Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 22 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Alaíde é aceita em processo contra impeachment


Junior Carvalho

19/10/2019 | 06:03


A vice-prefeita de Mauá, Alaíde Damo (MDB), pediu à Justiça de Mauá para ser incluída como parte no processo em que o prefeito Atila Jacomussi (PSB) pede a anulação do impeachment. O pleito foi deferido na quinta-feira pelo juiz Rodrigo Soares, da 5ª Vara Cível da cidade, responsável por apreciar o tema em primeira instância.

Batizado juridicamente como assistente litisconsorcial, o pedido, na prática, une Alaíde ao presidente da Câmara, Vanderley Cavalcante da Silva, o Neycar (SD), na defesa do impeachment nos tribunais da cidade. A emedebista é a principal beneficiada com possível decisão favorável ao Legislativo mauaense, uma vez que é a herdeira da cadeira de Atila e assumiria novamente a chefia do Executivo.

Alaíde já havia ingressado com o mesmo pleito no TJ-SP (Tribunal de Justiça de São Paulo), na tramitação do recurso impetrado pela defesa de Atila e que, no dia 9 de setembro, resultou em liminar concedida em favor do então prefeito cassado. Na petição entregue em segunda instância, Alaíde argumentou não haver “sentido” para que fosse anulada a cassação do socialista e sustentou que não havia motivos para o Judiciário intervir porque o “julgamento do processo de cassação é juízo político exercido pela Câmara”. Apesar das alegações tanto de Alaíde quanto do Legislativo, a 4ª Câmara de Direito Público do TJ-SP, por três votos a zero, decidiu pela anulação liminar do impeachment e autorizou o retorno de Atila ao cargo.

Fora do comando do Paço mauaense, Alaíde já avisou a aliados que pretende disputar a sucessão no pleito do ano que vem, ao lado da filha Vanessa Damo (MDB), ex-deputada estadual e ex-prefeiturável. Nos últimos dias, a emedebista voltou a percorrer por equipamentos públicos para, segundo ela, “fazer vistorias”, no papel de vice-prefeita, e a proferir críticas à gestão de Atila. “Meu papel como vice-prefeita é seguir zelando pelo bem-estar da população e estarei sempre à disposição para isso”, publicou Alaíde nas redes sociais.

Atila foi cassado, em abril, por cometer crime de responsabilidade ao não solicitar licença à Câmara no período em que esteve detido, entre dezembro e fevereiro. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Alaíde é aceita em processo contra impeachment

Junior Carvalho

19/10/2019 | 06:03


A vice-prefeita de Mauá, Alaíde Damo (MDB), pediu à Justiça de Mauá para ser incluída como parte no processo em que o prefeito Atila Jacomussi (PSB) pede a anulação do impeachment. O pleito foi deferido na quinta-feira pelo juiz Rodrigo Soares, da 5ª Vara Cível da cidade, responsável por apreciar o tema em primeira instância.

Batizado juridicamente como assistente litisconsorcial, o pedido, na prática, une Alaíde ao presidente da Câmara, Vanderley Cavalcante da Silva, o Neycar (SD), na defesa do impeachment nos tribunais da cidade. A emedebista é a principal beneficiada com possível decisão favorável ao Legislativo mauaense, uma vez que é a herdeira da cadeira de Atila e assumiria novamente a chefia do Executivo.

Alaíde já havia ingressado com o mesmo pleito no TJ-SP (Tribunal de Justiça de São Paulo), na tramitação do recurso impetrado pela defesa de Atila e que, no dia 9 de setembro, resultou em liminar concedida em favor do então prefeito cassado. Na petição entregue em segunda instância, Alaíde argumentou não haver “sentido” para que fosse anulada a cassação do socialista e sustentou que não havia motivos para o Judiciário intervir porque o “julgamento do processo de cassação é juízo político exercido pela Câmara”. Apesar das alegações tanto de Alaíde quanto do Legislativo, a 4ª Câmara de Direito Público do TJ-SP, por três votos a zero, decidiu pela anulação liminar do impeachment e autorizou o retorno de Atila ao cargo.

Fora do comando do Paço mauaense, Alaíde já avisou a aliados que pretende disputar a sucessão no pleito do ano que vem, ao lado da filha Vanessa Damo (MDB), ex-deputada estadual e ex-prefeiturável. Nos últimos dias, a emedebista voltou a percorrer por equipamentos públicos para, segundo ela, “fazer vistorias”, no papel de vice-prefeita, e a proferir críticas à gestão de Atila. “Meu papel como vice-prefeita é seguir zelando pelo bem-estar da população e estarei sempre à disposição para isso”, publicou Alaíde nas redes sociais.

Atila foi cassado, em abril, por cometer crime de responsabilidade ao não solicitar licença à Câmara no período em que esteve detido, entre dezembro e fevereiro. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;