Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 8 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Caixa anuncia linha com taxas fixas a partir de 8%

 Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Para especialistas, nova modalidade de crédito imobiliário deve aquecer o mercado na região


Yara Ferraz
do Diário do Grande ABC

21/02/2020 | 00:03


A Caixa anunciou nova modalidade de crédito imobiliário com taxa de juros fixas partindo de 8% ao ano. Apesar de não ser o valor mais baixo negociado pelo banco atualmente, que também mantém linhas corrigidas pela inflação e pela TR (Taxa Referencial), especialistas acreditam que a previsibilidade adquirida na operação deve aquecer o mercado.

A linha que garante juros a partir de 8% ao ano, podendo chegar a 9,5%, é válida para os clientes do banco. Para quem não possui relacionamento com a instituição financeira, os juros serão fixos a 9,75%. As condições, que já estão vigentes a partir de hoje, são válidas para imóveis residenciais novos e usados, com quota de financiamento de até 80%.

O banco público também possui crédito imobiliário atualizado pela TR (atualmente zerada), que passou por quatro reduções no ano passado, acompanhando a queda da Selic (taxa básica de juros), atualmente em 6,5% ao ano. De acordo com a instituição financeira, a queda foi de 26% na relação à praticada em dezembro de 2018.

Em agosto do ano passado, a Caixa também lançou a opção de atualização do saldo devedor do crédito imobiliário pelo IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), com taxas de juros a partir de 2,95% ao ano. A inflação oficial do País variou 0,21% em janeiro e em 12 meses acumula índice de 4,19%.

O presidente da Acigabc (Associação dos Construtores, Imobiliárias e Administradoras do Grande ABC), Milton Bigucci Júnior, classificou a notícia como “excelente para o mercado, que está muito promissor desde o ano passado”. “Este ano com a Selic baixa em níveis históricos e com as novidades de crédito da Caixa o mercado só tende a evoluir e reagir ainda mais”, disse ele, concluindo que a novidade contribui “para o mercado imobiliário, buscando o desenvolvimento deste setor que apanhou muito nos últimos anos”. “Eu já venho falando isso desde 2019, mas agora, realmente, não tem mais volta. Estamos indo para frente.”

Para o coordenador do curso de administração do Instituto Mauá de Tecnologia, Ricardo Balistiero, o consumidor deve analisar bem antes de optar por uma das linhas. “Esta nova taxa é o dobro da que atualmente é pela inflação. Porém,por outro lado, quando se indexa a inflação, não há garantias de que o índice vai conseguir se manter baixo. É preferível (a pré-fixada) porque o consumidor tem uma previsibilidade em relação à capacidade orçamentária de continuar pagando as prestações.”

Em 2019, a Caixa emprestou R$ 90 bilhões na modalidade de crédito imobiliário em todo o País. Foram 473,8 mil unidades habitacionais e 760,2 mil novos empregos. Atualmente, a instituição possui 70% do mercado imobiliário.

A informação vai ao encontro com reportagem publicada ontem pelo Diário, com base em levantamento do Conjuscs (Observatório de Políticas Públicas e Empreendedorismo) da USCS (Universidade Municipal de São Caetano), que mostra que os bancos privados reduziram a zero o volume de crédito imobiliário para a região, contrastando com o acréscimo de oferta de instituições públicas, que em 11 anos foi de 275%.

“Não estamos mais limitados somente às linhas de crédito imobiliário atualizadas pela TR”, contou o presidente da Caixa, Pedro Guimarães. “É uma alternativa para o cliente que busca financiar seu imóvel sabendo quanto vai pagar da primeira à última prestação”, afirmou.

Banco prepara redução do cheque especial

O presidente da Caixa, Pedro Guimarães, também sinalizou ontem que a instituição deve reduzir para abaixo de 4,95% ao mês o juro do cheque especial.

“Estamos por enquanto em 4,95%. Hoje (ontem) é dia do crédito imobiliário, mas a gente vai reduzir também, acabamos de aprovar isso. Então, presidente, esses 4,95% serão reduzidos porque nós estamos ganhando muito dinheiro e vamos devolver para sociedade”, disse, durante evento de lançamento da nova linha de crédito imobiliário da Caixa em cerimônia no Palácio do Planalto com a presença do presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido).

No fim do ano passado, o Banco Central adotou medida para limitar o juro do cheque especial em 8% ao mês, o que começou a valer em janeiro. A Caixa já vem praticando taxas inferiores. Em dezembro, o banco anunciou redução de juros da modalidade de 8,99% ao mês. para 8% ao mês, para os clientes que não optarem pelo pacote de relacionamento, e queda de 4,99% ao mês para 4,95% ao mês para clientes que recebem o salário na Caixa.

