Fechar
Publicidade

Sábado, 8 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Desemprego deve ficar
em 5,5%, afirma Lupi


Soraia Abreu Pedrozo
Do Diário do Grande ABC

29/08/2011 | 16:06


Embora o saldo de empregos (contratações menos demissões) do mês de julho em todo o País tenha sido 22,6% menor do que no mesmo mês do ano passado, com 140.563 vagas, o ministro do Trabalho e Emprego, Carlos Lupi, afirmou hoje que a taxa de desemprego deve encerrar o ano entre 5,5% e 7,7%. Esse percentual, de acordo com Lupi, é o menor índice de desemprego da história do País, chegando quase ao pleno emprego, que seria abaixo de 5%.

Para o saldo de agosto, mensurado pelo Caged, do MTE, que considera apenas os postos de trabalho formais, ele espera dados positivos. "Acredito que vamos terminar o ano nesse índice de desemprego principalmente por conta do acumulado da geração de emprego", disse Lupi durante debate do Grupo de Líderes Empresariais. A expectativa é de que sejam gerados 3 milhões de empregos formais, quase meio milhão a mais do que no ano passado, quando foram contratados 2,52 milhões de trabalhadores.

Outro fator que não deve impactar o cenário é a medida de aperto fiscal anunciada também hoje pelo ministro da Fazenda Guido Mantega. Ele informou que a meta do superávit primário terá aumento de R$ 10 milhões, o que corresponde entre 0,25% e 0,30% do Produto Interno Bruto. O intuito da medida é diminuir a demanda do consumidor para frear inflação e, consequentemente baixar taxa básica de juros. Lupi, porém, disse que a medida não deve mudar a previsão para a geração de emprego.

DOMÉSTICAS - O ministro do Trabalho e Emprego informou que o projeto que assegura aos empregados domésticos os mesmos direitos que um trabalhador com registro em carteira, como INSS e FGTS, deve ser divulgado ainda nesta semana. Lupi não entrou em detalhes, apenas citou que faltam ser acertados dois ou três aspectos da proposta por conta de a categoria ter muitos diaristas, que possuem vários vínculos empregatícios, e não somente um. A medida sugere regime tributário semelhante ao do Simples Nacional.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Desemprego deve ficar
em 5,5%, afirma Lupi

Soraia Abreu Pedrozo
Do Diário do Grande ABC

29/08/2011 | 16:06


Embora o saldo de empregos (contratações menos demissões) do mês de julho em todo o País tenha sido 22,6% menor do que no mesmo mês do ano passado, com 140.563 vagas, o ministro do Trabalho e Emprego, Carlos Lupi, afirmou hoje que a taxa de desemprego deve encerrar o ano entre 5,5% e 7,7%. Esse percentual, de acordo com Lupi, é o menor índice de desemprego da história do País, chegando quase ao pleno emprego, que seria abaixo de 5%.

Para o saldo de agosto, mensurado pelo Caged, do MTE, que considera apenas os postos de trabalho formais, ele espera dados positivos. "Acredito que vamos terminar o ano nesse índice de desemprego principalmente por conta do acumulado da geração de emprego", disse Lupi durante debate do Grupo de Líderes Empresariais. A expectativa é de que sejam gerados 3 milhões de empregos formais, quase meio milhão a mais do que no ano passado, quando foram contratados 2,52 milhões de trabalhadores.

Outro fator que não deve impactar o cenário é a medida de aperto fiscal anunciada também hoje pelo ministro da Fazenda Guido Mantega. Ele informou que a meta do superávit primário terá aumento de R$ 10 milhões, o que corresponde entre 0,25% e 0,30% do Produto Interno Bruto. O intuito da medida é diminuir a demanda do consumidor para frear inflação e, consequentemente baixar taxa básica de juros. Lupi, porém, disse que a medida não deve mudar a previsão para a geração de emprego.

DOMÉSTICAS - O ministro do Trabalho e Emprego informou que o projeto que assegura aos empregados domésticos os mesmos direitos que um trabalhador com registro em carteira, como INSS e FGTS, deve ser divulgado ainda nesta semana. Lupi não entrou em detalhes, apenas citou que faltam ser acertados dois ou três aspectos da proposta por conta de a categoria ter muitos diaristas, que possuem vários vínculos empregatícios, e não somente um. A medida sugere regime tributário semelhante ao do Simples Nacional.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;