Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 12 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Vendas do varejo paulistano cresceram 4,7% na primeira quinzena de novembro



19/11/2019 | 17:40


As vendas comércio varejista na cidade de São Paulo cresceram 4,7% só na primeira quinzena de novembro, comparativamente ao mesmo período no ano passado. É o que confirma o Balanço de Vendas da Associação Comercial de São Paulo (ACSP).

As vendas a prazo registraram aumento de 4% nos primeiros quinze dias do mês, na comparação anual. Já as vendas à vista cresceram 5,4% no período. O resultado, que surpreendeu ao levar em conta a média de aumentos de 2% dos 10 meses anteriores, se deve a três fatores importantes, segundo o economista da ACSP Emílio Alfieri.

O primeiro tem a ver com a retomada gradual das vendas de móveis e eletrodomésticos. Elas foram puxadas pela queda nos juros e o aumento do crédito para pessoa física, o que influenciou o resultado das vendas a prazo, que seguiam tímidas.

O segundo, que engloba as vendas de menor valor à vista, como vestuário, calçados, acessórios, artigos de uso pessoal e utilidades domésticas, foi favorecido pela liberação dos R$ 500,00 do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS).

O terceiro está relacionado à antecipação que o varejo físico tem feito da Black Friday. De acordo com o economista da ACSP, grandes varejistas já estão fazendo ofertas e promoções relacionadas à data desde o início do mês. No comércio popular de rua, como na 25 de Março, por exemplo, também há ofertas com esse apelo promocional.

"Todos esses lojistas saíram na frente e, ao invés de fazer ações só no dia 29, eles transformaram novembro no mês da Black Friday", afirmou Alfieri.

De modo geral, os fatores que puxaram o resultado têm ajudado bastante o varejo paulistano, que, segundo Emílio Alfieri, vinha crescendo em torno de 2% ao mês, mas fizeram novembro começar de maneira favorável.

"Ainda é preciso um pouco de cautela, pois, por um lado, a Black Friday pode tirar um pouco das vendas do Natal. Por outro, com o novo corte de juros esperado para dezembro e o restante da liberação do FGTS, que foi antecipada para esse ano, os resultados podem surpreender", sinaliza.

O Balanço de Vendas é elaborado pelo Instituto de Economia Gastão Vidigal da ACSP, com base em amostra da Boa Vista SCPC.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Vendas do varejo paulistano cresceram 4,7% na primeira quinzena de novembro


19/11/2019 | 17:40


As vendas comércio varejista na cidade de São Paulo cresceram 4,7% só na primeira quinzena de novembro, comparativamente ao mesmo período no ano passado. É o que confirma o Balanço de Vendas da Associação Comercial de São Paulo (ACSP).

As vendas a prazo registraram aumento de 4% nos primeiros quinze dias do mês, na comparação anual. Já as vendas à vista cresceram 5,4% no período. O resultado, que surpreendeu ao levar em conta a média de aumentos de 2% dos 10 meses anteriores, se deve a três fatores importantes, segundo o economista da ACSP Emílio Alfieri.

O primeiro tem a ver com a retomada gradual das vendas de móveis e eletrodomésticos. Elas foram puxadas pela queda nos juros e o aumento do crédito para pessoa física, o que influenciou o resultado das vendas a prazo, que seguiam tímidas.

O segundo, que engloba as vendas de menor valor à vista, como vestuário, calçados, acessórios, artigos de uso pessoal e utilidades domésticas, foi favorecido pela liberação dos R$ 500,00 do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS).

O terceiro está relacionado à antecipação que o varejo físico tem feito da Black Friday. De acordo com o economista da ACSP, grandes varejistas já estão fazendo ofertas e promoções relacionadas à data desde o início do mês. No comércio popular de rua, como na 25 de Março, por exemplo, também há ofertas com esse apelo promocional.

"Todos esses lojistas saíram na frente e, ao invés de fazer ações só no dia 29, eles transformaram novembro no mês da Black Friday", afirmou Alfieri.

De modo geral, os fatores que puxaram o resultado têm ajudado bastante o varejo paulistano, que, segundo Emílio Alfieri, vinha crescendo em torno de 2% ao mês, mas fizeram novembro começar de maneira favorável.

"Ainda é preciso um pouco de cautela, pois, por um lado, a Black Friday pode tirar um pouco das vendas do Natal. Por outro, com o novo corte de juros esperado para dezembro e o restante da liberação do FGTS, que foi antecipada para esse ano, os resultados podem surpreender", sinaliza.

O Balanço de Vendas é elaborado pelo Instituto de Economia Gastão Vidigal da ACSP, com base em amostra da Boa Vista SCPC.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;