Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 29 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Turismo

turismo@dgabc.com.br | 4435-8367

Caverna do Diabo em 3D

Divulgação Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Digitalização de gruta vai permitir visitação virtual do local, situado em Eldorado, no Vale do Ribeira


Soraia Abreu Pedrozo
Do Diário do Grande ABC

28/02/2019 | 07:20


O nome pode até assustar, num primeiro momento, mas a verdade é que a Caverna do Diabo guarda cenário surreal, repleto de estalactites, nome dado às formações rochosas milenares que pendem do teto na forma de cones pontudos. Ao entrar na gruta, que está entre as maiores do País, parece que somos transportados à filmagem da série Indiana Jones – em que personagem homônimo, arqueólogo, vive diversas aventuras nos mais diversos cenários inexplorados.

Descoberta em 1891 por Richard Krone, a caverna já foi usada por moradores de quilombos do entorno para guardar e preservar a colheita. Frequentemente, porém, eles encontravam seus estoques remexidos e espalhados para fora da gruta, ação de animais que ali viviam, mas que era interpretada como trabalho do Diabo. A lenda ganhou força devido ao barulho da água no interior da caverna, que era confundido com som de pessoas conversando – que estariam perdidas no local.

Hoje, a caverna é amplamente iluminada para admirar sua beleza e amplitude, além de descer as escadarias com corrimões em segurança. Situada em Eldorado, no Vale do Ribeira, a cerca de quatro horas e meia de Santo André, ela agora poderá ser visitada virtualmente também. Isso porque a gruta é a primeira do País a ser escaneada a laser, em três dimensões, para o uso turístico e conscientização ambiental. A ideia é levar o conhecimento àqueles que não conseguem visitar a caverna – ou não querem percorrer os 317 quilômetros de distância que separam o parque da região.

Embora conte com aproximadamente oito quilômetros de extensão, apenas 600 metros da Caverna do Diabo são abertos à visitação pública, a qual se leva em torno de uma hora e meia para percorrer, com o acompanhamento de monitor ambiental. E é justamente esse pedaço que será digitalizado. O estudo faz parte de projeto de pesquisa financiado pela Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo).

“A Gruta da Tapagem, como também é conhecida, é a maior caverna do Estado de São Paulo e uma das mais belas do Brasil. Ela impressiona pela imponência de suas formações e está totalmente preparada para receber o turista”, explica o secretário estadual de Infraestrutura e Meio Ambiente, Marcos Penido.

De acordo com o geólogo Carlos Henrique Grohmann, autor do estudo, o mapeamento, realizado em parceria com a Faro Brasil, é extremamente preciso e vai tornar acessível passeio virtual muito próximo da realidade por dentro das galerias. “Esse estudo é a maneira que encontrei de levar à população o acesso a esse verdadeiro patrimônio geológico que possuímos no Estado de São Paulo”, justifica.

Para o gestor do parque, Ives Arnone, é importante que existam diversas parcerias e linhas de pesquisas nas unidades de conservação. “Atualmente recebemos cerca de 40 mil visitantes por ano. Esse estudo é respeitável, pois consegue sair da academia e leva ao público em geral mais conhecimento sobre o parque”, diz.

Confira vídeo preliminar em https://www.youtube.com/watch?v=m2YZiTzs0yY&app=desktop. Quem quiser desbravar pessoalmente a caverna, basta escrever para pe.cavernadiabo@fflorestal.sp.gov.br para saber valores dos ingressos.


NATUREZA - A gruta está no Parque Estadual Caverna do Diabo, criado em fevereiro de 2008, e que integra o Mosaico de Unidades de Conservação do Jacupiranga, sob gestão da Fundação Florestal do Estado de São Paulo. Com área superior a 40 mil hectares, é repleto de rios, cachoeiras, mirantes e trilhas que abrangem os municípios de Barra do Turvo, Cajati, Eldorado e Iporanga.

