Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 30 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Termina terceiro dia de
julgamento do caso Eloá

Trabalhos serão retomados na manhã desta quinta-feira com
os debates da acusação e defesa de Lindemberg Alves


Do Diário OnLine

15/02/2012 | 12:48


Terminou por volta das 19h45 desta quarta-feira o terceiro dia de julgamento do caso Eloá Pimentel, realizado no Fórum em Santo André. Lindemberg Alves Fernandes, acusado de matar a ex-namorada em outubro de 2008, falou pela primeira vez sobre o crime. Ele depôs por mais de cinco horas, pediu perdão à família da vítima e admitiu que efetuou disparos contra a garota.

"Quero pedir perdão para a mãe dela (Eloá) em público, pois eu entendo a sua dor", disse. "Quando a polícia invadiu, a Eloá fez menção de levantar e eu, sem pensar, atirei. Foi tudo muito rápido", explicou.

Acompanhe aqui alguns trechos do depoimento de Lindemberg

Clique aqui para conferir a galeria de fotos

Quando questionado sobre o disparo contra Nayara Rodrigues, amiga da vítima, o acusado disse não se lembrar. "Não posso dizer se atirei ou não na Nayara. Eu não me lembro."

O julgamento esta previsto para ser retomado na manhã desta quinta-feira às 9h, com os debates de acusação e defesa. Um júri formado por seis homens e uma mulher decidirá se o réu é ou não culpado pelos crimes de homicídio qualificado, tentativa de homicídio, cárcere privado e disparo de arma de fogo. Só então a juíza lerá a sentença e a pena definida.

Ainda hoje foi ouvido o depoimento da última testemunha de defesa, Paulo Sérgio Squiavano, membro do Gate (Grupo de Ações Táticas Especiais) e que participou da operação na época do ocorrido. A oitiva durou quase duas horas.

Confira abaixo os trechos mais importantes do depoimento de Lindemberg.

Motivação - Lindemberg alega que o sequestro começou quando ele chegou no apartamento de Eloá e a encontrou acompanhada de Nayara e os outros dois meninos.

Segundo ele, a ex-namorada se atrapalhou ao explicar a presença de Victor Lopes de Campos, uma vez que sabia que Iago Vilela de Oliveira era namorado de Nayara.

Ele ficou furioso porque eles haviam reatado o namoro no sábado anterior ao sequestro e haviam prometido que contariam um para o outro tudo que acontecesse na vida deles.

Ao pressionar Victor, o menino admitiu ter beijado Eloá, que continuou negando o ocorrido. Foi neste momento que Lindemberg mostrou que estava armado. "Infelizmente, doutora, trair hoje é normal, mas eu não sou um cara que admite traição." Ele ainda chegou a declarar: "Qualquer pessoa por estar armada, após saber que sua namorada estava beijando outro garoto, ia tomar uma medida mais extrema e atirar nela (Eloá) de primeira".

Arma- O acusado contou que adquiriu a arma de um senhor que estava vendendo todos os pertences no Parque da Juventude, em Santo André, para poder voltar para sua terra natal. Entre os itens oferecidos estavam o revólver e a munição.

Lindemberg explicou que comprou o artefato, pois ele já havia recebido três ameaças de morte vinte dias antes do sequestro começar. A partir de então, ele passou a andar armado o tempo todo. "Eu não tinha inimigos e não tinha arrumado briga com ninguém. Não sei quem poderia ter feito isso, mas fiquei com medo."

Cárcere - O sequestro foi descoberto quando o pai de um dos meninos foi buscá-lo na casa de Eloá. Neste momento, Lindemberg abriu a porta, mostrou a arma e informou que os jovens estavam em seu poder e que só os deixaria sair depois que conversasse com sua namorada. O pai, então, acionou a polícia.

"Depois do primeiro dia, após ver as viaturas, precisei de um tempo para assimilar tudo o que estava acontecendo, aquele monte de policiais, de jornalistas, eu nunca tinha sido preso, eu não estava acostumado com isso."

O réu deixou claro em seu depoimento que sempre permitiu a saída de Nayara, Victor e Iago, mas fazia questão da presença de Eloá.

Os amigos se recusaram a deixar Eloá sozinha com Lindemberg e a decisão de voltar ao apartamento partiu de Nayara, pois ela gostaria que todos saíssem daquela situação juntos.

Ele contou que a ex-namorada o lembrou do sequestro ocorrido no Rio de Janeiro com o ônibus 174, e que ao mesmo tempo que ele não confiava na polícia, ela também tinha medo de morrer e não desejava deixar o apartamento.

Agressões - O acusado nega que tenha agredido Eloá durante o tempo que permaneceu com ela no cárcere. Segundo ele, ela gritava e chorava sem que ele tivesse feito alguma coisa. Ele afirma que o único momento em que "encostou a mão" nela foi quando, ao mostrar o revólver, Eloá tentou agarrá-lo e com medo de que ela o desarmasse, a empurrou no sofá.

Família de Eloá - Lindemberg contou que sempre teve uma boa relação com a família de Eloá, exceto com o irmão mais velho, Ronickson Pimentel dos Santos.

Ele afirmou que confiava em Everton, irmão caçula da vítima, e por isso só aceitou negociar com ele. "Confiava muito mais nele do que na polícia."

Durante o depoimento, todas as vezes que o acusado toca no assunto, sua voz fica embargada. Ele faz questão de chamar a mãe de Eloá, Ana Cristina Pimentel da Silva, de Dona Tina.

Os disparos - De acordo com o réu, ele, Nayara e Eloá estavam prontos para sair do apartamento pouco antes da invasão da polícia. A intenção, segundo Lindemberg, era sair sem avisar ninguém, pois ele temia por sua vida.

Quando houve a explosão na porta, Eloá fez menção de levantar e, "sem pensar", ele disparou a arma. "Depois que atirei na Eloá fiquei meio atordoado. Quando me recuperei já estava no chão sendo agredido pelos policiais", completou. O acusado negou que, antes disso, tenha atirado no sargento da Polícia Militar Atos Antônio Valeriano. Ele afirmou que foi um disparo acidental por não saber manusear a espingarda que havia encontrado na casa de Eloá.

"Infelizmente foi uma vida que se foi. É difícil falar isso, mas em alguns momentos nós três levamos aquilo tudo na brincadeira." (Com informações de Cadu Proieti, Elaine Granconato e Rafael Ribeiro)



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;