Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 23 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Bivar tenta anular atritos e pede que políticos do PSL não sejam reféns das redes

Marcelo Camargo/Agência Brasil Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


21/05/2019 | 11:18


O presidente do PSL, Luciano Bivar, relatou estar agindo na tentativa de resolver atritos entre políticos do partido que discutiram publicamente nos últimos dias. Nesta terça-feira, 21, em entrevista no gabinete da liderança da legenda na Câmara, ele fez um apelo para que políticos do PSL deixem de ser "reféns" das redes sociais.

"A gente não pode ficar com os sapatos pequenos quando os pés estão crescendo porque, se não trocar os sapatos, os dedos vão aparecer", declarou Bivar, em relação às brigas internas no partido, que tem 56 deputados e quatro senadores.

As deputadas Joice Hasselmann e Carla Zambelli, ambas do PSL de São Paulo, discutiram publicamente por causa da medida provisória da reforma administrativa. "A Carla é uma militante, então ela é muito refém das suas redes sociais. A Joice tem uma responsabilidade que transpassa a Carla que é de viabilizar as reformas que o governo precisa. Então são detalhes que precisam ser afinados agora", disse Bivar.

Além disso, o presidente da sigla vai intermediar nesta terça uma conversa entre o ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, e a senadora Soraya Thronicke (PSL-MG), que criticou Onyx e o DEM por não agirem, de acordo com ela, para defender o governo no Congresso. "Ela vai dizer que não é bem aquilo que ela falou", declarou Bivar.

O presidente do PSL afirmou que o fato de políticos da legenda cederem aos apelos das redes sociais dificulta a governabilidade de Bolsonaro. "Dificulta porque nem sempre as redes sociais têm o sentimento do que é o jogo político, no bom sentido, e para que a gente viabilize alguma coisa a gente não pode botar no julgo popular." Para ele, os políticos do PSL precisam agora ter "tecnicidade" ao invés de ceder à onda das redes sociais.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Bivar tenta anular atritos e pede que políticos do PSL não sejam reféns das redes


21/05/2019 | 11:18


O presidente do PSL, Luciano Bivar, relatou estar agindo na tentativa de resolver atritos entre políticos do partido que discutiram publicamente nos últimos dias. Nesta terça-feira, 21, em entrevista no gabinete da liderança da legenda na Câmara, ele fez um apelo para que políticos do PSL deixem de ser "reféns" das redes sociais.

"A gente não pode ficar com os sapatos pequenos quando os pés estão crescendo porque, se não trocar os sapatos, os dedos vão aparecer", declarou Bivar, em relação às brigas internas no partido, que tem 56 deputados e quatro senadores.

As deputadas Joice Hasselmann e Carla Zambelli, ambas do PSL de São Paulo, discutiram publicamente por causa da medida provisória da reforma administrativa. "A Carla é uma militante, então ela é muito refém das suas redes sociais. A Joice tem uma responsabilidade que transpassa a Carla que é de viabilizar as reformas que o governo precisa. Então são detalhes que precisam ser afinados agora", disse Bivar.

Além disso, o presidente da sigla vai intermediar nesta terça uma conversa entre o ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, e a senadora Soraya Thronicke (PSL-MG), que criticou Onyx e o DEM por não agirem, de acordo com ela, para defender o governo no Congresso. "Ela vai dizer que não é bem aquilo que ela falou", declarou Bivar.

O presidente do PSL afirmou que o fato de políticos da legenda cederem aos apelos das redes sociais dificulta a governabilidade de Bolsonaro. "Dificulta porque nem sempre as redes sociais têm o sentimento do que é o jogo político, no bom sentido, e para que a gente viabilize alguma coisa a gente não pode botar no julgo popular." Para ele, os políticos do PSL precisam agora ter "tecnicidade" ao invés de ceder à onda das redes sociais.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;