Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 6 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Gasto com mais vereadores poderia melhorar salários


Raphael Rocha
do Diário do Grande ABC

12/08/2011 | 07:15


A projeção do Legislativo de Diadema em aumentar as cadeiras de 17 para 23, em 2013, acarretará custos adicionais na ordem de R$ 13,2 milhões. Numa situação hipotética, com esse montante, 5.000 funcionários com salário de R$ 1.100 mensais - o piso da Prefeitura - poderiam ter 20% de aumento salarial, sem gerar estragos nas contas da administração. O governo tem, atualmente, 7.000 trabalhadores.

O reajuste para o funcionalismo foi justamente o assunto que permeou as discussões nos últimos seis meses entre o Executivo, que alegava não ter dinheiro para conceder aumento aos trabalhadores, e o Sindicato dos Servidores Públicos.

Depois de diversas reuniões e greve de 23 dias, as partes chegaram ao aumento de 12,46%, cuja primeira parcela, de 4%, será quitada em dezembro. Todo imbróglio poderia nem ter acontecido se a verba prevista para acolher seis novos vereadores na cidade fosse reservada para negociação salarial. É o governo Mário Reali (PT) que repassa a verba para o funcionamento da Câmara.

Além de incrementar uma proposta aos servidores públicos, o dinheiro que poderá ser despendido com novos vereadores serviria para impulsionar as contas públicas do Executivo com relação aos investimentos na cidade.

Atualmente, a Prefeitura trabalha com R$ 3 milhões para investimentos no município, que são pinçados durante plenárias do Orçamento Participativo. A quantia representa 0,4% da peça orçamentária, estimada em R$ 750 milhões para 2011. Reali, em entrevista à equipe do Diário, admitiu que a capacidade econômica da administração não é alta e que isso limita diretamente as demandas tiradas do OP.

Com R$ 13,2 milhões para turbinar o poder financeiro, Diadema multiplicaria por quatro o montante voltado a melhorias na cidade. E projetos mais complexos e que demandariam mais receita poderiam ser desenvolvidos.

O aumento no número de vereadores está longe de consenso na Câmara de Diadema. Embora o presidente da Casa, Laércio Soares (PCdoB), tenha realizado debates com mandatários de partidos na cidade e que a maioria apoiasse a criação de seis cadeiras, a definição está emperrada justamente por problemas financeiros.

OAB de Mauá quer plebiscito sobre aumento de cadeiras

A Ordem dos Advogados no Brasil de Mauá quer consultar a população sobre aumento de cadeiras no Legislativo. Atualmente são 17 parlamentares na cidade. A partir de 2013 serão 23. O acréscimo é consenso e já passou pela primeira votação na Casa.

O presidente da OAB no município, Roberto Ortiz, protocolou ofício na Câmara pedindo o plebiscito, mas ainda não obteve resposta.

Ontem o Diário publicou que a Comissão de Lei Orgânica Municipal da Câmara de São Bernardo sugeriu a mesma medida.

Ortiz ressaltou que o aumento dos parlamentares não é o grande problema. "A discussão precisa ser em torno do valor e da qualidade. Como advogado, acho que um vereador custa muito caro."



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Gasto com mais vereadores poderia melhorar salários

Raphael Rocha
do Diário do Grande ABC

12/08/2011 | 07:15


A projeção do Legislativo de Diadema em aumentar as cadeiras de 17 para 23, em 2013, acarretará custos adicionais na ordem de R$ 13,2 milhões. Numa situação hipotética, com esse montante, 5.000 funcionários com salário de R$ 1.100 mensais - o piso da Prefeitura - poderiam ter 20% de aumento salarial, sem gerar estragos nas contas da administração. O governo tem, atualmente, 7.000 trabalhadores.

O reajuste para o funcionalismo foi justamente o assunto que permeou as discussões nos últimos seis meses entre o Executivo, que alegava não ter dinheiro para conceder aumento aos trabalhadores, e o Sindicato dos Servidores Públicos.

Depois de diversas reuniões e greve de 23 dias, as partes chegaram ao aumento de 12,46%, cuja primeira parcela, de 4%, será quitada em dezembro. Todo imbróglio poderia nem ter acontecido se a verba prevista para acolher seis novos vereadores na cidade fosse reservada para negociação salarial. É o governo Mário Reali (PT) que repassa a verba para o funcionamento da Câmara.

Além de incrementar uma proposta aos servidores públicos, o dinheiro que poderá ser despendido com novos vereadores serviria para impulsionar as contas públicas do Executivo com relação aos investimentos na cidade.

Atualmente, a Prefeitura trabalha com R$ 3 milhões para investimentos no município, que são pinçados durante plenárias do Orçamento Participativo. A quantia representa 0,4% da peça orçamentária, estimada em R$ 750 milhões para 2011. Reali, em entrevista à equipe do Diário, admitiu que a capacidade econômica da administração não é alta e que isso limita diretamente as demandas tiradas do OP.

Com R$ 13,2 milhões para turbinar o poder financeiro, Diadema multiplicaria por quatro o montante voltado a melhorias na cidade. E projetos mais complexos e que demandariam mais receita poderiam ser desenvolvidos.

O aumento no número de vereadores está longe de consenso na Câmara de Diadema. Embora o presidente da Casa, Laércio Soares (PCdoB), tenha realizado debates com mandatários de partidos na cidade e que a maioria apoiasse a criação de seis cadeiras, a definição está emperrada justamente por problemas financeiros.

OAB de Mauá quer plebiscito sobre aumento de cadeiras

A Ordem dos Advogados no Brasil de Mauá quer consultar a população sobre aumento de cadeiras no Legislativo. Atualmente são 17 parlamentares na cidade. A partir de 2013 serão 23. O acréscimo é consenso e já passou pela primeira votação na Casa.

O presidente da OAB no município, Roberto Ortiz, protocolou ofício na Câmara pedindo o plebiscito, mas ainda não obteve resposta.

Ontem o Diário publicou que a Comissão de Lei Orgânica Municipal da Câmara de São Bernardo sugeriu a mesma medida.

Ortiz ressaltou que o aumento dos parlamentares não é o grande problema. "A discussão precisa ser em torno do valor e da qualidade. Como advogado, acho que um vereador custa muito caro."

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;