Fechar
Publicidade

Domingo, 16 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Maioria das Bolsas da Europa fecha em queda com surto de coronavírus em foco



23/01/2020 | 15:51


As bolsas da Europa fecharam a maioria em queda nesta quinta-feira, 23, com apenas Milão ficando estável. Os mercados seguiram no movimento de cautela em meio à crescente preocupação com a disseminação do novo tipo de coronavírus vindo da China, que já chegou a nove países.

Os investidores também acompanharam a decisão de política monetária do Banco Central Europeu (BCE), que manteve as taxas básicas de juros e sinalizou que a política acomodatícia deve ser mantida por um longo tempo. O índice pan-europeu Stoxx 600 fechou em queda de 0,71%, a 420,03 pontos.

A questão do coronavírus pesou nos negócios desde a abertura, à medida em que o número de infectados na China continuava aumentando, totalizando ao menos 630. A Stifel destaca que "as autoridades chinesas proibiram viagens de duas cidades, além de Wuhan, na última tentativa de impedir a propagação do coronavírus".

A instituição lembrou que no último surto de SARS (Síndrome Respiratória Aguda Grave) em 2003, mais de 8 mil pessoas foram afetadas em 29 países, e custou ao mundo cerca de US$ 40 bilhões, além de reduzir cerca de 1% do Produto Interno Bruto (PIB) chinês.

O índice FTSE 100, da Bolsa de Londres, caiu 0,85%, a 7.507,67 pontos. Destaque para ações da Antofagasta, que apresentaram desvalorização de 4,83%. Os papéis do Barclays caíram 1,86% e os da BHP se desvalorizaram em 2,67%. Em Frankfurt, o DAX caiu 0,94%, a 13.388,42 pontos, com destaque para a ações da BMW que caíram 1,78%, enquanto os papéis da Volkswagen se desvalorizaram em 1,43%. A Lufthansa também apresentou queda, de 0,45%.

A decisão de política monetária do BCE, que manteve sua taxa de juros, também esteve no foco dos analistas. As bolsas reduziram perdas em meio à coletiva de imprensa com a presidente da instituição, Christine Lagarde, que anunciou o início da revisão estratégica da política monetária do bloco.

Em relatório enviado a clientes, o ING afirma que a principal revisão está ligada à forma de avaliação da inflação. "Acreditamos que a principal discussão da revisão - e o resultado mais relevante para os mercados financeiros - ainda será a definição de estabilidade de preços, incluindo se haverá uma variação ou não", avalia o ING.

Em Paris, o índice CAC 40 fechou em baixa de 0,65%, aos 5.971,79 pontos. O índice PSI 20, da Bolsa de Lisboa, recuou 0,55%, a 5.234,74 pontos e o índice Ibex 35, da Bolsa de Madri, fechou em queda 0,58%, a 9.518,50 pontos. Em Milão, porém, o índice FTSE MIB fechou na estabilidade, aos 23.707,05 pontos.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Maioria das Bolsas da Europa fecha em queda com surto de coronavírus em foco


23/01/2020 | 15:51


As bolsas da Europa fecharam a maioria em queda nesta quinta-feira, 23, com apenas Milão ficando estável. Os mercados seguiram no movimento de cautela em meio à crescente preocupação com a disseminação do novo tipo de coronavírus vindo da China, que já chegou a nove países.

Os investidores também acompanharam a decisão de política monetária do Banco Central Europeu (BCE), que manteve as taxas básicas de juros e sinalizou que a política acomodatícia deve ser mantida por um longo tempo. O índice pan-europeu Stoxx 600 fechou em queda de 0,71%, a 420,03 pontos.

A questão do coronavírus pesou nos negócios desde a abertura, à medida em que o número de infectados na China continuava aumentando, totalizando ao menos 630. A Stifel destaca que "as autoridades chinesas proibiram viagens de duas cidades, além de Wuhan, na última tentativa de impedir a propagação do coronavírus".

A instituição lembrou que no último surto de SARS (Síndrome Respiratória Aguda Grave) em 2003, mais de 8 mil pessoas foram afetadas em 29 países, e custou ao mundo cerca de US$ 40 bilhões, além de reduzir cerca de 1% do Produto Interno Bruto (PIB) chinês.

O índice FTSE 100, da Bolsa de Londres, caiu 0,85%, a 7.507,67 pontos. Destaque para ações da Antofagasta, que apresentaram desvalorização de 4,83%. Os papéis do Barclays caíram 1,86% e os da BHP se desvalorizaram em 2,67%. Em Frankfurt, o DAX caiu 0,94%, a 13.388,42 pontos, com destaque para a ações da BMW que caíram 1,78%, enquanto os papéis da Volkswagen se desvalorizaram em 1,43%. A Lufthansa também apresentou queda, de 0,45%.

A decisão de política monetária do BCE, que manteve sua taxa de juros, também esteve no foco dos analistas. As bolsas reduziram perdas em meio à coletiva de imprensa com a presidente da instituição, Christine Lagarde, que anunciou o início da revisão estratégica da política monetária do bloco.

Em relatório enviado a clientes, o ING afirma que a principal revisão está ligada à forma de avaliação da inflação. "Acreditamos que a principal discussão da revisão - e o resultado mais relevante para os mercados financeiros - ainda será a definição de estabilidade de preços, incluindo se haverá uma variação ou não", avalia o ING.

Em Paris, o índice CAC 40 fechou em baixa de 0,65%, aos 5.971,79 pontos. O índice PSI 20, da Bolsa de Lisboa, recuou 0,55%, a 5.234,74 pontos e o índice Ibex 35, da Bolsa de Madri, fechou em queda 0,58%, a 9.518,50 pontos. Em Milão, porém, o índice FTSE MIB fechou na estabilidade, aos 23.707,05 pontos.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;