Fechar
Publicidade

Domingo, 15 de Setembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Doria mantém time de advogados para monitorar conteúdo online

Beto Barata/PR/EBC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


13/08/2018 | 08:03


Candidato do PSDB ao governo paulista, o ex-prefeito da capital João Doria mantém um grupo de advogados para monitorar e retirar das redes sociais conteúdo que considera ofensivo a ele ou que seja visto como propaganda antecipada de adversários políticos. Para coordenar essa frente, contratou o escritório do advogado Renato Opice Blum, pioneiro no direito digital brasileiro. Ao todo, são 20 profissionais focados nesse trabalho. Adversários falam em tentativa de censura.

Levantamento publicado ontem pelo Estado mostrou que o tucano apresentou neste ano à Justiça Eleitoral oito ações pedindo a retirada de conteúdo da internet, mas o número não inclui outras petições que estão em segredo de Justiça.

"Existem muito mais quadrilhas virtuais agora do que em 2014. São 20 vezes mais, e elas estão muito mais profissionais e com recursos", disse Blum. Há quatro anos, ele atuou na campanha presidencial de Aécio Neves e conseguiu remover diversos perfis considerados hostis ao tucano do Facebook.

Foco

Das oito ações, quatro envolvem páginas ligadas a apoiadores do governador Márcio França (PSB), que tentará a reeleição em outubro. Em outra petição de Doria, a Justiça determinou que o governo do Estado parasse de publicar suas ações nas páginas do Facebook e do Flickr.

Os advogados de Doria sustentaram que os vídeos de França assinando convênios de R$ 388 milhões para municípios, equipando a Polícia Civil com 83 viaturas e isenção de ICMS e IPVA para taxistas, configuram propaganda pessoal do governador. Os advogados também conseguiram liminares da Justiça para identificar quem está por trás de perfis anônimos usados supostamente para atacar a campanha de Doria.

Informações prestadas por empresas de telefonia indicaram que foram utilizadas mais de 60 conexões da Prefeitura de São Vicente, base eleitoral de França, para divulgar uma pesquisa benéfica ao governador, que foi barrada pela Justiça Eleitoral, na página "Com Márcio França SP Avança". Em nota, França afirmou que os motivos que levaram Doria a mover representações são "medo e ciúme", além do objetivo de atingir o candidato do PSDB à Presidência, Geraldo Alckmin.

Negativa

O deputado estadual Gustavo Petta (PCdoB) foi alvo de duas representações da equipe de Doria por suposta prática de propaganda eleitoral antecipada e negativa. Em uma delas, o juiz auxiliar da Propaganda Eleitoral do TRE-SP, Paulo Galizia, concedeu liminar para a retirada de duas postagens feitas no início deste mês no Facebook que diziam: "Quem conhece, rejeita! Não voto Doria" e "Se você quer avanço, não requente São Paulo. 45 nem no micro-ondas" (numa referência ao número do PSDB nas urnas). A multa estabelecida é de R$ 10 mil. Petta recorreu.

"Ele (Doria) está contratando os escritórios mais caros da cidade para impedir a liberdade de expressão nas redes sociais. Fico imaginando o que ele fará caso seja eleito", disse o deputado do PCdoB. Procurados, o Facebook e a campanha de Doria não se manifestaram. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Doria mantém time de advogados para monitorar conteúdo online


13/08/2018 | 08:03


Candidato do PSDB ao governo paulista, o ex-prefeito da capital João Doria mantém um grupo de advogados para monitorar e retirar das redes sociais conteúdo que considera ofensivo a ele ou que seja visto como propaganda antecipada de adversários políticos. Para coordenar essa frente, contratou o escritório do advogado Renato Opice Blum, pioneiro no direito digital brasileiro. Ao todo, são 20 profissionais focados nesse trabalho. Adversários falam em tentativa de censura.

Levantamento publicado ontem pelo Estado mostrou que o tucano apresentou neste ano à Justiça Eleitoral oito ações pedindo a retirada de conteúdo da internet, mas o número não inclui outras petições que estão em segredo de Justiça.

"Existem muito mais quadrilhas virtuais agora do que em 2014. São 20 vezes mais, e elas estão muito mais profissionais e com recursos", disse Blum. Há quatro anos, ele atuou na campanha presidencial de Aécio Neves e conseguiu remover diversos perfis considerados hostis ao tucano do Facebook.

Foco

Das oito ações, quatro envolvem páginas ligadas a apoiadores do governador Márcio França (PSB), que tentará a reeleição em outubro. Em outra petição de Doria, a Justiça determinou que o governo do Estado parasse de publicar suas ações nas páginas do Facebook e do Flickr.

Os advogados de Doria sustentaram que os vídeos de França assinando convênios de R$ 388 milhões para municípios, equipando a Polícia Civil com 83 viaturas e isenção de ICMS e IPVA para taxistas, configuram propaganda pessoal do governador. Os advogados também conseguiram liminares da Justiça para identificar quem está por trás de perfis anônimos usados supostamente para atacar a campanha de Doria.

Informações prestadas por empresas de telefonia indicaram que foram utilizadas mais de 60 conexões da Prefeitura de São Vicente, base eleitoral de França, para divulgar uma pesquisa benéfica ao governador, que foi barrada pela Justiça Eleitoral, na página "Com Márcio França SP Avança". Em nota, França afirmou que os motivos que levaram Doria a mover representações são "medo e ciúme", além do objetivo de atingir o candidato do PSDB à Presidência, Geraldo Alckmin.

Negativa

O deputado estadual Gustavo Petta (PCdoB) foi alvo de duas representações da equipe de Doria por suposta prática de propaganda eleitoral antecipada e negativa. Em uma delas, o juiz auxiliar da Propaganda Eleitoral do TRE-SP, Paulo Galizia, concedeu liminar para a retirada de duas postagens feitas no início deste mês no Facebook que diziam: "Quem conhece, rejeita! Não voto Doria" e "Se você quer avanço, não requente São Paulo. 45 nem no micro-ondas" (numa referência ao número do PSDB nas urnas). A multa estabelecida é de R$ 10 mil. Petta recorreu.

"Ele (Doria) está contratando os escritórios mais caros da cidade para impedir a liberdade de expressão nas redes sociais. Fico imaginando o que ele fará caso seja eleito", disse o deputado do PCdoB. Procurados, o Facebook e a campanha de Doria não se manifestaram. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;