Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 18 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Kremlin nega suposta reuniao entre Putin e Maskhadov


Do Diário do Grande ABC

03/05/2000 | 10:54


O presidente independentista checheno Aslan Maskhadov afirmou nesta quarta-feira que estavam sendo mantidos contatos com vistas à realizaçao de um encontro com o presidente russo Vladimir Putin, o que o Kremlin desmentiu.

``Os que querem a guerra tanto na Chechênia como na Rússia impedem esta reuniao'', declarou contudo o presidente checheno.

``Os que querem a guerra'', segundo Maskhadov, estao representados na Chechênia por elementos pro-russos como o mufti Akmad Kadyrov e na Rússia pelos militares, contrários a qualquer negociaçao.

Quando lhe foi perguntado sobre as declaraçoes do presidente checheno, o Kremlin desmentiu qualquer contato.

``Nao há nenhum contato em andamento. Nao houve nenhum contato. Se houver contato, será para conseguir a rendiçao total de Maskhadov e dos combatentes'', afirmou o conselheiro do Kremlin encarregado da comunicaçao sobre o conflito checheno, Serguei Iastrkhembski.

``Maskhadov nao tem necessidade de reunir-se com Putin para render-se. Isto pode ser feito de uma maneira mais rápida e eficaz'', assinalou Iastrkhembski.

``É possível acabar com a guerra a qualquer momento e para isso é indispensável um encontro de cúpula. Putin é um homem que tem suficiente vontade para pôr fim à guerra'', assegurou o presidente checheno.

Maskhadov considerou que continua sendo possível chegar a uma soluçao baseada nos acordos que puseram fim à primeira guerra da Chechênia (dezembro de 1994 a agosto de 1996) e dar uma independência de fato à pequena república do Norte do Cáucaso.

Desde o início de sua intervençao militar na Chechênia, em outubro do ano passado, Moscou nega toda legitimidade ao presidente Maskhadov.

Entretanto, no dia 21 de abril Vladimir Putin reconheceu ter recebido um mês antes uma proposta de paz de Maskhadov e afirmou que Moscou havia contestado com outras propostas que ficaram sem resposta.

O presidente checheno declarou que perdeu dois mil combatentes desde o início da guerra, sem precisar os efetivos atuais das forças independentistas.

``De nossas bases nas montanhas, podemos alcançar qualquer regiao da Chechênia, atacar comboios russos, posiçoes fortificadas e postos de comando. Este método é eficaz e tem como vantagem reduzir ao mínimo as perdas humanas no lado checheno'', afirmou.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Kremlin nega suposta reuniao entre Putin e Maskhadov

Do Diário do Grande ABC

03/05/2000 | 10:54


O presidente independentista checheno Aslan Maskhadov afirmou nesta quarta-feira que estavam sendo mantidos contatos com vistas à realizaçao de um encontro com o presidente russo Vladimir Putin, o que o Kremlin desmentiu.

``Os que querem a guerra tanto na Chechênia como na Rússia impedem esta reuniao'', declarou contudo o presidente checheno.

``Os que querem a guerra'', segundo Maskhadov, estao representados na Chechênia por elementos pro-russos como o mufti Akmad Kadyrov e na Rússia pelos militares, contrários a qualquer negociaçao.

Quando lhe foi perguntado sobre as declaraçoes do presidente checheno, o Kremlin desmentiu qualquer contato.

``Nao há nenhum contato em andamento. Nao houve nenhum contato. Se houver contato, será para conseguir a rendiçao total de Maskhadov e dos combatentes'', afirmou o conselheiro do Kremlin encarregado da comunicaçao sobre o conflito checheno, Serguei Iastrkhembski.

``Maskhadov nao tem necessidade de reunir-se com Putin para render-se. Isto pode ser feito de uma maneira mais rápida e eficaz'', assinalou Iastrkhembski.

``É possível acabar com a guerra a qualquer momento e para isso é indispensável um encontro de cúpula. Putin é um homem que tem suficiente vontade para pôr fim à guerra'', assegurou o presidente checheno.

Maskhadov considerou que continua sendo possível chegar a uma soluçao baseada nos acordos que puseram fim à primeira guerra da Chechênia (dezembro de 1994 a agosto de 1996) e dar uma independência de fato à pequena república do Norte do Cáucaso.

Desde o início de sua intervençao militar na Chechênia, em outubro do ano passado, Moscou nega toda legitimidade ao presidente Maskhadov.

Entretanto, no dia 21 de abril Vladimir Putin reconheceu ter recebido um mês antes uma proposta de paz de Maskhadov e afirmou que Moscou havia contestado com outras propostas que ficaram sem resposta.

O presidente checheno declarou que perdeu dois mil combatentes desde o início da guerra, sem precisar os efetivos atuais das forças independentistas.

``De nossas bases nas montanhas, podemos alcançar qualquer regiao da Chechênia, atacar comboios russos, posiçoes fortificadas e postos de comando. Este método é eficaz e tem como vantagem reduzir ao mínimo as perdas humanas no lado checheno'', afirmou.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;