Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 3 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

Brasil sedia 3º Mundial de Cegos e sonha com medalhas em Pequim


Raphael Ramos
Do Diário do Grande ABC

29/07/2007 | 07:42


O Brasil abre neste domingo, às 17h, no Anhembi, em São Paulo, o 3º Mundial de Cegos sonhando com a melhor participação do País na história da competição. As provas serão realizadas até o dia 7 de agosto na Capital e em São Caetano.

A meta dos dirigentes da CBDC (Confederação Brasileira de Desportos para Cegos) é terminar o Mundial entre os cinco primeiros colocados, ao lado de potências históricas como Espanha, Japão, Estados Unidos e China. No Mundial da Espanha, em 1998, o Brasil ficou em 38º lugar, com apenas uma medalha. Cinco anos depois, no Canadá, subiu ao pódio 13 vezes e terminou na 13º colocação geral.

Agora, o presidente da CBDC, David Farias Costa, evita falar em número de medalhas. Mas garante que o País terá o seu melhor rendimento na história da competição. “Temos chances reais de medalha em várias modalidades, principalmente no judô e no atletismo. Isso, certamente, nos colocará entre os cinco primeiros ao final do Mundial”, disse.

E para alcançar essa marca histórica, o investimento foi pesado. Foram gastos R$ 7 milhões para organizar o Mundial, sendo que R$ 3 milhões foram bancados pelos países filiados à IBSA (sigla em inglês de Federação Internacional de Esportes para Cegos) e o restante veio da CBDC, do Ministério dos Esportes, Comitê Paraolímpico, governo do Estado, prefeituras e algumas empresas estatais e privadas.

O recorde de medalhas no 4º Mundial de Jovens e Estudantes da IBSA, realizado no início do mês em Colorado Springs, no Estados Unidos, também anima os dirigentes. Com 28 medalhas de ouro, 26 de prata e 11 de bronze conquistados na natação e no atletismo, os brasileiros alcançaram a melhor marca do País na história da competição.

FUTURO
Um bom rendimento no Mundial faz os dirigentes sonharem com medalhas na Paraolimpíada de Pequim, já que a competição dá vagas na China para natação, atletismo, judô e goalball.

Para Antônio Tenório, judoca de São Bernardo, por exemplo, a briga por uma medalha paraolímpica começa no Mundial. O atleta já possui três ouros na competição.

O Brasil tem a maior delegação do Mundial, com 155 atletas. Ao todo, o torneio contará com mais de 1.600 competidores de 64 países.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;