Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 15 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Família consegue dinheiro para trazer corpo de brasileira morta em Portugal



10/10/2019 | 10:49


A família da brasileira Camila da Silva, de 30 anos, que foi encontrada morta no dia 2 de outubro, na Vila Arruda dos Vinhos, no distrito de Lisboa, em Portugal, conseguiu arrecadar dinheiro para realizar o traslado do corpo para o Brasil.

A vítima era de Ipatinga, interior de Minas, e deixou uma filha de 10 anos. Familiares e amigos lamentaram a morte de Camila e pediram apoio financeiro de R$ 30 mil para trazer o corpo da jovem para o País.

Na quarta-feira, 9, Werleis Silva, irmão de Camila, informou em um post nas redes sociais que a família havia conseguido arrecadar o dinheiro por meio de "vaquinha" e que o traslado está previsto para a próxima segunda-feira, dia 14.

A família espera realizar o velório de Camila até a próxima quarta-feira, 16. "Conseguimos arrecadar o dinheiro para fazer o traslado. Agradecemos a todos. Já demos o passo principal, conseguimos a funerária em Portugal. Mandamos os documentos do Brasil para lá. Teremos o parecer da funerária ainda nesta semana, em razão dos dias que precisam para resolver tudo", disse Werleis Silva em vídeo publicado no Facebook.

Tragédia

O corpo de Camila da Silva foi localizado dentro de uma mala envolta por fita adesiva por um morador que passeava com seu cão pelo local. A Guarda Nacional Republicana confirmou a ocorrência.

No dia seguinte (quinta-feira, 3), a Polícia Judiciária (PJ) de Lisboa anunciou a prisão do companheiro da vítima, de 38 anos, suspeito de tê-la matado à facada, com um golpe letal, na casa onde moravam, e abandonado o corpo dentro da mala. Ele foi encontrado dentro de uma área de mata, mas há indícios de que tentava deixar o país.

Em nota, a polícia informou que recolheu provas, as quais incriminam fortemente o suspeito. A investigação apura se o homicídio aconteceu por motivo passional. O suspeito aguarda julgamento.

O presidente da Câmara Municipal de Arruda dos Vinhos, André Santos Rijo, lamentou a morte da jovem e classificou o crime como hediondo. "Acontecimento de um crime hediondo (homicídio) que apanhou todos de surpresa e que chocou toda uma comunidade. Um casal jovem de cidadãos brasileiros recém-chegados, que morava em Arruda há cerca de 15 dias, na Urbanização de S. Lázaro. Ela, trabalhadora da restauração, ele, trabalhador da construção civil, e os vizinhos ainda não tinham notado sinal de violência ou agressividade entre ambos", destacou o post.

Procurado, o Itamaraty não se pronunciou sobre o crime. Apenas informou que quando um cidadão brasileiro falece no exterior e sua família opta por trazer seus restos mortais ao Brasil, as embaixadas e os consulados brasileiros sempre procuram apoiar os familiares com orientações gerais, com a expedição de documentos e também no contato com autoridades locais para tentar agilizar e facilitar os trâmites. "Informamos que não há previsão legal que permita o pagamento de despesas hospitalares ou traslado dos corpos pelo governo federal", afirmou a nota.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Família consegue dinheiro para trazer corpo de brasileira morta em Portugal


10/10/2019 | 10:49


A família da brasileira Camila da Silva, de 30 anos, que foi encontrada morta no dia 2 de outubro, na Vila Arruda dos Vinhos, no distrito de Lisboa, em Portugal, conseguiu arrecadar dinheiro para realizar o traslado do corpo para o Brasil.

A vítima era de Ipatinga, interior de Minas, e deixou uma filha de 10 anos. Familiares e amigos lamentaram a morte de Camila e pediram apoio financeiro de R$ 30 mil para trazer o corpo da jovem para o País.

Na quarta-feira, 9, Werleis Silva, irmão de Camila, informou em um post nas redes sociais que a família havia conseguido arrecadar o dinheiro por meio de "vaquinha" e que o traslado está previsto para a próxima segunda-feira, dia 14.

A família espera realizar o velório de Camila até a próxima quarta-feira, 16. "Conseguimos arrecadar o dinheiro para fazer o traslado. Agradecemos a todos. Já demos o passo principal, conseguimos a funerária em Portugal. Mandamos os documentos do Brasil para lá. Teremos o parecer da funerária ainda nesta semana, em razão dos dias que precisam para resolver tudo", disse Werleis Silva em vídeo publicado no Facebook.

Tragédia

O corpo de Camila da Silva foi localizado dentro de uma mala envolta por fita adesiva por um morador que passeava com seu cão pelo local. A Guarda Nacional Republicana confirmou a ocorrência.

No dia seguinte (quinta-feira, 3), a Polícia Judiciária (PJ) de Lisboa anunciou a prisão do companheiro da vítima, de 38 anos, suspeito de tê-la matado à facada, com um golpe letal, na casa onde moravam, e abandonado o corpo dentro da mala. Ele foi encontrado dentro de uma área de mata, mas há indícios de que tentava deixar o país.

Em nota, a polícia informou que recolheu provas, as quais incriminam fortemente o suspeito. A investigação apura se o homicídio aconteceu por motivo passional. O suspeito aguarda julgamento.

O presidente da Câmara Municipal de Arruda dos Vinhos, André Santos Rijo, lamentou a morte da jovem e classificou o crime como hediondo. "Acontecimento de um crime hediondo (homicídio) que apanhou todos de surpresa e que chocou toda uma comunidade. Um casal jovem de cidadãos brasileiros recém-chegados, que morava em Arruda há cerca de 15 dias, na Urbanização de S. Lázaro. Ela, trabalhadora da restauração, ele, trabalhador da construção civil, e os vizinhos ainda não tinham notado sinal de violência ou agressividade entre ambos", destacou o post.

Procurado, o Itamaraty não se pronunciou sobre o crime. Apenas informou que quando um cidadão brasileiro falece no exterior e sua família opta por trazer seus restos mortais ao Brasil, as embaixadas e os consulados brasileiros sempre procuram apoiar os familiares com orientações gerais, com a expedição de documentos e também no contato com autoridades locais para tentar agilizar e facilitar os trâmites. "Informamos que não há previsão legal que permita o pagamento de despesas hospitalares ou traslado dos corpos pelo governo federal", afirmou a nota.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;