Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 22 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Intenção de Consumo das famílias sobe 0,2% em outubro ante setembro, diz CNC

Marcelo Camargo/Agência Brasil Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


18/10/2019 | 11:22


Os brasileiros ficaram mais propensos às compras em outubro, de acordo com a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). Na terceira alta consecutiva, a Intenção de Consumo das Famílias (ICF) cresceu 0,2% este mês em relação a setembro, atingindo 93,3 pontos. Em relação a outubro de 2018, o indicador está em patamar 7,7% superior, segundo a pesquisa da CNC.

Na passagem de setembro para outubro, os componentes com destaque positivo foram o de Momento para Duráveis, com alta de 3,1%, e o de Perspectiva Profissional, com crescimento de 0,7%. Já as avaliações quanto à Perspectiva de Consumo (-1,7%) e Emprego Atual (-0,4%) foram negativas.

Apesar da terceira alta consecutiva, o indicador de outubro ainda está distante do maior patamar aferido em 2019 (fevereiro, com 98,5 pontos). "Por mais que tenhamos a liberação dos recursos do FGTS e do PIS/Pasep e um cenário promissor, o crescente endividamento social e a lenta recuperação do mercado de trabalho podem fazer com que as intenções de compra sejam atenuadas", diz em nota oficial Antonio Everton Junior, economista da CNC.

Apesar de ter apresentado a maior variação negativa do mês, a avaliação das famílias quanto à Perspectiva de Consumo melhorou na comparação com 2018 (11,8%). Em outubro de 2019, 33,7% das famílias reconhecem que as perspectivas de compra são maiores, contra 27,1% no último ano.

Além de Perspectiva de Consumo, outros dois itens se destacaram na comparação anual: Momento para Duráveis (13,6%) e Compra a Prazo (12,0%).

"Os dados mostram que as famílias têm hoje uma situação mais favorável do que há um ano. Elas se mostram previdentes quanto ao desejo de adquirir bens, embora as perspectivas para o comércio pareçam ser alvissareiras neste fim de ano", ressalta Everton.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Intenção de Consumo das famílias sobe 0,2% em outubro ante setembro, diz CNC


18/10/2019 | 11:22


Os brasileiros ficaram mais propensos às compras em outubro, de acordo com a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). Na terceira alta consecutiva, a Intenção de Consumo das Famílias (ICF) cresceu 0,2% este mês em relação a setembro, atingindo 93,3 pontos. Em relação a outubro de 2018, o indicador está em patamar 7,7% superior, segundo a pesquisa da CNC.

Na passagem de setembro para outubro, os componentes com destaque positivo foram o de Momento para Duráveis, com alta de 3,1%, e o de Perspectiva Profissional, com crescimento de 0,7%. Já as avaliações quanto à Perspectiva de Consumo (-1,7%) e Emprego Atual (-0,4%) foram negativas.

Apesar da terceira alta consecutiva, o indicador de outubro ainda está distante do maior patamar aferido em 2019 (fevereiro, com 98,5 pontos). "Por mais que tenhamos a liberação dos recursos do FGTS e do PIS/Pasep e um cenário promissor, o crescente endividamento social e a lenta recuperação do mercado de trabalho podem fazer com que as intenções de compra sejam atenuadas", diz em nota oficial Antonio Everton Junior, economista da CNC.

Apesar de ter apresentado a maior variação negativa do mês, a avaliação das famílias quanto à Perspectiva de Consumo melhorou na comparação com 2018 (11,8%). Em outubro de 2019, 33,7% das famílias reconhecem que as perspectivas de compra são maiores, contra 27,1% no último ano.

Além de Perspectiva de Consumo, outros dois itens se destacaram na comparação anual: Momento para Duráveis (13,6%) e Compra a Prazo (12,0%).

"Os dados mostram que as famílias têm hoje uma situação mais favorável do que há um ano. Elas se mostram previdentes quanto ao desejo de adquirir bens, embora as perspectivas para o comércio pareçam ser alvissareiras neste fim de ano", ressalta Everton.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;