Fechar
Publicidade

Domingo, 5 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Manuela, Haddad e Boulos pregam união e criticam "fascismo"

Fotos Públicas  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


29/03/2018 | 01:45


O ataque a tiros a ônibus da caravana do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no Paraná fez com que o ato de encerramento da viagem, ontem à noite, em Curitiba, fosse transformado em uma celebração de unidade da esquerda. Pré-candidatos à Presidência falaram em "fascismo" e discursaram contra o que chamaram de escalada de violência no processo eleitoral.

"Nós que amamos o Brasil e o povo brasileiro precisamos nos unir para derrotar o fascismo", disse a presidenciável do PCdoB, Manuela D?Ávila. "Temos que responsabilizar o senhor Jair Bolsonaro, bandido, criminoso, sem vergonha, que está semeando o fascismo no Brasil", afirmou o pré-candidato pelo PSOL, Guilherme Boulos.

O ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad, um dos mais aplaudidos, disse que o ato de encerramento da caravana deveria ser o início de uma "campanha" contra "fascistas". "Não me sinto no encerramento da caravana do ex-presidente Lula, mas no início de uma nova campanha para derrotar os fascistas", afirmou Haddad.

Além de líderes do PT, participaram do evento - realizado em uma praça no centro de Curitiba - representantes de PSOL, PCdoB, PSB e o senador Roberto Requião, do MDB.

Lula destoou do discurso de união da esquerda e falou como pré-candidato à Presidência. Ao comentar os ataques dos quais foi alvo no Sul, o ex-presidente disse que esses manifestantes "estão mais para fascistas e nazistas do que para democratas".

O senador Lindbergh Farias (PT-RJ) comparou a caravana à Coluna Prestes, também iniciada no Rio Grande do Sul. "É muito épica também. Não conseguiram parar a caravana. Lula se impôs", disse o senador petista.

Presidente nacional do PSOL, Juliano Medeiros sugeriu a criação de uma frente de esquerda para, segundo ele, barrar a escalada de violência na campanha eleitoral deste ano. "Hoje (ontem) é o dia em que a esquerda deixa de lado suas diferenças para reafirmar seu compromisso com a democracia", disse o dirigente, em discurso no ato.

Medeiros citou ainda o assassinato da vereadora do PSOL Marielle Franco, no Rio, como um desses episódios do que chamou de "escalada de violência política".



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Manuela, Haddad e Boulos pregam união e criticam "fascismo"


29/03/2018 | 01:45


O ataque a tiros a ônibus da caravana do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no Paraná fez com que o ato de encerramento da viagem, ontem à noite, em Curitiba, fosse transformado em uma celebração de unidade da esquerda. Pré-candidatos à Presidência falaram em "fascismo" e discursaram contra o que chamaram de escalada de violência no processo eleitoral.

"Nós que amamos o Brasil e o povo brasileiro precisamos nos unir para derrotar o fascismo", disse a presidenciável do PCdoB, Manuela D?Ávila. "Temos que responsabilizar o senhor Jair Bolsonaro, bandido, criminoso, sem vergonha, que está semeando o fascismo no Brasil", afirmou o pré-candidato pelo PSOL, Guilherme Boulos.

O ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad, um dos mais aplaudidos, disse que o ato de encerramento da caravana deveria ser o início de uma "campanha" contra "fascistas". "Não me sinto no encerramento da caravana do ex-presidente Lula, mas no início de uma nova campanha para derrotar os fascistas", afirmou Haddad.

Além de líderes do PT, participaram do evento - realizado em uma praça no centro de Curitiba - representantes de PSOL, PCdoB, PSB e o senador Roberto Requião, do MDB.

Lula destoou do discurso de união da esquerda e falou como pré-candidato à Presidência. Ao comentar os ataques dos quais foi alvo no Sul, o ex-presidente disse que esses manifestantes "estão mais para fascistas e nazistas do que para democratas".

O senador Lindbergh Farias (PT-RJ) comparou a caravana à Coluna Prestes, também iniciada no Rio Grande do Sul. "É muito épica também. Não conseguiram parar a caravana. Lula se impôs", disse o senador petista.

Presidente nacional do PSOL, Juliano Medeiros sugeriu a criação de uma frente de esquerda para, segundo ele, barrar a escalada de violência na campanha eleitoral deste ano. "Hoje (ontem) é o dia em que a esquerda deixa de lado suas diferenças para reafirmar seu compromisso com a democracia", disse o dirigente, em discurso no ato.

Medeiros citou ainda o assassinato da vereadora do PSOL Marielle Franco, no Rio, como um desses episódios do que chamou de "escalada de violência política".

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;