Fechar
Publicidade

Domingo, 5 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Em disputa acirrada com moderados, Netanyahu tenta hoje quinto mandato



09/04/2019 | 07:00


Os israelenses escolhem nesta terça-feira, 9, entre o primeiro-ministro, Binyamin Netanyahu, e o general Benny Gantz. O premiê é um velho conhecido. Está há dez anos no poder e vem se aproximando mais dos conservadores religiosos. Gantz é um novato, sem experiência política, que adotou um tom moderado para mostrar que é diferente do rival.

Gantz lançou sua candidatura em fevereiro. Desde então, acusa Netanyahu de dividir os israelenses e fala mais em "unificar" o país do que apresenta propostas concretas. "Não há mais direita e esquerda", diz o jingle do general. "Agradeço ao premiê Netanyahu pelos dez anos de serviços prestados. Daqui para frente, é conosco."

Gantz fala em devolver aos palestinos áreas ocupadas por Israel, embora fuja do tema quando o assunto é uma Palestina independente. Pode não parecer muito, mas é o suficiente para se distanciar da política de Netanyahu, que no sábado defendeu a anexação de partes da Cisjordânia. "Gantz rejeita a ideia de anexação de partes da Cisjordânia. Seu grupo político acredita que isso colocaria em risco o caráter judeu e democrático do Estado de Israel", diz Yaakov Lappin, analista do Centro de Estudos Estratégicos Begin-Sadat, da Bar-Ilan University.

Outra plataforma de Gantz é impor um limite de mandatos ao primeiro-ministro - Netanyahu, se for eleito, começará um quinto mandato e poderia ser o premiê que governou Israel por mais tempo (governou de 1996 a 1999 e começou o período atual em 2009). Ultrapassaria assim Ben Gurion, espécie de patriarca do Estado.

O Azul e Branco, partido fundado recentemente por Gantz, defende ainda duas medidas que desagradam aos religiosos: menos restrições para o funcionamento do transporte público durante o shabat (sábado sagrado de descanso no judaísmo) e a regularização do casamento civil - em Israel, o casamento religioso é o único que tem validade, o que dificulta o divórcio e dá muito poder aos rabinos em questões como pensões, herança e adoção.

O perfil de Gantz, orgulhoso da ação militar última guerra em Gaza, em 2014 - que deixou 73 israelenses e 2.189 palestinos mortos, segundo a ONU - seria desprezado pelos eleitores de centro-esquerda, não fosse um detalhe: judeus moderados, seculares ou socialistas aceitam hipotecar apoio ao general não pelo que ele é, mas pelo que ele não é, Netanyahu.

Depois de tanto tempo no poder, o primeiro-ministro vem sofrendo um desgaste natural. Ele enfrenta três investigações que envolvem suborno, fraude e quebra de confiança. Há ainda um quarto escândalo, ainda mais grave: Netanyahu admitiu ter autorizado a venda de submarinos avançados para o Egito sem consultar o Ministério da Defesa, o que críticos dizem que poderia ser enquadrado como "crime de traição". "A estratégia de Netanyahu é atacar a imprensa, a Suprema Corte e o procurador-geral. Gantz tem buscado se opor ao negativismo", afirma Gideon Rahat, cientista político da Universidade Hebraica de Jerusalém.

Pesquisas

Pesquisas apontam um empate entre Gantz e Netanyahu. Os dois têm cerca de 25% dos votos e poderiam obter 30 deputados cada um, de um total de 120 no Parlamento. O próximo primeiro-ministro, no entanto, será quem conseguir formar uma coalizão que inclui os pequenos partidos.

Quando considerados os dois grandes blocos políticos, a chamada "direita religiosa", de Netanyahu, estaria à frente com 65 cadeiras, ainda segundo as sondagens. A centro-esquerda, alinhada a Gantz, faria 55 deputados. É possível que a apuração dos votos seja divulgada hoje, mas o nome do novo premiê ainda leve dias para ser conhecido.

Uma cláusula de barreira de 3,25% dos votos pode eliminar do Parlamento pequenos partidos, tanto à direita quanto à esquerda, embaralhando os cálculos. Além disso, a decisão do presidente de Israel, Reuven Rivlin, precisa escolher entre Gantz e Netanyahu quem terá a prerrogativa de formar o governo primeiro. Rivlin e Netanyahu se detestam. Se a prerrogativa couber a Gantz, ele pode atrair um ou mais partidos conservadores e se tornar primeiro-ministro.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;