Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 19 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Lauro esbarra em 2ª CPI na Câmara neste ano

Nario Barbosa/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Oposição protocola pedido de investigação de contrato do Paço com empresa de tucano


Junior Carvalho
Do Diário do Grande ABC

30/03/2017 | 07:00


O governo do prefeito de Diadema, Lauro Michels (PV), está prestes a enfrentar a segunda CPI neste ano, em apenas três meses. A oposição protocolou ontem novo pedido de abertura de investigação. Desta vez, para apurar irregularidades em contrato sem licitação entre o Paço e uma construtora cujo dono é aliado de políticos próximos do verde.

A nova CPI tem objeto semelhante à comissão instalada para averiguar empresa de fundo de quintal: levantar se a firma contratada pelo governo Lauro seria fantasma e se executou os serviços pelos quais recebeu, no valor de R$ 148 mil. A empresa é a Azyal Construções Civis Ltda, também conhecida como Contex, contratada em 2014 por meio de carta-convite para reformar telhados de ginásios municipais. O Diário revelou no dia 13 que a firma é de propriedade de Jerri de Souza (PSDB), que foi assessor do ex-vereador José Dourado (PSDB), ex-líder do governo verde no Legislativo.

Além de a empresa não possuir sede própria – o endereço cadastrado na Junta Comercial remete a várias casas de aluguel no Eldorado, inclusive a de Jerri – a equipe do Diário constatou com funcionários de alguns equipamentos esportivos que não houve a troca da cobertura da quadra, como estabelece o contrato firmado pelo Paço. “Precisamos entender qual é a dinâmica da reprodução de empresas fantasmas neste governo. Existir uma firma fantasma até que a gente espera, mas duas?”, questionou o petista Josa Queiroz, líder do G-12 (grupo de oposicionistas do PT, PR, PRB, PPS e DEM), que assina a CPI. Para o parlamentar, o fato de o cabo eleitoral de um aliado do governo ser dono da empresa não configura por si só ilegalidade, mas imoralidade. “Além de o governo ser extensão da família Michels, parece ser extensão dos amigos da família Michels”, disparou. “São vários indícios que justificam a abertura de CPI, como essa questão de o dono da empresa ser ligado a partido político aliado do governo”, frisou Cícero Antônio da Silva, o Cicinho (PRB), que será indicado pelo grupo para presidir a CPI. A relatoria deve ficar com Orlando Vitoriano (PT).

A abertura de uma segunda comissão em curto espaço de tempo irritou o núcleo duro do governo, que ainda vinha tentando digerir a existência da CPI da empresa de fundo de quintal, a Mendonça e Silva. Assim como a Azyal, a firma não possui matriz própria e está situada nos fundos de um cortiço na periferia da cidade.

Zé Dourado até que tentou acalmar os ânimos da oposição. Em reunião reservada com os parlamentares, o tucano se defendeu, alegando que Jerri nunca foi seu assessor, mas admitiu que a mulher do empresário foi funcionária comissionada em seu gabinete.

Líder do governo, Célio Boi (PSB) voltou a minimizar o passo para a apuração. “É prerrogativa do vereador fiscalizar o Executivo. Se alguma irregularidade for encontrada, os órgãos de controle serão acionados”. O Ministério Público já investiga os dois casos. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;