Fechar
Publicidade

Sábado, 19 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Cotação do dólar muda planos de viagem de turistas

Divulgação Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


21/09/2019 | 12:45


Para além do mundo dos negócios, a valorização da moeda americana também é motivo de preocupação de quem tem viagem marcada para o exterior. Enquanto o dólar comercial, utilizado em operações como importações e exportações, fechou ontem em R$ 4,14, o dólar turismo, cotação praticada na venda de papel moeda para viagens internacionais, bateu em R$ 4,38. No mês, a alta acumulada é de 2,54%.

A advogada Rosana Matos ainda não comprou dólares para a viagem que fará para Orlando, nos Estados Unidos, em meados de outubro. "A gente esperou, para ver se haveria alguma baixa com o avanço na reforma da Previdência. Estamos esperando que ainda aconteça alguma coisa", explica.

O plano da advogada é ir a três parques da Disney, mas ela admite que se o dólar não recuar, os passeios podem ser cortados: "A prioridade é fazer o enxoval da minha cunhada."

A estudante That Loranny Lima também adiou a compra de dólares à espera de uma baixa. "Comprei agora assustada, porque um tempo atrás eu já tinha o dinheiro disponível e o dólar estava R$ 3,74, mas decidi esperar. Foi a maior besteira que eu fiz", desabafa.

That viaja para Orlando, na Flórida, no próximo dia 26, e já refez sua programação. Ela visitaria quatro parques da Disney e um do Universal Studios, com valor total dos ingressos estimado em R$ 2.800. Agora, o roteiro foi reduzido a três parques, que vão custar mais de R$ 2.900.

Os planos de compra também mudaram. "A gente estava se programando para trazer muita coisa, como eletrônicos e perfumaria, mas não está compensando mais", afirma That. O grupo esperou para reservar o aluguel do carro e, com isso, amargou R$ 300 de prejuízo.

That passou a manhã de ontem procurando as melhores cotações. "Tenho amigos que não compraram dólar até hoje, minha mãe também não comprou. A gente está um pouco desesperado", afirma. O melhor preço encontrado por That foi de R$ 4,35, no banco em que é correntista. Nas casas de câmbio, a cotação chegou a R$ 4,38.

Com o avanço do dólar, as atrações turísticas dos Estados Unidos pesaram mais no bolso de quem ganha em reais. Em uma agência de turismo da zona norte de São Paulo, a entrada do Museu de Arte Moderna de Nova York (MoMA), que custa US$ 32, passou de R$ 112 para R$ 120 entre o último dia 10 e ontem.

O ingresso do musical Rei Leão na Broadway vendido a U$ 311, saltou de R$ 990 para R$ 1.150. Apesar da alta, a agência afirma que ainda não repassou a flutuação do dólar turismo de ontem e que trabalha com uma cotação promocional.

Proteção

A diretora da casa de câmbio GetMoney, Vanessa Blum, afirma que, para evitar as oscilações da moeda, o melhor é se planejar e não esperar um suposto momento de queda. "Uma orientação unânime no mercado é que as pessoas se programem e façam as compras fracionadas, por exemplo um lote de dólares por mês. Quem faz isso não pega o melhor momento do mundo, mas também não pega o pior, fazendo um preço médio", afirma.

Essa também é a orientação de Mauriciano Cavalcanti, gerente de câmbio da OuroMinas. "O turista não deve especular, apostar que a cotação vai cair. Ele deve aproveitar os momentos de leve baixa para comprar um pouco de dólares. Não precisa comprar tudo de uma vez, é melhor fazer uma média para não ter surpresas", recomenda. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Cotação do dólar muda planos de viagem de turistas


21/09/2019 | 12:45


Para além do mundo dos negócios, a valorização da moeda americana também é motivo de preocupação de quem tem viagem marcada para o exterior. Enquanto o dólar comercial, utilizado em operações como importações e exportações, fechou ontem em R$ 4,14, o dólar turismo, cotação praticada na venda de papel moeda para viagens internacionais, bateu em R$ 4,38. No mês, a alta acumulada é de 2,54%.

A advogada Rosana Matos ainda não comprou dólares para a viagem que fará para Orlando, nos Estados Unidos, em meados de outubro. "A gente esperou, para ver se haveria alguma baixa com o avanço na reforma da Previdência. Estamos esperando que ainda aconteça alguma coisa", explica.

O plano da advogada é ir a três parques da Disney, mas ela admite que se o dólar não recuar, os passeios podem ser cortados: "A prioridade é fazer o enxoval da minha cunhada."

A estudante That Loranny Lima também adiou a compra de dólares à espera de uma baixa. "Comprei agora assustada, porque um tempo atrás eu já tinha o dinheiro disponível e o dólar estava R$ 3,74, mas decidi esperar. Foi a maior besteira que eu fiz", desabafa.

That viaja para Orlando, na Flórida, no próximo dia 26, e já refez sua programação. Ela visitaria quatro parques da Disney e um do Universal Studios, com valor total dos ingressos estimado em R$ 2.800. Agora, o roteiro foi reduzido a três parques, que vão custar mais de R$ 2.900.

Os planos de compra também mudaram. "A gente estava se programando para trazer muita coisa, como eletrônicos e perfumaria, mas não está compensando mais", afirma That. O grupo esperou para reservar o aluguel do carro e, com isso, amargou R$ 300 de prejuízo.

That passou a manhã de ontem procurando as melhores cotações. "Tenho amigos que não compraram dólar até hoje, minha mãe também não comprou. A gente está um pouco desesperado", afirma. O melhor preço encontrado por That foi de R$ 4,35, no banco em que é correntista. Nas casas de câmbio, a cotação chegou a R$ 4,38.

Com o avanço do dólar, as atrações turísticas dos Estados Unidos pesaram mais no bolso de quem ganha em reais. Em uma agência de turismo da zona norte de São Paulo, a entrada do Museu de Arte Moderna de Nova York (MoMA), que custa US$ 32, passou de R$ 112 para R$ 120 entre o último dia 10 e ontem.

O ingresso do musical Rei Leão na Broadway vendido a U$ 311, saltou de R$ 990 para R$ 1.150. Apesar da alta, a agência afirma que ainda não repassou a flutuação do dólar turismo de ontem e que trabalha com uma cotação promocional.

Proteção

A diretora da casa de câmbio GetMoney, Vanessa Blum, afirma que, para evitar as oscilações da moeda, o melhor é se planejar e não esperar um suposto momento de queda. "Uma orientação unânime no mercado é que as pessoas se programem e façam as compras fracionadas, por exemplo um lote de dólares por mês. Quem faz isso não pega o melhor momento do mundo, mas também não pega o pior, fazendo um preço médio", afirma.

Essa também é a orientação de Mauriciano Cavalcanti, gerente de câmbio da OuroMinas. "O turista não deve especular, apostar que a cotação vai cair. Ele deve aproveitar os momentos de leve baixa para comprar um pouco de dólares. Não precisa comprar tudo de uma vez, é melhor fazer uma média para não ter surpresas", recomenda. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;