A região é considerada patrimônio natural da humanidade pela Unesco, devido ao fato de possuir a maior porção de Mata Atlântica do Brasil. Além da exuberância natural, a área também é rica culturalmente, devido à presença de comunidades indígenas, caiçaras e quilombolas.
 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Caverna do Diabo em 3D

Digitalização de gruta vai permitir visitação virtual do local, situado em Eldorado, no Vale do Ribeira

Soraia Abreu Pedrozo
Do Diário do Grande ABC

28/02/2019 | 07:20


O nome pode até assustar, num primeiro momento, mas a verdade é que a Caverna do Diabo guarda cenário surreal, repleto de estalactites, nome dado às formações rochosas milenares que pendem do teto na forma de cones pontudos. Ao entrar na gruta, que está entre as maiores do País, parece que somos transportados à filmagem da série Indiana Jones – em que personagem homônimo, arqueólogo, vive diversas aventuras nos mais diversos cenários inexplorados.

Descoberta em 1891 por Richard Krone, a caverna já foi usada por moradores de quilombos do entorno para guardar e preservar a colheita. Frequentemente, porém, eles encontravam seus estoques remexidos e espalhados para fora da gruta, ação de animais que ali viviam, mas que era interpretada como trabalho do Diabo. A lenda ganhou força devido ao barulho da água no interior da caverna, que era confundido com som de pessoas conversando – que estariam perdidas no local.

Hoje, a caverna é amplamente iluminada para admirar sua beleza e amplitude, além de descer as escadarias com corrimões em segurança. Situada em Eldorado, no Vale do Ribeira, a cerca de quatro horas e meia de Santo André, ela agora poderá ser visitada virtualmente também. Isso porque a gruta é a primeira do País a ser escaneada a laser, em três dimensões, para o uso turístico e conscientização ambiental. A ideia é levar o conhecimento àqueles que não conseguem visitar a caverna – ou não querem percorrer os 317 quilômetros de distância que separam o parque da região.

Embora conte com aproximadamente oito quilômetros de extensão, apenas 600 metros da Caverna do Diabo são abertos à visitação pública, a qual se leva em torno de uma hora e meia para percorrer, com o acompanhamento de monitor ambiental. E é justamente esse pedaço que será digitalizado. O estudo faz parte de projeto de pesquisa financiado pela Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo).

“A Gruta da Tapagem, como também é conhecida, é a maior caverna do Estado de São Paulo e uma das mais belas do Brasil. Ela impressiona pela imponência de suas formações e está totalmente preparada para receber o turista”, explica o secretário estadual de Infraestrutura e Meio Ambiente, Marcos Penido.

De acordo com o geólogo Carlos Henrique Grohmann, autor do estudo, o mapeamento, realizado em parceria com a Faro Brasil, é extremamente preciso e vai tornar acessível passeio virtual muito próximo da realidade por dentro das galerias. “Esse estudo é a maneira que encontrei de levar à população o acesso a esse verdadeiro patrimônio geológico que possuímos no Estado de São Paulo”, justifica.

Para o gestor do parque, Ives Arnone, é importante que existam diversas parcerias e linhas de pesquisas nas unidades de conservação. “Atualmente recebemos cerca de 40 mil visitantes por ano. Esse estudo é respeitável, pois consegue sair da academia e leva ao público em geral mais conhecimento sobre o parque”, diz.

Confira vídeo preliminar em https://www.youtube.com/watch?v=m2YZiTzs0yY&app=desktop. Quem quiser desbravar pessoalmente a caverna, basta escrever para pe.cavernadiabo@fflorestal.sp.gov.br para saber valores dos ingressos.


NATUREZA - A gruta está no Parque Estadual Caverna do Diabo, criado em fevereiro de 2008, e que integra o Mosaico de Unidades de Conservação do Jacupiranga, sob gestão da Fundação Florestal do Estado de São Paulo. Com área superior a 40 mil hectares, é repleto de rios, cachoeiras, mirantes e trilhas que abrangem os municípios de Barra do Turvo, Cajati, Eldorado e Iporanga.

A região é considerada patrimônio natural da humanidade pela Unesco, devido ao fato de possuir a maior porção de Mata Atlântica do Brasil. Além da exuberância natural, a área também é rica culturalmente, devido à presença de comunidades indígenas, caiçaras e quilombolas.
 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;