Fechar
Publicidade

Sábado, 18 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Trump afirmou que "provavelmente" haverá um acordo com a França e a União Europeia

Shealah Craighead  / Fotos Públicas  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Trump tratou do assunto ao lado do presidente francês Emmanuel Macron durante encontro em Londres



03/12/2019 | 12:11


O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou nesta terça-feira que "provavelmente" haverá um acordo com a França e a União Europeia como um todo, a fim de evitar novas tarifas, mas continuou a deixar a porta aberta para eventuais tarifas. Trump tratou do assunto ao lado do presidente francês, Emmanuel Macron, durante encontro em Londres, onde ocorre a cúpula da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan).

Mais cedo, Trump disse que pretendia impor tarifa contra produtos da França, em retaliação contra um Imposto sobre Serviços Digitais do país europeu que afeta empresas americanas como Alphabet (Google), Apple, Facebook e Amazon. O governo francês, por sua vez, disse que caso isso se concretize deve haver "forte resposta" da UE.

Em sua fala ao lado de Macron, Trump se mostrou mais conciliatório. "Tivemos muito progresso em nossos primeiros 25 minutos" de diálogo, comentou, dizendo mais adiante que em breve "as coisas parecerão róseas entre nós dois". Ao mesmo tempo, insistiu num ponto que frequentemente retoma, de que os países europeus precisam pagar mais para a manutenção da Otan e que os EUA seriam desproporcionalmente onerados pela aliança.

Trump ainda reclamou do déficit comercial americano com a zona do euro, que segundo ele seria de mais de US$ 150 bilhões ao ano. "A UE vinha conseguindo bilhões em vantagem na balança comercial" com os americanos, declarou. "Não podemos ficar perdendo tanto dinheiro como ocorre desde o início da UE."

Trump afirmou que pode haver uma "solução negociada", mas também que a divergência pode ser resolvida por meio da elevação de tarifas. Segundo ele, os EUA fazem "muito comércio com a França e têm uma disputa menor" com o aliado.

Macron, por sua vez, afirmou considerar que a França paga um preço justo na Otan. Além disso, afirmou que mantém crítica feita anteriormente sobre o bloco, que segundo ele sofreria uma "morte cerebral", mas enfatizou que há muita cooperação entre os dois países. O presidente francês disse que foram discutidas com Trump questões como o combate ao terrorismo, o comércio e outras nações, como China, Rússia e Turquia. Ele não entrou, contudo, em detalhes sobre a ameaça de mais cedo de Trump.

Sobre a Turquia, Macron criticou o fato de que o governo do presidente Recep Tayyip Erdogan tenha comprado um sistema antimísseis russo, apesar de ter uma alternativa europeia disponível. Trump disse que avalia se serão impostas sanções contra a Turquia por causa disso, mas também afirmou que tem uma boa relação com Erdogan e que ele é um aliado.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Trump afirmou que "provavelmente" haverá um acordo com a França e a União Europeia

Trump tratou do assunto ao lado do presidente francês Emmanuel Macron durante encontro em Londres


03/12/2019 | 12:11


O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou nesta terça-feira que "provavelmente" haverá um acordo com a França e a União Europeia como um todo, a fim de evitar novas tarifas, mas continuou a deixar a porta aberta para eventuais tarifas. Trump tratou do assunto ao lado do presidente francês, Emmanuel Macron, durante encontro em Londres, onde ocorre a cúpula da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan).

Mais cedo, Trump disse que pretendia impor tarifa contra produtos da França, em retaliação contra um Imposto sobre Serviços Digitais do país europeu que afeta empresas americanas como Alphabet (Google), Apple, Facebook e Amazon. O governo francês, por sua vez, disse que caso isso se concretize deve haver "forte resposta" da UE.

Em sua fala ao lado de Macron, Trump se mostrou mais conciliatório. "Tivemos muito progresso em nossos primeiros 25 minutos" de diálogo, comentou, dizendo mais adiante que em breve "as coisas parecerão róseas entre nós dois". Ao mesmo tempo, insistiu num ponto que frequentemente retoma, de que os países europeus precisam pagar mais para a manutenção da Otan e que os EUA seriam desproporcionalmente onerados pela aliança.

Trump ainda reclamou do déficit comercial americano com a zona do euro, que segundo ele seria de mais de US$ 150 bilhões ao ano. "A UE vinha conseguindo bilhões em vantagem na balança comercial" com os americanos, declarou. "Não podemos ficar perdendo tanto dinheiro como ocorre desde o início da UE."

Trump afirmou que pode haver uma "solução negociada", mas também que a divergência pode ser resolvida por meio da elevação de tarifas. Segundo ele, os EUA fazem "muito comércio com a França e têm uma disputa menor" com o aliado.

Macron, por sua vez, afirmou considerar que a França paga um preço justo na Otan. Além disso, afirmou que mantém crítica feita anteriormente sobre o bloco, que segundo ele sofreria uma "morte cerebral", mas enfatizou que há muita cooperação entre os dois países. O presidente francês disse que foram discutidas com Trump questões como o combate ao terrorismo, o comércio e outras nações, como China, Rússia e Turquia. Ele não entrou, contudo, em detalhes sobre a ameaça de mais cedo de Trump.

Sobre a Turquia, Macron criticou o fato de que o governo do presidente Recep Tayyip Erdogan tenha comprado um sistema antimísseis russo, apesar de ter uma alternativa europeia disponível. Trump disse que avalia se serão impostas sanções contra a Turquia por causa disso, mas também afirmou que tem uma boa relação com Erdogan e que ele é um aliado.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;