Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 21 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Seta Atacadista fecha mais uma unidade na região


Soraia Abreu Pedrozo
Do Diário do Grande ABC

28/01/2017 | 07:21


A Seta Atacadista encerrou as atividades de mais uma loja no Grande ABC. Desta vez, a unidade da Av. Giovanni Battista Pirelli, no bairro Homero Thon, em Santo André, amanheceu com as portas fechadas e surpreendeu seus 60 funcionários, que não foram avisados previamente.

Em uma semana, o grupo de atacarejo (que mistura atacado e varejo) sediado em Itaquaquecetuba, na Região Metropolitana, fechou duas lojas na região na calada da noite. Na quinta-feira passada, foi a vez da unidade da Av. Humberto de Alencar Castelo Branco, no bairro Assunção, em São Bernardo. Dos cerca de 80 funcionários que atuavam no local, a metade será remanejada para outras unidades.

A Seta, que mira regiões periféricas, possui agora sete supermercados na região, sendo três em Santo André, dois em Mauá, um em Diadema e um em São Caetano. A rede ainda emprega cerca de 340 profissionais no Grande ABC.

O Diário não localizou porta-voz da empresa para comentar os encerramentos. O Secabc (Sindicato dos Comerciários do ABC) informou que representantes da entidade estiveram no local e conversaram com responsáveis pela loja. O motivo apontado pelos fechamentos foi o agravamento da crise econômica. Quanto ao pagamento das rescisões do contrato de trabalho, a promessa dada foi a mesma que para os funcionários de São Bernardo: acerto de contas em dez dias.

O problema é que microempresários que atuavam na entrada do estabelecimento, com salão de cabeleireiro, venda de tapioca e até corretora de seguros, ficaram sem explicação. Alguns negócios tinham contrato de dois anos com a rede, mas foram intimados a deixar o local em um dia. Existe a suspeita de que a Seta já devia três meses de aluguel, por isso o encerramento repentino. Os empresários disseram que vão registrar boletim de ocorrência.  



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Seta Atacadista fecha mais uma unidade na região

Soraia Abreu Pedrozo
Do Diário do Grande ABC

28/01/2017 | 07:21


A Seta Atacadista encerrou as atividades de mais uma loja no Grande ABC. Desta vez, a unidade da Av. Giovanni Battista Pirelli, no bairro Homero Thon, em Santo André, amanheceu com as portas fechadas e surpreendeu seus 60 funcionários, que não foram avisados previamente.

Em uma semana, o grupo de atacarejo (que mistura atacado e varejo) sediado em Itaquaquecetuba, na Região Metropolitana, fechou duas lojas na região na calada da noite. Na quinta-feira passada, foi a vez da unidade da Av. Humberto de Alencar Castelo Branco, no bairro Assunção, em São Bernardo. Dos cerca de 80 funcionários que atuavam no local, a metade será remanejada para outras unidades.

A Seta, que mira regiões periféricas, possui agora sete supermercados na região, sendo três em Santo André, dois em Mauá, um em Diadema e um em São Caetano. A rede ainda emprega cerca de 340 profissionais no Grande ABC.

O Diário não localizou porta-voz da empresa para comentar os encerramentos. O Secabc (Sindicato dos Comerciários do ABC) informou que representantes da entidade estiveram no local e conversaram com responsáveis pela loja. O motivo apontado pelos fechamentos foi o agravamento da crise econômica. Quanto ao pagamento das rescisões do contrato de trabalho, a promessa dada foi a mesma que para os funcionários de São Bernardo: acerto de contas em dez dias.

O problema é que microempresários que atuavam na entrada do estabelecimento, com salão de cabeleireiro, venda de tapioca e até corretora de seguros, ficaram sem explicação. Alguns negócios tinham contrato de dois anos com a rede, mas foram intimados a deixar o local em um dia. Existe a suspeita de que a Seta já devia três meses de aluguel, por isso o encerramento repentino. Os empresários disseram que vão registrar boletim de ocorrência.  

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;