Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 17 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Turismo

turismo@dgabc.com.br | 4435-8367

Flores que falam

Claudinei Plaza/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Miriam Gimenes
Enviada a Campos do Jordão

22/05/2008 | 07:55


Imagine um lugar onde as flores falam. Não por meio de palavras, mas pelo simples fato de existirem e transmitirem tudo o que a natureza tem para nos ensinar. Pois é, este espaço existe e é o Amantikir Garden, em Campos do Jordão. Com o tamanho equivalente a 60 campos de futebol - 600 mil m² -, o lugar pode ser o futuro Jardim Botânico da cidade.

A idéia de fazer enorme jardim, inaugurado em agosto do ano passado, foi do jardineiro Walter Vasconcellos, o doutor Garden, que trabalha há 21 anos na área. Após diversas viagens pelo mundo resolveu fazer 22 releituras de paisagismo que viu em alguns países e implantá-los em solo brasileiro. "Com a ajuda de patrocinadores fizemos este lugar, que para mim é mágico."

O nome, segundo ele, é originário de lendas indígenas que diziam que Amantikir queria dizer "serra que chora", por conta de uma índia que foi enterrada debaixo da terra local.

Histórias como essa podem ser apreciadas no passeio pelo jardim - que custa de R$ 15 a R$ 25 -, quase todas as vezes com a supervisão de Vasconcellos, que dura uma hora e meia. Durante o percurso, ele explica a razão pela qual fez cada jardim e a perspectiva que tem em relação ao futuro do local. "Agora aguardamos pela vistoria do governo federal, já que o pedido foi protocolado, para que aqui se torne o Jardim Botânico de Campos do Jordão", diz.

Jardins - Logo no início do passeio, um grande canteiro de mudas - plantadas e doadas - é apresentado aos visitantes. "Sempre me perguntam porque não coloco placas de identificação. Se tiver de gastar com isso, prefiro comprar uma planta."

Em seguida, um jardim de capins e outro de coníferas são mostrados. Eles são inspirados nos Estados Unidos e em países de grandes altitudes." Também foram feitos espaços com tradições orientais e um, em especial, baseado nos perfeitos campos londrinos.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Flores que falam

Miriam Gimenes
Enviada a Campos do Jordão

22/05/2008 | 07:55


Imagine um lugar onde as flores falam. Não por meio de palavras, mas pelo simples fato de existirem e transmitirem tudo o que a natureza tem para nos ensinar. Pois é, este espaço existe e é o Amantikir Garden, em Campos do Jordão. Com o tamanho equivalente a 60 campos de futebol - 600 mil m² -, o lugar pode ser o futuro Jardim Botânico da cidade.

A idéia de fazer enorme jardim, inaugurado em agosto do ano passado, foi do jardineiro Walter Vasconcellos, o doutor Garden, que trabalha há 21 anos na área. Após diversas viagens pelo mundo resolveu fazer 22 releituras de paisagismo que viu em alguns países e implantá-los em solo brasileiro. "Com a ajuda de patrocinadores fizemos este lugar, que para mim é mágico."

O nome, segundo ele, é originário de lendas indígenas que diziam que Amantikir queria dizer "serra que chora", por conta de uma índia que foi enterrada debaixo da terra local.

Histórias como essa podem ser apreciadas no passeio pelo jardim - que custa de R$ 15 a R$ 25 -, quase todas as vezes com a supervisão de Vasconcellos, que dura uma hora e meia. Durante o percurso, ele explica a razão pela qual fez cada jardim e a perspectiva que tem em relação ao futuro do local. "Agora aguardamos pela vistoria do governo federal, já que o pedido foi protocolado, para que aqui se torne o Jardim Botânico de Campos do Jordão", diz.

Jardins - Logo no início do passeio, um grande canteiro de mudas - plantadas e doadas - é apresentado aos visitantes. "Sempre me perguntam porque não coloco placas de identificação. Se tiver de gastar com isso, prefiro comprar uma planta."

Em seguida, um jardim de capins e outro de coníferas são mostrados. Eles são inspirados nos Estados Unidos e em países de grandes altitudes." Também foram feitos espaços com tradições orientais e um, em especial, baseado nos perfeitos campos londrinos.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;