Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 18 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Dolár abre semana em alta e vai a R$ 3,88 em meio à cautela com cena política

Arquivo/Agência Brasil Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


10/06/2019 | 18:15


A segunda-feira, 10, começou com os investidores comprando dólares no mercado de câmbio, temendo os danos do vazamento de supostas conversas entre o então juiz da operação Lava Jato, agora ministro da Justiça, Sergio Moro, e procuradores do Ministério Público (MP). Mas o movimento perdeu força e a moeda americana reduziu a alta e passou a tarde operando perto da estabilidade, com a visão nas mesas de que as reformas econômicas de Jair Bolsonaro podem não ser comprometidas e a Previdência vai avançar. O dólar à vista fechou em leve alta de 0,18%, a R$ 3,8838.

O volume de negócios foi fraco, 30% abaixo de um dia normal, segundo operadores, por conta do calendário esvaziado de eventos desta segunda-feira e a expectativa pela agenda dos próximos dias. Os dois mais aguardados são nesta terça-feira (11), com a votação do pedido de crédito suplementar do governo, e na quinta-feira (13) a apresentação do relatório da comissão especial sobre a reforma da Previdência. Na máxima, pela manhã, a moeda americana chegou bem perto dos R$ 3,90 (R$ 3,8994).

"O mercado abriu comprando dólares, com o temor da repercussão das notícias envolvendo Moro", destaca o responsável pela área de câmbio da Terra Investimentos, Vanei Nagem. Ao longo do dia, quando aumentou a percepção de que o impacto é pequeno, principalmente na Previdência, o movimento de compra perdeu força, ressalta ele. O exterior positivo, com alta das bolsas em Nova York, e queda do dólar ante alguns emergentes, como México, Turquia e África do Sul, também contribuiu para reduzir a valorização da moeda americana aqui. O dólar, porém, subiu ante divisas fortes.

O cientista político Luciano Dias, da CAC Consultoria Política, avalia que, considerando o que foi conhecido até agora, é neutro o impacto político do vazamento, na medida em que não trazem nada de novo e não há citação de políticos do Congresso ou menções a Jair Bolsonaro. "Pode parecer escandaloso, mas não é nada de novo", disse ele, destacando que era evidente que havia algum tipo de coordenação entre os juristas envolvidos na Lava Jato. Na mesma linha, a consultoria norte-americana de risco político Eurasia avalia que os vazamentos têm impacto na Operação Lava Jato e nas propostas de Moro, mas não na agenda de reformas nem no timing de aprovação da Previdência.

No exterior, o acordo comercial entre o México e a Casa Branca e a possibilidade de avanço nas conversas de Washington com a China ajudaram a elevar a procura por rentabilidade em emergentes. "O anúncio do acordo apoiou a busca por ativos de risco", afirmam os estrategistas do grupo financeiro holandês ING. "O acordo aumenta a expectativa de que o presidente Donald Trump e o chinês Xi Jinping possam encontrar espaço para diálogo na reunião do G-20 no Japão."



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Dolár abre semana em alta e vai a R$ 3,88 em meio à cautela com cena política


10/06/2019 | 18:15


A segunda-feira, 10, começou com os investidores comprando dólares no mercado de câmbio, temendo os danos do vazamento de supostas conversas entre o então juiz da operação Lava Jato, agora ministro da Justiça, Sergio Moro, e procuradores do Ministério Público (MP). Mas o movimento perdeu força e a moeda americana reduziu a alta e passou a tarde operando perto da estabilidade, com a visão nas mesas de que as reformas econômicas de Jair Bolsonaro podem não ser comprometidas e a Previdência vai avançar. O dólar à vista fechou em leve alta de 0,18%, a R$ 3,8838.

O volume de negócios foi fraco, 30% abaixo de um dia normal, segundo operadores, por conta do calendário esvaziado de eventos desta segunda-feira e a expectativa pela agenda dos próximos dias. Os dois mais aguardados são nesta terça-feira (11), com a votação do pedido de crédito suplementar do governo, e na quinta-feira (13) a apresentação do relatório da comissão especial sobre a reforma da Previdência. Na máxima, pela manhã, a moeda americana chegou bem perto dos R$ 3,90 (R$ 3,8994).

"O mercado abriu comprando dólares, com o temor da repercussão das notícias envolvendo Moro", destaca o responsável pela área de câmbio da Terra Investimentos, Vanei Nagem. Ao longo do dia, quando aumentou a percepção de que o impacto é pequeno, principalmente na Previdência, o movimento de compra perdeu força, ressalta ele. O exterior positivo, com alta das bolsas em Nova York, e queda do dólar ante alguns emergentes, como México, Turquia e África do Sul, também contribuiu para reduzir a valorização da moeda americana aqui. O dólar, porém, subiu ante divisas fortes.

O cientista político Luciano Dias, da CAC Consultoria Política, avalia que, considerando o que foi conhecido até agora, é neutro o impacto político do vazamento, na medida em que não trazem nada de novo e não há citação de políticos do Congresso ou menções a Jair Bolsonaro. "Pode parecer escandaloso, mas não é nada de novo", disse ele, destacando que era evidente que havia algum tipo de coordenação entre os juristas envolvidos na Lava Jato. Na mesma linha, a consultoria norte-americana de risco político Eurasia avalia que os vazamentos têm impacto na Operação Lava Jato e nas propostas de Moro, mas não na agenda de reformas nem no timing de aprovação da Previdência.

No exterior, o acordo comercial entre o México e a Casa Branca e a possibilidade de avanço nas conversas de Washington com a China ajudaram a elevar a procura por rentabilidade em emergentes. "O anúncio do acordo apoiou a busca por ativos de risco", afirmam os estrategistas do grupo financeiro holandês ING. "O acordo aumenta a expectativa de que o presidente Donald Trump e o chinês Xi Jinping possam encontrar espaço para diálogo na reunião do G-20 no Japão."

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;