Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 15 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Prefeitura lança programa para ocupar ruas com atividades esportivas e culturais

André Tambucci/Fotos Públicas Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


09/09/2019 | 18:26


A Prefeitura de São Paulo lançou nesta segunda-feira, 9, o programa Rua da Gente. De acordo com o prefeito Bruno Covas (PSDB), o objetivo é estimular a ocupação de espaços públicos com atividades esportivas e culturais. A ação faz parte do Plano de Metas 2019-2020. Serão realizadas 320 edições, sendo 100 neste ano e 220 no ano que vem, sempre aos sábado, domingos e feriado.

Covas explica que a iniciativa é uma ampliação do programa Ruas Abertas, que existe desde a gestão Fernando Haddad (PT). "Estamos fazendo uma evolução no que era o programa da gestão anterior, Ruas Abertas, em que a Prefeitura garantia o fechamento de alguns espaços da cidade. Hoje são 16 ruas, e tem - inclusive - demanda para que algumas dessas 16 deixem ser Ruas Abertas. A Prefeitura apenas fecha esses espaços e a população é que deve levar a atividade. O programa Rua da Gente é móvel. Eventualmente, pode ocorrer em uma das vias que faz parte do programa Ruas Abertas", disse Covas.

A primeira edição do Rua da Gente será no próximo fim de semana na Vila Maria, Perus e Vila Nova Cachoeirinha, na zona norte, e na Cidade Ademar, na zona sul da capital. A primeira fase, que será de 14 de setembro a 29 de dezembro, terá investimento de R$ 2,5 milhões, com expectativa de atender 125 mil pessoas.

"Estamos testando o programa. Já tivemos 40 edições e teremos mais 60 até o fim do ano, completando 100 edições em 2019. Praticamente, quatro por fim de semana em todos os cantos da cidade de São Paulo, principalmente nas regiões periféricas que têm menos oportunidade. Temos reservado R$ 16 milhões para todo o projeto para poder contratar atividades, levar monitores e ter equipamentos de lazer", destacou.

Inicialmente, o custo será apenas da Prefeitura, mas o prefeito não descarta a participação de empresas."A ideia é começar a divulgar o programa e, claro, quanto mais a gente conseguir patrocínio é melhor, seja para ampliar o programa ou deixar de usar recurso público", disse Covas.

Quatro polos foram criados para oferecer diversas atividades e para alcançar diversos públicos e faixas etárias: Esportivo, Lazer, Corporais e Práticas Integrativas. "Diferentemente de outros programas, o Rua da Gente poderá realizar suas atividades nos mais variados espaços abertos da cidade, como ruas, praças, parques, clubes municipais. O polo Esportivo contempla várias atividades como atletismo, lutas, que têm grande demanda entre jovens, principalmente da periferia", disse o secretário de Esportes e Lazer, Carlos Bezerra Júnior. "O polo Práticas Corporais contempla street dance, crossfit e alongamentos. De Lazer, reúne jogos, brincadeiras tradicionais e oficinas de recreação e o polo de Práticas Integrativas trata de atividades terapêuticas e de dança."

Sobre o fim do programa de ciclofaixas de lazer aos domingos, Covas disse que a Prefeitura já fez chamamento para buscar novas empresas. A Bradesco Seguros, que patrocinava a operação, encerrou o contrato com o Município. Em nota, a Bradescos Seguros afirmou que "entende que seu ciclo como patrocinador da CicloFaixa de Lazer de São Paulo está completo".

"Estamos em fase de propostas. Não havendo interessados, nós já temos recursos, para se for o caso, a Prefeitura tocar com uma contração emergencial. Algumas já apresentaram propostas", acrescentou o prefeito.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Prefeitura lança programa para ocupar ruas com atividades esportivas e culturais


09/09/2019 | 18:26


A Prefeitura de São Paulo lançou nesta segunda-feira, 9, o programa Rua da Gente. De acordo com o prefeito Bruno Covas (PSDB), o objetivo é estimular a ocupação de espaços públicos com atividades esportivas e culturais. A ação faz parte do Plano de Metas 2019-2020. Serão realizadas 320 edições, sendo 100 neste ano e 220 no ano que vem, sempre aos sábado, domingos e feriado.

Covas explica que a iniciativa é uma ampliação do programa Ruas Abertas, que existe desde a gestão Fernando Haddad (PT). "Estamos fazendo uma evolução no que era o programa da gestão anterior, Ruas Abertas, em que a Prefeitura garantia o fechamento de alguns espaços da cidade. Hoje são 16 ruas, e tem - inclusive - demanda para que algumas dessas 16 deixem ser Ruas Abertas. A Prefeitura apenas fecha esses espaços e a população é que deve levar a atividade. O programa Rua da Gente é móvel. Eventualmente, pode ocorrer em uma das vias que faz parte do programa Ruas Abertas", disse Covas.

A primeira edição do Rua da Gente será no próximo fim de semana na Vila Maria, Perus e Vila Nova Cachoeirinha, na zona norte, e na Cidade Ademar, na zona sul da capital. A primeira fase, que será de 14 de setembro a 29 de dezembro, terá investimento de R$ 2,5 milhões, com expectativa de atender 125 mil pessoas.

"Estamos testando o programa. Já tivemos 40 edições e teremos mais 60 até o fim do ano, completando 100 edições em 2019. Praticamente, quatro por fim de semana em todos os cantos da cidade de São Paulo, principalmente nas regiões periféricas que têm menos oportunidade. Temos reservado R$ 16 milhões para todo o projeto para poder contratar atividades, levar monitores e ter equipamentos de lazer", destacou.

Inicialmente, o custo será apenas da Prefeitura, mas o prefeito não descarta a participação de empresas."A ideia é começar a divulgar o programa e, claro, quanto mais a gente conseguir patrocínio é melhor, seja para ampliar o programa ou deixar de usar recurso público", disse Covas.

Quatro polos foram criados para oferecer diversas atividades e para alcançar diversos públicos e faixas etárias: Esportivo, Lazer, Corporais e Práticas Integrativas. "Diferentemente de outros programas, o Rua da Gente poderá realizar suas atividades nos mais variados espaços abertos da cidade, como ruas, praças, parques, clubes municipais. O polo Esportivo contempla várias atividades como atletismo, lutas, que têm grande demanda entre jovens, principalmente da periferia", disse o secretário de Esportes e Lazer, Carlos Bezerra Júnior. "O polo Práticas Corporais contempla street dance, crossfit e alongamentos. De Lazer, reúne jogos, brincadeiras tradicionais e oficinas de recreação e o polo de Práticas Integrativas trata de atividades terapêuticas e de dança."

Sobre o fim do programa de ciclofaixas de lazer aos domingos, Covas disse que a Prefeitura já fez chamamento para buscar novas empresas. A Bradesco Seguros, que patrocinava a operação, encerrou o contrato com o Município. Em nota, a Bradescos Seguros afirmou que "entende que seu ciclo como patrocinador da CicloFaixa de Lazer de São Paulo está completo".

"Estamos em fase de propostas. Não havendo interessados, nós já temos recursos, para se for o caso, a Prefeitura tocar com uma contração emergencial. Algumas já apresentaram propostas", acrescentou o prefeito.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;