Bolsonaro criticou as antigas gestões da Caixa durante o evento, afirmando que “era uma verdadeira arca de Noé, onde cada diretoria, cada vice-presidência tinha um partido pendurado ali. Não podia dar certo. Não podia dar lucro, não podia ter planos”, disse. (do Estadão Conteúdo)
 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Caixa anuncia linha com taxas fixas a partir de 8%

Para especialistas, nova modalidade de crédito imobiliário deve aquecer o mercado na região

Yara Ferraz
do Diário do Grande ABC

21/02/2020 | 00:03


A Caixa anunciou nova modalidade de crédito imobiliário com taxa de juros fixas partindo de 8% ao ano. Apesar de não ser o valor mais baixo negociado pelo banco atualmente, que também mantém linhas corrigidas pela inflação e pela TR (Taxa Referencial), especialistas acreditam que a previsibilidade adquirida na operação deve aquecer o mercado.

A linha que garante juros a partir de 8% ao ano, podendo chegar a 9,5%, é válida para os clientes do banco. Para quem não possui relacionamento com a instituição financeira, os juros serão fixos a 9,75%. As condições, que já estão vigentes a partir de hoje, são válidas para imóveis residenciais novos e usados, com quota de financiamento de até 80%.

O banco público também possui crédito imobiliário atualizado pela TR (atualmente zerada), que passou por quatro reduções no ano passado, acompanhando a queda da Selic (taxa básica de juros), atualmente em 6,5% ao ano. De acordo com a instituição financeira, a queda foi de 26% na relação à praticada em dezembro de 2018.

Em agosto do ano passado, a Caixa também lançou a opção de atualização do saldo devedor do crédito imobiliário pelo IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), com taxas de juros a partir de 2,95% ao ano. A inflação oficial do País variou 0,21% em janeiro e em 12 meses acumula índice de 4,19%.

O presidente da Acigabc (Associação dos Construtores, Imobiliárias e Administradoras do Grande ABC), Milton Bigucci Júnior, classificou a notícia como “excelente para o mercado, que está muito promissor desde o ano passado”. “Este ano com a Selic baixa em níveis históricos e com as novidades de crédito da Caixa o mercado só tende a evoluir e reagir ainda mais”, disse ele, concluindo que a novidade contribui “para o mercado imobiliário, buscando o desenvolvimento deste setor que apanhou muito nos últimos anos”. “Eu já venho falando isso desde 2019, mas agora, realmente, não tem mais volta. Estamos indo para frente.”

Para o coordenador do curso de administração do Instituto Mauá de Tecnologia, Ricardo Balistiero, o consumidor deve analisar bem antes de optar por uma das linhas. “Esta nova taxa é o dobro da que atualmente é pela inflação. Porém,por outro lado, quando se indexa a inflação, não há garantias de que o índice vai conseguir se manter baixo. É preferível (a pré-fixada) porque o consumidor tem uma previsibilidade em relação à capacidade orçamentária de continuar pagando as prestações.”

Em 2019, a Caixa emprestou R$ 90 bilhões na modalidade de crédito imobiliário em todo o País. Foram 473,8 mil unidades habitacionais e 760,2 mil novos empregos. Atualmente, a instituição possui 70% do mercado imobiliário.

A informação vai ao encontro com reportagem publicada ontem pelo Diário, com base em levantamento do Conjuscs (Observatório de Políticas Públicas e Empreendedorismo) da USCS (Universidade Municipal de São Caetano), que mostra que os bancos privados reduziram a zero o volume de crédito imobiliário para a região, contrastando com o acréscimo de oferta de instituições públicas, que em 11 anos foi de 275%.

“Não estamos mais limitados somente às linhas de crédito imobiliário atualizadas pela TR”, contou o presidente da Caixa, Pedro Guimarães. “É uma alternativa para o cliente que busca financiar seu imóvel sabendo quanto vai pagar da primeira à última prestação”, afirmou.

Banco prepara redução do cheque especial

O presidente da Caixa, Pedro Guimarães, também sinalizou ontem que a instituição deve reduzir para abaixo de 4,95% ao mês o juro do cheque especial.

“Estamos por enquanto em 4,95%. Hoje (ontem) é dia do crédito imobiliário, mas a gente vai reduzir também, acabamos de aprovar isso. Então, presidente, esses 4,95% serão reduzidos porque nós estamos ganhando muito dinheiro e vamos devolver para sociedade”, disse, durante evento de lançamento da nova linha de crédito imobiliário da Caixa em cerimônia no Palácio do Planalto com a presença do presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido).

No fim do ano passado, o Banco Central adotou medida para limitar o juro do cheque especial em 8% ao mês, o que começou a valer em janeiro. A Caixa já vem praticando taxas inferiores. Em dezembro, o banco anunciou redução de juros da modalidade de 8,99% ao mês. para 8% ao mês, para os clientes que não optarem pelo pacote de relacionamento, e queda de 4,99% ao mês para 4,95% ao mês para clientes que recebem o salário na Caixa.

Bolsonaro criticou as antigas gestões da Caixa durante o evento, afirmando que “era uma verdadeira arca de Noé, onde cada diretoria, cada vice-presidência tinha um partido pendurado ali. Não podia dar certo. Não podia dar lucro, não podia ter planos”, disse. (do Estadão Conteúdo)
 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;