Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 14 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Região investe para fazer frente aos importados


Leone Farias
Do Diário do Grande ABC

31/07/2011 | 07:00


 

A enxurrada de importações de produtos manufaturados obriga as indústrias brasileiras a buscar formas de elevar a produtividade para enfrentar o aumento da concorrência. Na região, uma das empresas tradicionais do ramo de ferramentas e acessórios para pintura de parede, a Castor, de Diadema, investiu R$ 1 milhão na melhoria de seus processos de gestão e na aquisição de maquinários, com o objetivo de pincelar um cenário mais favorável.

O trabalho de melhoria da administração teve início em meados do ano passado, com a contratação de uma consultoria especializada, a ABS – que tem 30 anos de mercado – e, por meio de ações simples, como mudanças de layout da fábrica, controle mais rígido de estoques e instalação de quadros com indicadores, a fabricante conseguiu elevar em 22% a produtividade.

O programa trouxe ainda outros benefícios. “Tínhamos índice de 6% de desperdício, que caiu para 2% e agora está em 1,8%”, afirma o Leon Czarlinski, diretor da Castor. Além disso, houve a queda de até 90% na incidência de retrabalho e diminuição no volume de sucata. O executivo assinala que, nesse processo, o envolvimento dos 85 funcionários da empresa foi fundamental para que o objetivo fosse atingido.

Ele acrescenta que a melhora na gestão foi acompanhada pela modernização e ampliação do parque fabril. No ano passado, todas as prensas, por exemplo, foram trocadas e houve aquisições de nova máquina injetora e de seladoras, entre outros equipamentos. A meta foi duplicar a capacidade produtiva e obter crescimento de 25% no faturamento anual até o fim de 2011.

Com a ajuda dessas iniciativas, em 2010, a empresa atingiu esse ritmo de expansão e, neste ano, essa estimativa deve ser superada, avalia Czarlinski.

PORTFOLIO - O executivo acrescenta que a companhia também aposta na ampliação do mix de produtos – que incluem produtos de acabamento, como desempenadeiras de aço; itens de pintura (rolos, trinchas e extensores) e de efeitos decorativos (rolos de espuma texturizada e espátulas dentada também para textura). Atualmente são 160 itens, até o fim do ano, deverão ser 180 e, em 2012, esse número saltará para 230.

Somada a essa estratégia, a empresa estuda iniciar em 2012 a oferta de cursos para os profissionais do ramo, em parceria com as lojas e com escola do Senai.

CONCORRÊNCIA - Czarlinski cita que o câmbio atrapalha, ao dar melhores condições aos importadores. No entanto, para ele, a carga tributária é o principal entrave para a atividade. O Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços de São Paulo para seu produto tem alíquota de 18%. “Não competimos só com os importados. Do Rio Grande do Sul, os concorrentes trazem para São Paulo com 12% de ICMS, e lá dentro do Estado, a indústria paga só 3%.”

 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Região investe para fazer frente aos importados

Leone Farias
Do Diário do Grande ABC

31/07/2011 | 07:00


 

A enxurrada de importações de produtos manufaturados obriga as indústrias brasileiras a buscar formas de elevar a produtividade para enfrentar o aumento da concorrência. Na região, uma das empresas tradicionais do ramo de ferramentas e acessórios para pintura de parede, a Castor, de Diadema, investiu R$ 1 milhão na melhoria de seus processos de gestão e na aquisição de maquinários, com o objetivo de pincelar um cenário mais favorável.

O trabalho de melhoria da administração teve início em meados do ano passado, com a contratação de uma consultoria especializada, a ABS – que tem 30 anos de mercado – e, por meio de ações simples, como mudanças de layout da fábrica, controle mais rígido de estoques e instalação de quadros com indicadores, a fabricante conseguiu elevar em 22% a produtividade.

O programa trouxe ainda outros benefícios. “Tínhamos índice de 6% de desperdício, que caiu para 2% e agora está em 1,8%”, afirma o Leon Czarlinski, diretor da Castor. Além disso, houve a queda de até 90% na incidência de retrabalho e diminuição no volume de sucata. O executivo assinala que, nesse processo, o envolvimento dos 85 funcionários da empresa foi fundamental para que o objetivo fosse atingido.

Ele acrescenta que a melhora na gestão foi acompanhada pela modernização e ampliação do parque fabril. No ano passado, todas as prensas, por exemplo, foram trocadas e houve aquisições de nova máquina injetora e de seladoras, entre outros equipamentos. A meta foi duplicar a capacidade produtiva e obter crescimento de 25% no faturamento anual até o fim de 2011.

Com a ajuda dessas iniciativas, em 2010, a empresa atingiu esse ritmo de expansão e, neste ano, essa estimativa deve ser superada, avalia Czarlinski.

PORTFOLIO - O executivo acrescenta que a companhia também aposta na ampliação do mix de produtos – que incluem produtos de acabamento, como desempenadeiras de aço; itens de pintura (rolos, trinchas e extensores) e de efeitos decorativos (rolos de espuma texturizada e espátulas dentada também para textura). Atualmente são 160 itens, até o fim do ano, deverão ser 180 e, em 2012, esse número saltará para 230.

Somada a essa estratégia, a empresa estuda iniciar em 2012 a oferta de cursos para os profissionais do ramo, em parceria com as lojas e com escola do Senai.

CONCORRÊNCIA - Czarlinski cita que o câmbio atrapalha, ao dar melhores condições aos importadores. No entanto, para ele, a carga tributária é o principal entrave para a atividade. O Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços de São Paulo para seu produto tem alíquota de 18%. “Não competimos só com os importados. Do Rio Grande do Sul, os concorrentes trazem para São Paulo com 12% de ICMS, e lá dentro do Estado, a indústria paga só 3%.”

 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;