Fechar
Publicidade

Sábado, 26 de Setembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Ford vai demitir 600 trabalhadores

Nario Barbosa/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Último dia da produção é amanhã; ainda não há conclusão sobre empresa que deve assumir a fábrica de São Bernardo


Yara Ferraz
Do Diário do Grande ABC

29/10/2019 | 10:35


Em assembleia realizada nesta manhã, em frente à fábrica da Ford em São Bernardo, o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC informou aos trabalhadores que ainda não há conclusão sobre quem deve assumir a empresa. Cerca de 600 trabalhadores do chão de fábrica serão demitidos. A produção da unidade vai até amanhã.

A Ford possuía cerca de 2.200 trabalhadores em São Bernardo no início do ano, quando anunciou o fechamento da fábrica devido à saída do segmento de caminhões na América Latina. Aproximadamente 1.200 colaboradores já foram desligados desde então.
O sindicato também informou que toda a área administrativa da Ford será transferida para o bairro da Vila Olímpia em São Paulo em março de 2020.

“Essa é uma assembleia de despedida de cada um de vocês como trabalhadores da Ford, mas nós não desistimos dessa historia”, afirmou o presidente da entidade Wagner Santana da Silva, o Wagnão. Segundo ele, as negociações ainda não se concretizaram por “uma decisão política do BNDES.”

No início de setembro, o grupo brasileiro Caoa assumiu publicamente interesse em comprar a planta da região. Porém, mesmo após a assinatura de um protocolo de intenções no Palácio dos Bandeirantes na época, as negociações seguem indefinidas. O grupo brasileiro teria pedido empréstimo ao BNDES, que foi negado.

Wagnão afirmou que foram diversas reuniões com a empresa. “Estava 99% certo para o acordo se concretizar. E agora travamos nesses 1%”, disse aos trabalhadores. A entidade já negociou condições de trabalho com a Caoa, que inclui salários menores para a absorção de pelo menos 800 ex-funcionários da Ford.

Na última semana, em agenda em São Bernardo, o governador João Doria (PSDB) admitiu a possibilidade da compra da unidade por uma montadora chinesa como um ‘plano B’.

O sentimento dos trabalhadores era de tristeza. Leonardo Otero Cischim, 40 anos, trabalhou por 11 no setor de qualidade. Ele foi dispensado em julho e desde então não foi chamado para nenhuma entrevista.

“Esperamos que a Caoa, ou qualquer outra empresa que assuma, reconheça a nossa qualificação nesse tempo que tivemos de Ford. Temos esperança e fé que as negociações se concretizem “, disse. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Ford vai demitir 600 trabalhadores

Último dia da produção é amanhã; ainda não há conclusão sobre empresa que deve assumir a fábrica de São Bernardo

Yara Ferraz
Do Diário do Grande ABC

29/10/2019 | 10:35


Em assembleia realizada nesta manhã, em frente à fábrica da Ford em São Bernardo, o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC informou aos trabalhadores que ainda não há conclusão sobre quem deve assumir a empresa. Cerca de 600 trabalhadores do chão de fábrica serão demitidos. A produção da unidade vai até amanhã.

A Ford possuía cerca de 2.200 trabalhadores em São Bernardo no início do ano, quando anunciou o fechamento da fábrica devido à saída do segmento de caminhões na América Latina. Aproximadamente 1.200 colaboradores já foram desligados desde então.
O sindicato também informou que toda a área administrativa da Ford será transferida para o bairro da Vila Olímpia em São Paulo em março de 2020.

“Essa é uma assembleia de despedida de cada um de vocês como trabalhadores da Ford, mas nós não desistimos dessa historia”, afirmou o presidente da entidade Wagner Santana da Silva, o Wagnão. Segundo ele, as negociações ainda não se concretizaram por “uma decisão política do BNDES.”

No início de setembro, o grupo brasileiro Caoa assumiu publicamente interesse em comprar a planta da região. Porém, mesmo após a assinatura de um protocolo de intenções no Palácio dos Bandeirantes na época, as negociações seguem indefinidas. O grupo brasileiro teria pedido empréstimo ao BNDES, que foi negado.

Wagnão afirmou que foram diversas reuniões com a empresa. “Estava 99% certo para o acordo se concretizar. E agora travamos nesses 1%”, disse aos trabalhadores. A entidade já negociou condições de trabalho com a Caoa, que inclui salários menores para a absorção de pelo menos 800 ex-funcionários da Ford.

Na última semana, em agenda em São Bernardo, o governador João Doria (PSDB) admitiu a possibilidade da compra da unidade por uma montadora chinesa como um ‘plano B’.

O sentimento dos trabalhadores era de tristeza. Leonardo Otero Cischim, 40 anos, trabalhou por 11 no setor de qualidade. Ele foi dispensado em julho e desde então não foi chamado para nenhuma entrevista.

“Esperamos que a Caoa, ou qualquer outra empresa que assuma, reconheça a nossa qualificação nesse tempo que tivemos de Ford. Temos esperança e fé que as negociações se concretizem “, disse. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;