Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 19 de Junho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Talude de mina tem deslocamento diário de até 18 cm, diz ANM

 Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Previsão era de que o talude desmoronaria entre o último dia 19 e este fim de semana



25/05/2019 | 12:32


O talude da mina de Gongo Soco da mineradora Vale em Barão de Cocais (MG) passou a se movimentar 18 centímetros por dia em pontos mais críticos, e 14,1 centímetros por dia em sua porção inferior, segundo relatório divulgado na manhã deste sábado, 24, pela ANM (Agência Nacional de Mineração).

A Vale acionou as autoridades acerca da movimentação do talude no último dia 13, quando a movimentação era de 4 centímetros por dia - a previsão anunciada pela companhia era de que o talude desmoronaria entre o último dia 19 e este fim de semana.

Na segunda-feira, 20, porém, o secretário de Estado de Meio Ambiente, Germano Vieira, afirmou que o talude vai se romper, mas que isso poderia ocorrer também depois do prazo previsto.

O principal risco do desmoronamento do talude é que, ao ruir, para dentro da cava da mina, provoque abalo sísmico com intensidade suficiente para romper a barragem Sul Superior, que está 1,5 quilômetro da mina. A estrutura já passa por problemas de sustentação. Em 22 de abril, teve alerta de estabilidade elevado a 3, o mais alto da escala, que significa rompimento iminente.

Caso se rompa, a lama da barragem atingirá três municípios, conforme estudo de impacto da Vale: Barão de Cocais, Santa Bárbara e São Gonçalo do Rio Abaixo. Um muro de contenção está sendo erguido entre a estrutura e Barão de Cocais, para tentar reter a lama, caso a barragem se rompa.

Vale

Em nota divulgada nesta sexta-feira, 24, a Vale reforçou que adotou todas as medidas preventivas em Barão de Cocais, desde 8 de fevereiro, com o objetivo de assegurar a segurança dos moradores da região.

"Além da retirada preventiva dos moradores da Zona de Autossalvamento, a Vale apoiou as autoridades na realização de simulados e na preparação das comunidades para todos os possíveis cenários, com equipes de prontidão permanentemente. Tanto o talude da mina de Gongo Soco como a Barragem Sul Superior estão sendo monitorados 24 horas por dia e as previsões sobre deslocamento de parte do talude, revistas diariamente", informou a empresa.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Talude de mina tem deslocamento diário de até 18 cm, diz ANM

Previsão era de que o talude desmoronaria entre o último dia 19 e este fim de semana


25/05/2019 | 12:32


O talude da mina de Gongo Soco da mineradora Vale em Barão de Cocais (MG) passou a se movimentar 18 centímetros por dia em pontos mais críticos, e 14,1 centímetros por dia em sua porção inferior, segundo relatório divulgado na manhã deste sábado, 24, pela ANM (Agência Nacional de Mineração).

A Vale acionou as autoridades acerca da movimentação do talude no último dia 13, quando a movimentação era de 4 centímetros por dia - a previsão anunciada pela companhia era de que o talude desmoronaria entre o último dia 19 e este fim de semana.

Na segunda-feira, 20, porém, o secretário de Estado de Meio Ambiente, Germano Vieira, afirmou que o talude vai se romper, mas que isso poderia ocorrer também depois do prazo previsto.

O principal risco do desmoronamento do talude é que, ao ruir, para dentro da cava da mina, provoque abalo sísmico com intensidade suficiente para romper a barragem Sul Superior, que está 1,5 quilômetro da mina. A estrutura já passa por problemas de sustentação. Em 22 de abril, teve alerta de estabilidade elevado a 3, o mais alto da escala, que significa rompimento iminente.

Caso se rompa, a lama da barragem atingirá três municípios, conforme estudo de impacto da Vale: Barão de Cocais, Santa Bárbara e São Gonçalo do Rio Abaixo. Um muro de contenção está sendo erguido entre a estrutura e Barão de Cocais, para tentar reter a lama, caso a barragem se rompa.

Vale

Em nota divulgada nesta sexta-feira, 24, a Vale reforçou que adotou todas as medidas preventivas em Barão de Cocais, desde 8 de fevereiro, com o objetivo de assegurar a segurança dos moradores da região.

"Além da retirada preventiva dos moradores da Zona de Autossalvamento, a Vale apoiou as autoridades na realização de simulados e na preparação das comunidades para todos os possíveis cenários, com equipes de prontidão permanentemente. Tanto o talude da mina de Gongo Soco como a Barragem Sul Superior estão sendo monitorados 24 horas por dia e as previsões sobre deslocamento de parte do talude, revistas diariamente", informou a empresa.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;