Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 17 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Esportes

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

Por unanimidade, STJD nega pedido de anulação de Botafogo x Palmeiras



18/06/2019 | 13:38


O Superior Tribunal de Justiça Desportiva do Futebol (STJD) rejeitou por unanimidade, nesta terça-feira, o pedido do Botafogo para ser anulada a derrota por 1 a 0 para o Palmeiras, no estádio Mané Garrincha, em Brasília, no dia 25 de maio, pela sexta rodada do Campeonato Brasileiro. O julgamento aconteceu em uma universidade de Direito, em Salvador, e todos os nove votos dos auditores foram contrários à solicitação do clube carioca.

Com a decisão do STJD, o Palmeiras tem agora 25 pontos na tabela de classificação do Brasileirão. A equipe alviverde lidera o campeonato com cinco pontos a mais que o vice-líder Santos. O Botafogo permanece em sétimo lugar, com 15.

No jogo entre Botafogo e Palmeiras, o árbitro paranaense Paulo Roberto Alves Junior aplicou cartão amarelo ao atacante alviverde Deyverson por simulação dentro da área e determinou o reinício da partida. Na alegação do clube carioca, após a reposição da bola pelo goleiro paraguaio Gatito Fernández, o juiz interrompeu o jogo para consultar o VAR e analisar as imagens da jogada anterior. Alertado pelo árbitro de vídeo, Paulo Roberto voltou atrás e marcou o pênalti a favor do Palmeiras, que venceu por 1 a 0.

No pedido de impugnação, o Botafogo alegou erro de direito se baseando na regra 5 da Fifa e no protocolo 8.12 do VAR, que diz que a decisão do árbitro não pode ser alterada após o reinício da partida. Entretanto, para o STJD, não houve irregularidade na marcação.

No julgamento desta terça-feira, Paulo Roberto Alves Junior prestou depoimento pessoalmente em Salvador. Já o árbitro de vídeo Adriano Milczvski falou por videoconferência. Ambos negaram que o juiz tenha apitado para o reinício da partida. Áudios da conversa entre eles durante o momento de revisão do lance foram ouvidos no julgamento.

Os nove votos foram de Decio Neuhaus (relator), Otávio Noronha (vice-presidente do STJD), Ronaldo Piacente (vice-presidente administrativo), João Bosco Luz (auditor), José Perdiz (auditor), Mauro Marcelo de Lima e Silva (auditor), Arlete Mesquita (auditora), Antônio Vanderler (auditor) e Paulo César Salomão Filho (presidente do STJD).



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Por unanimidade, STJD nega pedido de anulação de Botafogo x Palmeiras


18/06/2019 | 13:38


O Superior Tribunal de Justiça Desportiva do Futebol (STJD) rejeitou por unanimidade, nesta terça-feira, o pedido do Botafogo para ser anulada a derrota por 1 a 0 para o Palmeiras, no estádio Mané Garrincha, em Brasília, no dia 25 de maio, pela sexta rodada do Campeonato Brasileiro. O julgamento aconteceu em uma universidade de Direito, em Salvador, e todos os nove votos dos auditores foram contrários à solicitação do clube carioca.

Com a decisão do STJD, o Palmeiras tem agora 25 pontos na tabela de classificação do Brasileirão. A equipe alviverde lidera o campeonato com cinco pontos a mais que o vice-líder Santos. O Botafogo permanece em sétimo lugar, com 15.

No jogo entre Botafogo e Palmeiras, o árbitro paranaense Paulo Roberto Alves Junior aplicou cartão amarelo ao atacante alviverde Deyverson por simulação dentro da área e determinou o reinício da partida. Na alegação do clube carioca, após a reposição da bola pelo goleiro paraguaio Gatito Fernández, o juiz interrompeu o jogo para consultar o VAR e analisar as imagens da jogada anterior. Alertado pelo árbitro de vídeo, Paulo Roberto voltou atrás e marcou o pênalti a favor do Palmeiras, que venceu por 1 a 0.

No pedido de impugnação, o Botafogo alegou erro de direito se baseando na regra 5 da Fifa e no protocolo 8.12 do VAR, que diz que a decisão do árbitro não pode ser alterada após o reinício da partida. Entretanto, para o STJD, não houve irregularidade na marcação.

No julgamento desta terça-feira, Paulo Roberto Alves Junior prestou depoimento pessoalmente em Salvador. Já o árbitro de vídeo Adriano Milczvski falou por videoconferência. Ambos negaram que o juiz tenha apitado para o reinício da partida. Áudios da conversa entre eles durante o momento de revisão do lance foram ouvidos no julgamento.

Os nove votos foram de Decio Neuhaus (relator), Otávio Noronha (vice-presidente do STJD), Ronaldo Piacente (vice-presidente administrativo), João Bosco Luz (auditor), José Perdiz (auditor), Mauro Marcelo de Lima e Silva (auditor), Arlete Mesquita (auditora), Antônio Vanderler (auditor) e Paulo César Salomão Filho (presidente do STJD).

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;