Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 15 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

'Memórias Póstumas' vence o 29º Festival de Gramado


Alessandro Soares
Enviado a Gramado

12/08/2001 | 18:41


A história do defunto autor foi a grande vencedora do 29º Festival de Gramado – Cinema Brasileiro e Latino, que moveu mundos e fundos a fim de trazer o star system brasileiro para a Serra Gaúcha. Memórias Póstumas, de André Klotzel, faturou cinco Kikito: melhor filme, diretor, roteiro, atriz coadjuvante (Sônia Braga) e prêmio da crítica para longa brasileiro. Bufo & Spallanzani, policial brasileiro de Flávio Tambellini com jeito de cinemão norte-americano, levou quatro e deu a Tony Ramos seu primeiro Kikito de melhor ator, uma surpresa no festival. A cerimônia teve cara de superprodução, com pirotecnia, holofotes na entrada e, como ocorre lá em Hollywood, tapete vermelho para as estrelas – muitas sem nenhuma ligação com os filmes.

Memórias Póstumas ganhou ainda um carro Fiat e R$ 10 mil, cortesia do Ministério da Cultura. O lado engraçadinho da cerimônia final foi Stepan Nercessian, que recebeu o Kikito para Sônia Braga. Ele, que nunca beijou Sônia nas telas, disse que naquele momento “ele era a Sônia Braga”. Mandou beijinhos e fez pose. Klotzel, que ganhou seu segundo Kikito de diretor e filme, dedicou o prêmio de roteiro para José Roberto Torero, autor dos diálogos. Adaptar Machado de Assis nunca foi fácil e Memórias Póstumas, um dos quatro longas brasileiros adaptados de obras literárias, tem vários méritos que justificam os prêmios. Os principais são: humor sofisticado, trilha sonora encabeçada por Bach, Haydn e cia. e uma direção de arte que recriou o Rio.

Em seu discurso, Tony Ramos dedicou o prêmio aos artistas, incluindo os de circo e, mesmo parecendo piegas, também homenageou sua mulher Lidiane. Ainda por Bufo, Isabel Guerón surpreendeu como melhor atriz e quase foi às lágrimas ao agradecer. Juca de Oliveira, representado por Milton Gonçalves, foi o melhor ator coadjuvante. A direção de arte de Gualter Pupo Filho, também foi premiada. Memórias Póstumas na próxima sexta-feira (dia 17) e Bufo no dia 31.

O filme gaúcho Netto Perde sua Alma foi barbada no prêmio do júri popular e surpreendeu com mais três Kikito: montagem, música e prêmio especial do júri. A melhor fotografia foi do único longa com roteiro original, Jacques Cheiuche, por Urbania, de Flavio Frederico. O vencedor latino foi o argentino Um Amor de Borges, também premiado pela crítica, que fez com que o júri concedesse um terceiro Kikito, especial honorífico para ator, para Jean Pierre Noher. O espanhol Yoyes venceu na escolha do público.

Entre os curtas em 35mm, que este ano compareceram com altos e baixos, o Kikito coube bem a Palíndromo, de Philippe Barcinski, que subiu ao palco mais três vezes: diretor, montagem e prêmio da crítica. O filme ousa ao usar uma figura de linguagem (palíndromo é a palavra que pode ser lida também de trás para frente) em um filme narrado do fim para o início. O Canal Brasil deu prêmio aquisição (R$ 5 mil) para Palíndromo e A Canga, de Marcus Vilar. O melhor curta em 16mm é o capixaba Macabéia, baseado em A Hora da Estrela, de Clarice Lispector, de Erly Vieira Jr, Lizandro Nunes e Virginia Jorge. O filme também levou melhor roteiro, Erly Vieira Jr.

Gafes – Não faltaram gafes na cerimônia. O ator e apresentador José de Abreu não conseguiu ler sua própria letra e chamou o curta A Canga de “A Canja”, corrigindo em seguida. Nívea Stelmann, que entegou o Kikito de montagem para Palíndromo, leu o título do filme sem a sílaba tônica. Uma sessão de piadas racistas sem graça rolou entre e Abreu e Milton Gonçalves, chamado ao palco para entregar o Kikito de melhor atriz. Abreu perguntou se haviam apagado a luz. No troco, Milton contou uma história em que vivia atirando pedra em um porco quando menino e que o “espírito dele o perseguia”.

Até cinema foi discutido durante o festival, que vibrou com a volta das estrelas. A produção brasileira mostrou diversidade. Teve filmes de apelo comercial (Bufo), sofisticados (Memórias) épicos regionais (Netto Perde Sua Alma), acadêmicos (Duas Vezes com Helena) e reflexivos (Urbania).



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;