Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 23 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Família de pastor morto não estaria colaborando, diz promotor



24/06/2019 | 21:39


A deputada Floredelis esteve na delegacia para prestar novo depoimento, na condição de testemunha, nesta segunda-feira, 24. Ela chegou por volta de meio-dia e meia e, até o início da noite, não tinha deixado o local. Outras 25 pessoas da casa da deputada - entre filhos, parentes e funcionários - também estiveram na delegacia.

A polícia e o MP não descartam a participação da deputada no crime, bem como a de outros filhos e parentes. Flordelis e o pastor tinham 55 filhos, entre biológicos e adotivos.

"Um homicídio aconteceu dentro de uma casa, então todas as pessoas que estavam dentro da casa devem ser cogitadas", afirmou nesta segunda, em entrevista à radio CBN, o promotor Sergio Luiz Lopes Pereira, que acompanha o caso. Ele reclamou também que a família não estaria colaborando para o esclarecimento do crime.

"O que esperamos da família, especialmente da esposa, é uma maior colaboração com o MP e a polícia", afirmou. "No dia do crime, ela foi até a delegacia e disse que estava com o celular do marido; até hoje esse celular não foi entregue. O celular do Flávio também não foi entregue."

O promotor contou ainda que, no dia em que esteve na casa da deputada, havia uma grande fogueira no quintal, onde provas podem ter sido destruídas.

O fato de a família não estar colaborando com a investigação foi também a alegação dada pelo advogado Angelo Máximo, contratado pela mãe e por uma irmã do pastor para acompanhar as investigações sobre a sua morte.

Versão

O advogado Anderson Rollemberg, um dos responsáveis pela defesa de Flávio dos Santos, suspeito de ter participado da morte do padrasto, Anderson do Carmo, na madrugada do dia 16, contestou a versão divulgada pela polícia e afirmou que o seu cliente não deu nenhum depoimento admitindo o crime.

"A autoridade diz que houve confissão, mas ele falou para mim que não confessou", disse o advogado, que esteve nesta segunda-feira, 24, na Delegacia de Homicídios (DH) de Niterói e São Gonçalo, onde o crime está sendo investigado. "E, se existe uma confissão, já digo que ela não é idônea, não condiz com a verdade."

Na última sexta-feira, a polícia informou que Flávio confessou ter disparado seis tiros contra o marido de sua mãe, a deputada Flordelis. O Ministério Público confirmou a confissão. Flávio está preso na carceragem da DH desde o dia seguinte ao crime. Um outro filho do casal, Lucas dos Santos, de 18 anos, teria ajudado o irmão a comprar a arma usada no crime por R$ 8 mil.

Os advogados de Flávio e de Lucas informaram que vão pedir a transferência de ambos para um presídio. Os dois seguem presos na carceragem da DH e, segundo seus advogados, não tiveram acesso a produtos de higiene, não puderam tomar banho e estão se alimentando muito mal.

Morte

O pastor foi morto na madrugada do domingo retrasado após chegar em casa, em Pendotiba, com a mulher. Ele foi alvo de mais de 30 tiros, muitos deles na região genital. Câmeras de segurança da rua revelam que ninguém entrou nem saiu da casa. Segundo a polícia e o MP foi um crime de ódio, ligado a assuntos de família. (Colaborou Fábio Grellet)



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Família de pastor morto não estaria colaborando, diz promotor


24/06/2019 | 21:39


A deputada Floredelis esteve na delegacia para prestar novo depoimento, na condição de testemunha, nesta segunda-feira, 24. Ela chegou por volta de meio-dia e meia e, até o início da noite, não tinha deixado o local. Outras 25 pessoas da casa da deputada - entre filhos, parentes e funcionários - também estiveram na delegacia.

A polícia e o MP não descartam a participação da deputada no crime, bem como a de outros filhos e parentes. Flordelis e o pastor tinham 55 filhos, entre biológicos e adotivos.

"Um homicídio aconteceu dentro de uma casa, então todas as pessoas que estavam dentro da casa devem ser cogitadas", afirmou nesta segunda, em entrevista à radio CBN, o promotor Sergio Luiz Lopes Pereira, que acompanha o caso. Ele reclamou também que a família não estaria colaborando para o esclarecimento do crime.

"O que esperamos da família, especialmente da esposa, é uma maior colaboração com o MP e a polícia", afirmou. "No dia do crime, ela foi até a delegacia e disse que estava com o celular do marido; até hoje esse celular não foi entregue. O celular do Flávio também não foi entregue."

O promotor contou ainda que, no dia em que esteve na casa da deputada, havia uma grande fogueira no quintal, onde provas podem ter sido destruídas.

O fato de a família não estar colaborando com a investigação foi também a alegação dada pelo advogado Angelo Máximo, contratado pela mãe e por uma irmã do pastor para acompanhar as investigações sobre a sua morte.

Versão

O advogado Anderson Rollemberg, um dos responsáveis pela defesa de Flávio dos Santos, suspeito de ter participado da morte do padrasto, Anderson do Carmo, na madrugada do dia 16, contestou a versão divulgada pela polícia e afirmou que o seu cliente não deu nenhum depoimento admitindo o crime.

"A autoridade diz que houve confissão, mas ele falou para mim que não confessou", disse o advogado, que esteve nesta segunda-feira, 24, na Delegacia de Homicídios (DH) de Niterói e São Gonçalo, onde o crime está sendo investigado. "E, se existe uma confissão, já digo que ela não é idônea, não condiz com a verdade."

Na última sexta-feira, a polícia informou que Flávio confessou ter disparado seis tiros contra o marido de sua mãe, a deputada Flordelis. O Ministério Público confirmou a confissão. Flávio está preso na carceragem da DH desde o dia seguinte ao crime. Um outro filho do casal, Lucas dos Santos, de 18 anos, teria ajudado o irmão a comprar a arma usada no crime por R$ 8 mil.

Os advogados de Flávio e de Lucas informaram que vão pedir a transferência de ambos para um presídio. Os dois seguem presos na carceragem da DH e, segundo seus advogados, não tiveram acesso a produtos de higiene, não puderam tomar banho e estão se alimentando muito mal.

Morte

O pastor foi morto na madrugada do domingo retrasado após chegar em casa, em Pendotiba, com a mulher. Ele foi alvo de mais de 30 tiros, muitos deles na região genital. Câmeras de segurança da rua revelam que ninguém entrou nem saiu da casa. Segundo a polícia e o MP foi um crime de ódio, ligado a assuntos de família. (Colaborou Fábio Grellet)

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;