Fechar
Publicidade

Domingo, 26 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

diarinho@dgabc.com.br | 4435-8396

Como é o processo de formação da pérola nas conchas?

Pixabay Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Tauana Marin
Do Diário do Grande ABC

10/11/2019 | 07:35


A pérola é formada dentro do corpo de um molusco, ser vivo de estrutura mole e geralmente envolto por concha, como ostras, mariscos, caracol e caramujo. Sempre que algo estranho, a exemplos de um grão de areia ou, até mesmo, algum tipo de parasita, penetra em seu manto (corpo), o item se desenvolve ao longo do tempo. 

No processo, o molusco começa a depositar em volta desse ‘intruso’ substância conhecida como madrepérola, que ajuda a isolar esse material vindo de área externa e o protege. O acúmulo dessa camada mais firme se potencializa e a pérola é formada. Dependendo das condições ambientais, leva-se, em média, entre três e cinco anos para ter tamanho certo para o item ser comercializado. Depois de modelado, acaba sendo utilizado em colares, brincos, anéis e pulseiras, tornando-se uma joia de valor. 

É por causa da venda das pérolas que se torna possível existir cativeiros de conchas. O processo de formação e crescimento da joia é quase o mesmo, porque, nesses casos, o corpo estranho é introduzido intencionalmente nas conchas dos moluscos para garantir que estes venham a produzir o item. O processo de formação também é acelerado com essa introdução.

CURIOSIDADES

As conchas podem ser enconcontradas tanto em rios como nos mares. Costumam ficar fixas em conjunto de areias, rochas e recifes de corais, por exemplo. Elas funcionam como espécie de ‘casa’, fornecendo abrigo para o molusco que a construiu.

Por se tratarem de animais ‘filtradores’, os moluscos se alimentam de diversas microalgas e micro-organismos que se encontram na água. Eles bombeiam a água através de um sistema de filtragem.

Consulta de Ricardo Cardoso, diretor técnico e oceanógrafo do Aquário de São Paulo.  



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Como é o processo de formação da pérola nas conchas?

Tauana Marin
Do Diário do Grande ABC

10/11/2019 | 07:35


A pérola é formada dentro do corpo de um molusco, ser vivo de estrutura mole e geralmente envolto por concha, como ostras, mariscos, caracol e caramujo. Sempre que algo estranho, a exemplos de um grão de areia ou, até mesmo, algum tipo de parasita, penetra em seu manto (corpo), o item se desenvolve ao longo do tempo. 

No processo, o molusco começa a depositar em volta desse ‘intruso’ substância conhecida como madrepérola, que ajuda a isolar esse material vindo de área externa e o protege. O acúmulo dessa camada mais firme se potencializa e a pérola é formada. Dependendo das condições ambientais, leva-se, em média, entre três e cinco anos para ter tamanho certo para o item ser comercializado. Depois de modelado, acaba sendo utilizado em colares, brincos, anéis e pulseiras, tornando-se uma joia de valor. 

É por causa da venda das pérolas que se torna possível existir cativeiros de conchas. O processo de formação e crescimento da joia é quase o mesmo, porque, nesses casos, o corpo estranho é introduzido intencionalmente nas conchas dos moluscos para garantir que estes venham a produzir o item. O processo de formação também é acelerado com essa introdução.

CURIOSIDADES

As conchas podem ser enconcontradas tanto em rios como nos mares. Costumam ficar fixas em conjunto de areias, rochas e recifes de corais, por exemplo. Elas funcionam como espécie de ‘casa’, fornecendo abrigo para o molusco que a construiu.

Por se tratarem de animais ‘filtradores’, os moluscos se alimentam de diversas microalgas e micro-organismos que se encontram na água. Eles bombeiam a água através de um sistema de filtragem.

Consulta de Ricardo Cardoso, diretor técnico e oceanógrafo do Aquário de São Paulo.  

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;