros até de mortes decorrentes da medicação exagerada. Lamentavelmente, por mais que se fale sobre o tema, ainda existe uma carência de informação entre a população. Isso ocorre em virtude da falta de políticas públicas e do envolvimento de toda a sociedade em campanhas de conscientização.
Aliás, a imprensa é rara parceira nesse ponto, levando dados e orientações aos cidadãos. Mas fica um apelo para que adote essa causa permanentemente, para que possamos alcançar o maior número possível de pessoas.
São recomendáveis igualmente alterações na legislação, para a extensão da exigência de receita médica a um grupo mais abrangente de fármacos. A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) precisa mobilizar os atores do setor e a população nesse debate.
Reduzir os números de automedicação clama por outras iniciativas urgentes e responsáveis. É mister que os pacientes tenham acesso agilizado em hospitais e unidades de saúde, já que é difícil resistir ao canto de sereia da automedicação em momentos de dor aguda, só para ficar em um exemplo.
Esclarecer à comunidade sobre a relevância do parecer do médico é essencial sempre; uma questão que pode ser solucionada com facilidade pelas autoridades responsáveis pelo setor.
Enfim, é fundamental ter foco. Necessitamos de um sistema de saúde que, na prática, seja tão capaz quanto o SUS é na teoria. E nesse sentido não podemos deixar de considerar a queda do nível da relação médico-paciente e a diminuição da competência profissional, resultado da formação em massa em escolas desqualificadas. São fatores tão nocivos quanto a automedicação.
No momento em que os brasileiros tiverem de fato acesso universal e integral à assistência de qualidade, a automedicação não somente cairá vertiginosamente. Ela terá, enfim, seus dias contados.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;