Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 20 de Setembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Militantes e apoiadores se aglomeram no cemitério à espera de Lula

Júnior Carvalho/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Júnior Carvalho
Do Diário do Grande ABC

02/03/2019 | 12:14


Centenas de militantes do PT de várias regiões do Estado e apoiadores do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) foram ao velório do sexto neto do ex-presidente, Arthur Araújo Lula da Silva, 7 anos, e se aglomeraram na entrada e até dentro do Cemitério Jardim da Colina, em São Bernardo, na esperança de ver o petista e ouvi-lo discursar.

O cemitério e o entorno do local estavam sob forte esquema de segurança, com vários policiais militares, alguns munidos de fuzil, viaturas e agentes da Polícia Federal.

Lula está preso desde abril de 2018. Ele foi condenado em duas instâncias, a 12 anos de prisão, por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso do triplex do Guarujá.

A entrada principal do cemitério estava fechada para o público, mas, por volta das 11h30, alguns apoiadores que aguardavam no portão foram autorizados a entrar. A presença na capela onde ocorria a cerimônia, no entanto, foi proibida. A imprensa também não foi autorizada a entrar. A equipe de reportagem do Diário conseguiu acessar as dependências do cemitério, onde simpatizantes anônimos se misturavam com lideranças do partido, como o ex-deputado federal José Genoino.

Dentro do cemitério, apoiadores cantavam o refrão de Pra Não Dizer Que Não Falei das Flores, clássica canção de Geraldo Vandré marcada como protesto à ditadura militar. Também se manifestavam aos gritos de “Lula livre” e “queremos ver o Lula”. Por volta das 12h, o presidente do Instituto Lula, Paulo Okamotto, fez breve pronunciamento e pediu compreensão e silêncio. “O presidente saiu (da prisão) com a condição de não falar nada e ter de ficar em local fechado”, disse, ao lado da presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann.

“Vim dar apoio, porque ele (Lula) tem que saber que a gente está com ele. É uma tristeza tão grande ele ter que passar por isso, sair da prisão só para vir ao velório do neto”, lamentou a pesquisadora Irene Oliveira, 55, militante do PT paulistano.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Militantes e apoiadores se aglomeram no cemitério à espera de Lula

Júnior Carvalho
Do Diário do Grande ABC

02/03/2019 | 12:14


Centenas de militantes do PT de várias regiões do Estado e apoiadores do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) foram ao velório do sexto neto do ex-presidente, Arthur Araújo Lula da Silva, 7 anos, e se aglomeraram na entrada e até dentro do Cemitério Jardim da Colina, em São Bernardo, na esperança de ver o petista e ouvi-lo discursar.

O cemitério e o entorno do local estavam sob forte esquema de segurança, com vários policiais militares, alguns munidos de fuzil, viaturas e agentes da Polícia Federal.

Lula está preso desde abril de 2018. Ele foi condenado em duas instâncias, a 12 anos de prisão, por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso do triplex do Guarujá.

A entrada principal do cemitério estava fechada para o público, mas, por volta das 11h30, alguns apoiadores que aguardavam no portão foram autorizados a entrar. A presença na capela onde ocorria a cerimônia, no entanto, foi proibida. A imprensa também não foi autorizada a entrar. A equipe de reportagem do Diário conseguiu acessar as dependências do cemitério, onde simpatizantes anônimos se misturavam com lideranças do partido, como o ex-deputado federal José Genoino.

Dentro do cemitério, apoiadores cantavam o refrão de Pra Não Dizer Que Não Falei das Flores, clássica canção de Geraldo Vandré marcada como protesto à ditadura militar. Também se manifestavam aos gritos de “Lula livre” e “queremos ver o Lula”. Por volta das 12h, o presidente do Instituto Lula, Paulo Okamotto, fez breve pronunciamento e pediu compreensão e silêncio. “O presidente saiu (da prisão) com a condição de não falar nada e ter de ficar em local fechado”, disse, ao lado da presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann.

“Vim dar apoio, porque ele (Lula) tem que saber que a gente está com ele. É uma tristeza tão grande ele ter que passar por isso, sair da prisão só para vir ao velório do neto”, lamentou a pesquisadora Irene Oliveira, 55, militante do PT paulistano.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;