Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 22 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Engie conclui após avaliação que compra da TAG não confere direito de recesso



09/09/2019 | 10:32


A Engie Brasil Energia conclui que a compra de 90% de participação na TAG das mãos da Petrobras não confere direito de recesso aos acionistas. A empresa diz que estava avaliando com assessores a aplicabilidade desse direito aos acionistas dissidentes de se retirar da companhia e a eles pagar reembolso de suas ações, após compra da Tag em conjunto com a GDF International, subsidiária da Engie S.A. e a Caisse de Dépôt et Placement du Québec.

A companhia contratou a KPMG para elaborar laudo de avaliação econômico-financeira da operação, concluída em junho passado, por R$ 33,5 bilhões.

O laudo, emitido em 6 de setembro, frisa que a TAG não possui capital aberto e conclui que o valor pago pelas ações da transportadora de gás representa "apenas" 0,98 vezes o valor do lucro líquido por ação, "não ultrapassando, portanto, uma vez e meia o referido valor".

Conforme apresentado no laudo, o preço de aquisição foi de R$ 32,71 por ação, comparado ao do lucro líquido por ação de R$ 33,26 (por análise de fluxo de caixa descontado) e do valor do patrimônio líquido por ação de R$ 30,19.

Em fato relevante nesta segunda-feira, a Engie reitera que a operação estará sujeita à ratificação pela assembleia geral por configurar investimento relevante.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Engie conclui após avaliação que compra da TAG não confere direito de recesso


09/09/2019 | 10:32


A Engie Brasil Energia conclui que a compra de 90% de participação na TAG das mãos da Petrobras não confere direito de recesso aos acionistas. A empresa diz que estava avaliando com assessores a aplicabilidade desse direito aos acionistas dissidentes de se retirar da companhia e a eles pagar reembolso de suas ações, após compra da Tag em conjunto com a GDF International, subsidiária da Engie S.A. e a Caisse de Dépôt et Placement du Québec.

A companhia contratou a KPMG para elaborar laudo de avaliação econômico-financeira da operação, concluída em junho passado, por R$ 33,5 bilhões.

O laudo, emitido em 6 de setembro, frisa que a TAG não possui capital aberto e conclui que o valor pago pelas ações da transportadora de gás representa "apenas" 0,98 vezes o valor do lucro líquido por ação, "não ultrapassando, portanto, uma vez e meia o referido valor".

Conforme apresentado no laudo, o preço de aquisição foi de R$ 32,71 por ação, comparado ao do lucro líquido por ação de R$ 33,26 (por análise de fluxo de caixa descontado) e do valor do patrimônio líquido por ação de R$ 30,19.

Em fato relevante nesta segunda-feira, a Engie reitera que a operação estará sujeita à ratificação pela assembleia geral por configurar investimento relevante.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;