Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 18 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Ferrari de R$ 322 mil pode ser comprada como ferro-velho em pátio de Santo André

Marina Brandão/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Daniel Tossato
Do Diário OnLine

08/09/2015 | 17:26


É de conhecimento comum que os carros da Ferrari estão entre os itens mais desejados por todos aqueles que gostam de dirigir. O automóvel italiano é símbolo de status, dinheiro, poder e ostentação. Mais do que um simples veículo, a Ferrari é um ícone. Segundo a Brand Finance, consultora especializada em avaliação de marcas mundiais, a montadora italiana de automóveis de luxo aparece em 10º lugar como uma das mais valiosas em pesquisa realizada no mês de fevereiro de 2015. Porém, para um dos automóveis fabricados pela Ferrari, todo esse glamour parece ter ficado no passado.

Em um dos pátios administrados pela  Prefeitura  de Santo André, em meio à carros retorcidos e desfigurados, num canto qualquer, quase esquecido, encontra-se uma Ferrari Dino 208 GT4, 1975. O design italiano, um dos mais invejados do mundo, ainda desperta interesse, mas já não mostra o brilho de tempos atrás. As linhas aerodinâmicas, criadas para atingir velocidades extremas, dão lugar à ferrugem, que corrói não só a lataria, mas toda a personalidade do possante italiano. 
 
 Hoje, o carro que outrora rasgou as estradas em busca do horizonte, jaz apodrecendo como um defunto num cemitério de veículos, tornando-se nada mais que o lugar de descanso do cão e companheiro do responsável pelo pátio.

Numa busca rápida em sites especializados em compra e venda de carros de luxo, uma Ferrari Dino 208 GT4 alcança o valor de 55 mil libras esterlinas, equivalente a R$ 322 mil, tendo como base o câmbio de hoje. Porém, depois de tanto tempo no pátio, o futuro do veículo do cavalo rampante é incerto e ele pode ser negociado como um simples ferro-velho, o que poderia render R$ 253  somente, já que o carro pesa em torno de 1.150kg e a sucata é comercializada a R$ 0,22 o quilograma.

A história que acompanha o carro até ele parar  no pátio de Santo André é um pouco confusa. Segundo o boletim de ocorrência registrado na 1º DP (Delegacia de Polícia) do Centro da cidade, com data de 6 de junho de 2006, o dono da Ferrari, o romeno Ferry Lazar, levou o automóvel para conserto em fevereiro de 2002 e quando retornou para retirar o veículo, tanto a oficina quanto a Ferrari e o dono do estabelecimento tinham sumido. Lazar, então, passou a procurar o carro por conta própria, e em meados de 2003 descobriu que uma Ferrari muito semelhante a sua apareceu. A Ferrari Dino 208 GT4 que ele levara na oficina era azul, enquanto  a encontrada em 2003 era amarela.

O delegado acatou a queixa de Lazar e pediu para que policiais averiguassem  o veículo que se encontrava em posse de Ariovaldo Vicentini, que prontamente se ofereceu para elucidar a situação. Ainda segundo o B.O, o delegado suspeitou de que poderia se tratar de  adulteração  de veículo, crime previsto em lei, através dos artigos 289 e 311 e que ambos, tanto Ferry Lazar e Ariovaldo Vicentini foram vítimas de um possível golpe.

A Ferrari Dino 208 GT4 se encontra no pátio de Santo André desde 2006, quando  foi determinada sua apreensão para a averiguação. 

A quipe do Diário buscou durante todo o dia entrar em contato com os envolvidos através dos números de telefones que estão no boletim de ocorrência, mas não obteve sucesso. Algumas redes sociais também foram utilizadas para tentar encontrar os donos da Ferrari, mas também não houve êxito, o que aumenta ainda mais o mistério do porque esta Ferrari ainda continuar no pátio de Santo André.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Ferrari de R$ 322 mil pode ser comprada como ferro-velho em pátio de Santo André

Daniel Tossato
Do Diário OnLine

08/09/2015 | 17:26


É de conhecimento comum que os carros da Ferrari estão entre os itens mais desejados por todos aqueles que gostam de dirigir. O automóvel italiano é símbolo de status, dinheiro, poder e ostentação. Mais do que um simples veículo, a Ferrari é um ícone. Segundo a Brand Finance, consultora especializada em avaliação de marcas mundiais, a montadora italiana de automóveis de luxo aparece em 10º lugar como uma das mais valiosas em pesquisa realizada no mês de fevereiro de 2015. Porém, para um dos automóveis fabricados pela Ferrari, todo esse glamour parece ter ficado no passado.

Em um dos pátios administrados pela  Prefeitura  de Santo André, em meio à carros retorcidos e desfigurados, num canto qualquer, quase esquecido, encontra-se uma Ferrari Dino 208 GT4, 1975. O design italiano, um dos mais invejados do mundo, ainda desperta interesse, mas já não mostra o brilho de tempos atrás. As linhas aerodinâmicas, criadas para atingir velocidades extremas, dão lugar à ferrugem, que corrói não só a lataria, mas toda a personalidade do possante italiano. 
 
 Hoje, o carro que outrora rasgou as estradas em busca do horizonte, jaz apodrecendo como um defunto num cemitério de veículos, tornando-se nada mais que o lugar de descanso do cão e companheiro do responsável pelo pátio.

Numa busca rápida em sites especializados em compra e venda de carros de luxo, uma Ferrari Dino 208 GT4 alcança o valor de 55 mil libras esterlinas, equivalente a R$ 322 mil, tendo como base o câmbio de hoje. Porém, depois de tanto tempo no pátio, o futuro do veículo do cavalo rampante é incerto e ele pode ser negociado como um simples ferro-velho, o que poderia render R$ 253  somente, já que o carro pesa em torno de 1.150kg e a sucata é comercializada a R$ 0,22 o quilograma.

A história que acompanha o carro até ele parar  no pátio de Santo André é um pouco confusa. Segundo o boletim de ocorrência registrado na 1º DP (Delegacia de Polícia) do Centro da cidade, com data de 6 de junho de 2006, o dono da Ferrari, o romeno Ferry Lazar, levou o automóvel para conserto em fevereiro de 2002 e quando retornou para retirar o veículo, tanto a oficina quanto a Ferrari e o dono do estabelecimento tinham sumido. Lazar, então, passou a procurar o carro por conta própria, e em meados de 2003 descobriu que uma Ferrari muito semelhante a sua apareceu. A Ferrari Dino 208 GT4 que ele levara na oficina era azul, enquanto  a encontrada em 2003 era amarela.

O delegado acatou a queixa de Lazar e pediu para que policiais averiguassem  o veículo que se encontrava em posse de Ariovaldo Vicentini, que prontamente se ofereceu para elucidar a situação. Ainda segundo o B.O, o delegado suspeitou de que poderia se tratar de  adulteração  de veículo, crime previsto em lei, através dos artigos 289 e 311 e que ambos, tanto Ferry Lazar e Ariovaldo Vicentini foram vítimas de um possível golpe.

A Ferrari Dino 208 GT4 se encontra no pátio de Santo André desde 2006, quando  foi determinada sua apreensão para a averiguação. 

A quipe do Diário buscou durante todo o dia entrar em contato com os envolvidos através dos números de telefones que estão no boletim de ocorrência, mas não obteve sucesso. Algumas redes sociais também foram utilizadas para tentar encontrar os donos da Ferrari, mas também não houve êxito, o que aumenta ainda mais o mistério do porque esta Ferrari ainda continuar no pátio de Santo André.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;