Fechar
Publicidade

Sábado, 23 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Acidente com caminhão na Anchieta/Imigrantes cresce 29%


Luciano Cavenagui e Rodrigo Cipriano
Do Diário do Grande ABC

22/09/2005 | 08:18


Imprudência e falta de manutenção. Juntos, os dois ingredientes foram responsáveis por um aumento de 28,98% no número de acidentes com caminhões no sistema Anchieta-Imigrantes de janeiro a agosto deste ano, no comparativo com o mesmo período de 2004. O número de ocorrências registradas nos oito primeiros meses deste ano é superior ao volume total de acidentes durante todo ano de 2003.

A maioria dos acidentes foi leve. Caminhões que por excesso de velocidade ou falha no sistema de freios perderam o controle e bateram contra taludes ou na traseira de outros veículos, principalmente no trecho de serra, sem causarem grande estragos materiais. Mas o número de pessoas machucadas nos acidentes envolvendo caminhões impressiona. Entre janeiro e agosto deste ano, foram 21 mortos e 265 feridos em todo sistema. O número é semelhante ao registrado ano passado: 23 mortos e 243 feridos no período.

Estudo realizado pela Ecovias (concessionária que administra o sistema Anchieta-Imigrantes) facilita a compreensão do cenário. Em um questionário respondido por 166 caminhoneiros, descobriu-se que 4% deles bebem todos os dias; 53% trabalham mais de 12 horas por dia; e 93% não descansam durante o trabalho.

Quarta-feira, durante todo o dia, a concessionária manteve um posto no Km 40 da via Anchieta para oferecer aos caminhoneiros serviços gratuitos de prevenção médica e revisão de freios. O programa começou terça-feira e termina nesta quinta-feira, das 8h30 às 16h.

Nos dois primeiros dias, os números constatados pela Ecovias não são animadores. De 20 caminhões que fizeram revisão de freios, 40% estavam em condições precárias, precisando de manutenção. De 30 motoristas que passaram por análise médica, em 60% deles foi constatado pressão arterial acima da média, com riscos de ocorrer derrame cerebral e infarto.

"Os veículos de motoristas autônomos foram os que apresentaram mais problemas com relação ao freio. Na maioria das vezes, eles não fazem a manutenção necessária para economizar. Muitos ainda não se conscientizaram sobre esses riscos que podem ocasionar acidentes", afirmou o técnico automotivo Israel Serafim, responsável pelas revisões dos freios. "Vários motoristas deixam de trocar o filtro do compressor de ar do freio a cada 30 mil quilômetros rodados, em média. O óleo de motor pode vazar, danificando o sistema de freada", acrescentou Serafim.

"Grande parte dos caminhoneiros não tem boa saúde, conforme verificado por nossos exames, por causa do estresse, má alimentação, muitas horas de trabalho seguida e poucas horas de sono", disse o médico cirurgião da unidade de resgate da Ecovias Adriano Bechara.

Por causa do excesso de trabalho e pouco descanso, o caminhoneiro Reinaldo Cordeiro, 36 anos, disse já ter parado no acostamento da via Anchieta para dormir. "Foi no mês passado. Estava indo para São Paulo e tinha de entregar rapidamente a carga que levava. Para evitar um acidente, parei no acostamento e dormi um pouco", disse Cordeiro.

Júnior Teles Couto, 30 anos, não conseguiu evitar um acidente. "Há uns dez dias dormi no volante na marginal Pinheiros, em São Paulo, e bati em outro carro. Ainda bem que não foi nada grave. Desde então, tenho tentado dormir mais, mas, muitas vezes, não dá tempo".



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;