Fechar
Publicidade

Sábado, 17 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Defesa do Consumidor

defesadoconsumidor@dgabc.com.br | 4435-8057

Consumidores recorrem à Justiça para resolver problemas com empresas


Kelly Zucatelli

09/08/2018 | 16:54


Nem sempre as dificuldades para resolver algum problema que se tenha na compra de um produto, a não entrega, a má prestação de serviço e outras situações que envolvem defesa do consumidor são resolvidos de maneira conciliadora, provocando que as pessoas parem nos tribunais. O Diário perguntou a seus leitores se eles já tiveram que acionar a Justiça para resolver esse tipo de questão. Dos 62 participantes na última semana, 32 disseram que sim.

O diretor do Procon de São Caetano, Marco Aurélio Sanches, detalha que muitas empresas, principalmente as de portes menores são alvos de processos por deixarem de dar o devido retorno para seus clientes, obrigando-os a tomar tal medida via Judiciário.

“Nossa orientação será sempre para que a pessoa recorra a uma unidade do Procon, pois o caso pode ser resolvido com mais rapidez, justamente por termos um contato direto com as pessoas especializadas em resolver esses casos dentro das empresas. Abrimos a reclamação e pedimos uma posição a partir da abertura do processo e eles são obrigados a dar uma resposta”, detalha o advogado.

O diretor da unidade detalha ainda que companhias grandes como de telefonia, serviços de TV a cabo e varejo estão mais preparadas e interessadas em resolver com maior brevidade os problemas. “Como as pessoas querem solucionar seus problemas elas procuram direto um advogado e ele logo a orienta a entrar com uma ação”, reforça Sanches.

Independentemente de como será a resolução do caso, é sempre necessário que o consumidor tenha documentos e protocolos que servirão de prova a seu fazer, seja num processo judicial ou numa conciliação intermediada pelo Procon da sua cidade.
 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;