Fechar
Publicidade

Domingo, 20 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Pensão da Jô, como tudo começou



17/09/2019 | 07:18


São números superlativos - seis temporadas na TV paga, 260 episódios e 3,3 milhões de espectadores quando o primeiro filme da franquia Vai Que Cola foi lançado nos cinemas. Naquele tempo, havia Paulo Gustavo no elenco. Agora, sem Paulo e adotando o formato da "prequel", Vai Que Cola 2 - O Começo chegou às salas na quinta-feira. O diretor César Rodrigues admitia estar com aquele friozinho na barriga. O Começo iria repetir o sucesso?

No fim de semana, Vai Que Cola - o Começo ficou em segundo nas melhores bilheterias, com 233 mil espectadores. Ficou atrás de It - A Coisa 2, com 571 mil (no acumulado, soma 2,169 milhões de espectadores), mas à frente de Divaldo - O Mensageiro da Paz, com 104 mil.

Na "prequel", Ferdinando/Marcus Majella deixa cidade interiorana e vai tentar a sorte no Rio. Vai parar no Méier, na casa da Dona Jô, que ainda não é pensão - será, no fim do filme. Feijoada, roda de samba, o tesouro do grande amor de Terezinha, a fogosa Jéssica - e o beijo gay. Disputando o bofe com a garota, Ferdinando aplica aquele beijo em Maicól. No making of, Majella diz que foi preciso repetir a cena várias vezes, "até ficar como o diretor queria".

Há pouco, outro beijo gay virou caso de polícia na Bienal do Livro, no Rio. César reconhece o perigo, mas nega oportunismo. "Começamos o Sai de Baixo num Brasil muito diferente. Não sei se hoje em dia, com esse retrocesso, teríamos feito tanto sucesso. Mas o beijo gay do Vai Que Cola - O Começo não representa nenhum manifesto da gente. Nossa bandeira é o divertimento."

E Rodrigues arrisca uma interpretação. "O que o Vai Que Cola tem de mais bacana é uma ideia de família, mesmo que não seja a de sangue, mas do afeto. Dona Jô é uma mãezona que acolhe todo aquele grupo e no qual todo mundo é aceito. É como a família da gente. Tem o gordo, o primo gay, o crente, a p..., todo mundo é diferente, mas a gente aceita, termina por respeitar. O Brasil todo devia ser essa família. Tem gente que vai achar o beijo gay uma afronta, mas para a evolução da nossa história era importante. Não abrimos mão. A expectativa é de que o público aceite."

Mais "ultrajante", como dizem os norte-americanos, é a cena em que Ferdinando repica Xuxa na recriação do hit Lua de Cristal, com direito a Sérgio Mallandro como príncipe. É hilário, e o máximo da inclusão. Em outubro, começa a nova temporada do Vai Que Cola - e a novidade é que vai todo mundo para Miami.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Pensão da Jô, como tudo começou


17/09/2019 | 07:18


São números superlativos - seis temporadas na TV paga, 260 episódios e 3,3 milhões de espectadores quando o primeiro filme da franquia Vai Que Cola foi lançado nos cinemas. Naquele tempo, havia Paulo Gustavo no elenco. Agora, sem Paulo e adotando o formato da "prequel", Vai Que Cola 2 - O Começo chegou às salas na quinta-feira. O diretor César Rodrigues admitia estar com aquele friozinho na barriga. O Começo iria repetir o sucesso?

No fim de semana, Vai Que Cola - o Começo ficou em segundo nas melhores bilheterias, com 233 mil espectadores. Ficou atrás de It - A Coisa 2, com 571 mil (no acumulado, soma 2,169 milhões de espectadores), mas à frente de Divaldo - O Mensageiro da Paz, com 104 mil.

Na "prequel", Ferdinando/Marcus Majella deixa cidade interiorana e vai tentar a sorte no Rio. Vai parar no Méier, na casa da Dona Jô, que ainda não é pensão - será, no fim do filme. Feijoada, roda de samba, o tesouro do grande amor de Terezinha, a fogosa Jéssica - e o beijo gay. Disputando o bofe com a garota, Ferdinando aplica aquele beijo em Maicól. No making of, Majella diz que foi preciso repetir a cena várias vezes, "até ficar como o diretor queria".

Há pouco, outro beijo gay virou caso de polícia na Bienal do Livro, no Rio. César reconhece o perigo, mas nega oportunismo. "Começamos o Sai de Baixo num Brasil muito diferente. Não sei se hoje em dia, com esse retrocesso, teríamos feito tanto sucesso. Mas o beijo gay do Vai Que Cola - O Começo não representa nenhum manifesto da gente. Nossa bandeira é o divertimento."

E Rodrigues arrisca uma interpretação. "O que o Vai Que Cola tem de mais bacana é uma ideia de família, mesmo que não seja a de sangue, mas do afeto. Dona Jô é uma mãezona que acolhe todo aquele grupo e no qual todo mundo é aceito. É como a família da gente. Tem o gordo, o primo gay, o crente, a p..., todo mundo é diferente, mas a gente aceita, termina por respeitar. O Brasil todo devia ser essa família. Tem gente que vai achar o beijo gay uma afronta, mas para a evolução da nossa história era importante. Não abrimos mão. A expectativa é de que o público aceite."

Mais "ultrajante", como dizem os norte-americanos, é a cena em que Ferdinando repica Xuxa na recriação do hit Lua de Cristal, com direito a Sérgio Mallandro como príncipe. É hilário, e o máximo da inclusão. Em outubro, começa a nova temporada do Vai Que Cola - e a novidade é que vai todo mundo para Miami.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;