Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 13 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Pastor é expulso de igreja evangélica de S.Bernardo por rejeitar Bolsonaro

Danilo Bernassi declarou voto para Cabo Daciolo, foi repreendido e desligado da direção da instituição religiosa


Daniel Tossato
Do dgabc.com.br

06/10/2018 | 15:48


Pastor da Igreja Renascer em Cristo foi expulso por declarar voto no presidenciável Cabo Daciolo (Patriota), em vez de apoiar o candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro, como defendia a direção da instituição religiosa.

Danilo Bernassi mora em São Bernardo e foi comunicado da decisão na terça-feira. “Jesus foi morto pelo império romano ou seja pela política. Não se pode misturar política com religião”, reclamou o religioso, que colocou foto de Daciolo em perfil pessoal do Twitter, dizendo que votaria no candidato. “Alguém da Igreja Renascer deve ter visto e não gostou da publicação”, comentou.

O pastor contou que costuma conversar com jovens que frequentam a igreja toda a semana. Mas, desta vez, foi chamado pelo bispo Phillip Guimarães. Segundo Bernassi, ele pergutou o que estava acontecendo e o que queria dizer aquela publicação. “Ele simplesmente disse que era para eu apoiar o Bolsonaro e não outro candidato. Eu neguei. Me identifico muito mais com o Cabo Daciolo e é pra ele que vou continuar fazendo campanha”, disse.

Com a negativa, Guimarães decidiu desligar o pastor da igreja na mesma hora. Bernassi nem consegui realizar a pregação para os jovens que o aguardavam naquele dia. “A igreja não tem que se envolver com política. Não é porque é com o Bolsonaro. Eu ficaria bravo se fosse com qualquer político”, afirmou o pastor. “Só que Bolsonaro é homofóbico e racista. Ele não condiz com os valores cristãos”, apontou.

Bernassi mora na comunidade do DER, em São Bernardo, e se comentou estar preocupado com a eleição de Bolsonaro, já que o presidenciável é favorável a facilitar o acesso ao posse de armas. Bernassi tem como lema “bandido bom é bandido salvo e não morto”. Apesar de ter sido expulso da igreja, o pastor revelou que não irá deixar o evangelho e continuará orando para que as coisas possam se resolver. “Se a porta de um templo se fechou, outras abrirão”, comentou ele, em tom profético.

Phillip Guimarães não retornou aos contatos da equipe do dgabc.com.br.
 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Pastor é expulso de igreja evangélica de S.Bernardo por rejeitar Bolsonaro

Danilo Bernassi declarou voto para Cabo Daciolo, foi repreendido e desligado da direção da instituição religiosa

Daniel Tossato
Do dgabc.com.br

06/10/2018 | 15:48


Pastor da Igreja Renascer em Cristo foi expulso por declarar voto no presidenciável Cabo Daciolo (Patriota), em vez de apoiar o candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro, como defendia a direção da instituição religiosa.

Danilo Bernassi mora em São Bernardo e foi comunicado da decisão na terça-feira. “Jesus foi morto pelo império romano ou seja pela política. Não se pode misturar política com religião”, reclamou o religioso, que colocou foto de Daciolo em perfil pessoal do Twitter, dizendo que votaria no candidato. “Alguém da Igreja Renascer deve ter visto e não gostou da publicação”, comentou.

O pastor contou que costuma conversar com jovens que frequentam a igreja toda a semana. Mas, desta vez, foi chamado pelo bispo Phillip Guimarães. Segundo Bernassi, ele pergutou o que estava acontecendo e o que queria dizer aquela publicação. “Ele simplesmente disse que era para eu apoiar o Bolsonaro e não outro candidato. Eu neguei. Me identifico muito mais com o Cabo Daciolo e é pra ele que vou continuar fazendo campanha”, disse.

Com a negativa, Guimarães decidiu desligar o pastor da igreja na mesma hora. Bernassi nem consegui realizar a pregação para os jovens que o aguardavam naquele dia. “A igreja não tem que se envolver com política. Não é porque é com o Bolsonaro. Eu ficaria bravo se fosse com qualquer político”, afirmou o pastor. “Só que Bolsonaro é homofóbico e racista. Ele não condiz com os valores cristãos”, apontou.

Bernassi mora na comunidade do DER, em São Bernardo, e se comentou estar preocupado com a eleição de Bolsonaro, já que o presidenciável é favorável a facilitar o acesso ao posse de armas. Bernassi tem como lema “bandido bom é bandido salvo e não morto”. Apesar de ter sido expulso da igreja, o pastor revelou que não irá deixar o evangelho e continuará orando para que as coisas possam se resolver. “Se a porta de um templo se fechou, outras abrirão”, comentou ele, em tom profético.

Phillip Guimarães não retornou aos contatos da equipe do dgabc.com.br.
 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;