Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 16 de Junho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

diarinho@dgabc.com.br | 4435-8396

Aprendizado na natureza

Ricardo Trida/DGABC  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Parque Escola, em Santo André, é viagem com muito conhecimento pela Mata Atlântica


Caroline Ribeiro

04/12/2016 | 07:20


Um inesperado espaço de Mata Atlântica vive dentro da Vila Valparaíso, em Santo André. A área é grande e bonita o bastante para receber visitantes em busca de momentos para relaxar, fazer um piquenique e também aprender muito sobre o meio ambiente. Questões como ‘quais são as espécies de abelhas que ferroam?’, ‘plantas carnívoras comem qualquer tipo de carne?’ e ‘quantas espécies de borboletas existem’ podem ser respondidas em passeio pelo Parque Escola (Rua Anacleto Popote, 46. Tel.: 3356-9052).

Criado em 1997, o local conta com pouco mais de 50 mil m² de área verde e é repleto de diversas espécies de animais e plantas. O espaço foi montado para educação ambiental e desenvolve visitas para escolas com base nas questões apresentadas pelos alunos em sala de aula, tornando única cada excursão.

DIA DE AULA NA MATA 

A andreense Isadora Barbosa Anselmo, 9 anos, esteve lá na segunda-feira e conta que sua turma cultiva uma horta na escola e que foram ao parque para aprender mais sobre ervas medicinais. “A natureza sempre tem tudo o que a gente precisa, por isso é tão importante estudá-la e cuidar dela”, explica. “Por exemplo, se você estiver com dor de barriga, chá de boldo pode ajudar a melhorar. E a ‘gosminha’ de certos cactos pode fazer você sarar mais rápido se houver algum machucado, porque eles têm propriedades cicatrizantes. Mas não adianta só colher, tem que plantar também.”

Daniel da Silva Pinto, 8, se espantou depois que a bióloga do local explicou a extrema importância das abelhas para a vida dos seres humanos. “Sempre achei que se as abelhas morressem, os humanos só iriam ficar sem mel. Mas se elas não existirem, não vai ter ninguém que polinize as flores e, assim, não terão novas árvores”, comenta. O amigo Ryan Candido da Silva, 9 anos, completa dizendo que quando vemos uma abelha não é preciso ficar com medo nem matá-la. “É só não fazer nenhum movimento brusco e tirá-lá de perto com cuidado. Porque além de ela ser importante para a natureza, provavelmente nem ia te ferroar mesmo. Existem dois tipos de abelha, a africana e a brasileira, e só quem ferroa é a africana”, descreve o estudante andreense.

O grupo tem estudado em sala de aula os benefícios das plantas em diferentes áreas e a visita ao Parque Escola reforçou as curiosidades. “Lá na escola temos várias ervas medicinais na hortinha. Uma vez tomamos chá de capim-cidreira e de hortelã que plantamos. Hoje (na excursão) aprendi que ele é bom pra quem é muito estressado, porque ajuda a dormir melhor,” conta Kauã Cezário Silva, 8. 

Vitória Cordeiro da Silva, 8, se divertiu com o fato que descobriu. “Não tinha ideia que a pimenta hortelã, por exemplo, além de temperar, pode ser utilizada como xarope para tosse.” A natureza está aí para ser descoberta.

Catálogos reúnem animais e plantas

A diversidade natural é um dos elementos principais existentes dentro do Parque Escola. É na mescla de cenários e ambientes que o projeto se mostra rico tanto na fauna como na flora. 

Sua importância no meio de uma cidade urbana e moderna como Santo André não é somente para as pessoas que vivem no município, mas também para espécies migratórias que passam pela região. Para proteger esse espaço ambiental, toda a área do parque foi catalogada.

No Brasil inteiro há cerca de 1.850 espécies de aves. Só em Santo André já foram registrados 230 tipos. O parque faz parte da rota de imigração de muitos pássaros. Com isso, já foram fotografadas e catalogadas 79 espécies de 24 famílias, sendo que apenas 30% delas são residentes do local. 

Já borboletas, que são consideradas bons indicadores na qualidade de ar, foram divididas em 60 espécies diferentes. 

Mas as vencedoras em quantidade de registros são as plantas medicinais. Foram registradas 88 espécies de plantas com prioridades curativas. Com elas, as crianças aprendem a importância de se manterem próximas da natureza, que nos dá água, alimentos, matéria-prima para diversos objetos e remédios. O importante conhecer essas plantas antes de usá-las e o catálogo pode ajudar.

Espaço é aberto para público e escolas

Quem visita o Parque Escola faz grande viagem pelo mundo da natureza. O local conta com Mata Atlântica e é formado por áreas destinadas a vários segmentos, como horta orgânica e horta de plantas medicinais, um cactário com solo diferenciado (semelhante ao de áreas de deserto), bromeliário (no qual vivem tipos de bromélias), a sala do bicho-pau e outros ambientes cheios de curiosidades. Detalhe para o fato de que grande parte do projeto foi construída com materiais recicláveis e com a reutilização de recursos naturais.

O estilo diferenciado do parque sempre atrai escolas ao longo do ano. Para os colégios participarem do tour ecológico é necessário agendamento pelo site www.unimundos.org.br. A comunidade também tem acesso livre ao local, que fica aberto de segunda a quinta-feira, das 8h às 17h. 

O espaço ainda oferece cursos, oficinas, palestras e exposições mensalmente. Mais informações sobre as atividades podem ser obtidas por meio do telefone 3356-9060 ou pelo e-mail parqueescola@santoandre.sp.gov.br. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;